sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Aveiro cria técnica natural para descontaminar águas

Investigadores da Universidade de Aveiro (UA) desenvolveram uma terapia natural e económica para descontaminar as águas das pisciculturas, que poderá eliminar a necessidade de usar vacinas e antibióticos melhorando drasticamente a qualidade dos peixes de viveiro.
Esta técnica desenvolvida pelo Departamento de Biologia e Centro de Estudos do Ambiente e do Mar , denominada 'terapia fágica', baseia-se na eliminação das bactérias patogénicas através da ação de vírus que as infetam e eliminam.
Estes vírus, que reduzem em mil vezes o número de bactérias presentes na água, são inócuos e não têm qualquer risco para a saúde humana.
O uso destes agentes é justificado pelo facto das vacinas disponíveis serem "ainda limitadas e poderem ainda ser pouco ativas nas primeiras fases de vida dos peixes, quando o sistema imunitário ainda não está totalmente desenvolvido”, explica Adelaide Almeida, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar e coordenadora deste projeto, citada num comunicado enviado ao Boas Notícias.
No decorrer desta investigação, a equipa isolou bactérias patogénicas de peixes, e que foram usadas para seleccionar fagos (vírus que infetam apenas bactérias). Nos testes realizados nas aquaculturas infetadas com bactérias patogénicas de peixe e tratadas com estes vírus, foi vísivel uma redução no número de bactérias em cerca de 1000 vezes.  

Técnica pode eliminar necessidade de vacinas e antibióticos
“A inativação de bactérias patogénicas com fagos, sem riscos para os peixes, para o ambiente e para a saúde pública, torna esta tecnologia mais segura e o seu baixo custo é ainda muito aliciante para as empresas desta área”, acrescenta a coordenadora.
Em relação à administração de antibióticos, apesar da sua eficácia, "pode levar ao desenvolvimento de resistências, que fatalmente acabam por se transmitir aos microrganismos que infetam os seres humanos”, salienta a responsável.
Esta terapia, que foi desenvolvida por biólogos da UA, pretende ainda constituir uma alternativa aos produtos e processos de descontaminação usados atualmente, e que podem ter "grandes" impactos para o meio ambiente e para a saúde pública.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Documentário: Veducated (Veganizado)

Este documentário é com certeza uma referência para quem não consegue se desligar dos alimentos derivados, mas deseja se tornar vegan. Aqui, alguns jovens onívoros convictos e amantes de queijos, leite e carnes são convidados a aderir ao veganismo por seis semanas. Apesar das reclamações iniciais, estas serão uma das seis semanas mais importantes de suas vidas.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

ArtePoema da semana- "Ando um pouco acima do chão", por Daniel Faria

Sergio Cerchi
Ando um pouco acima do chão
Nesse lugar onde costumam ser atingidos
Os pássaros
Um pouco acima dos pássaros
No lugar onde costumam inclinar-se
Para o voo

Tenho medo do peso morto
Porque é um ninho desfeito

Estou ligeiramente acima do que morre
Nessa encosta onde a palavra é como pão
Um pouco na palma da mão que divide
E não separo como o silêncio em meio do que escrevo

Ando ligeiro acima do que digo
E verto o sangue para dentro das palavras
Ando um pouco acima da transfusão do poema

Ando humildemente nos arredores do verbo
Passageiro num degrau invisível sobre a terra
Nesse lugar das árvores com fruto e das árvores
No meio de incêndios
Estou um pouco no interior do que arde
Apagando-me devagar e tendo sede
Porque ando acima da força a saciar quem vive
E esmago o coração para o que desce sobre mim

E bebe

Daniel Faria 
(1971 - 1999)

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Como as baleias ajudam o planeta. Imperdivel!


How Whales Change Climate


Estudos demonstram agora que quando as baleias atingiram populações históricas, antes que os seus números fossem reduzidos, poderiam ter sido responsáveis pela remoção de dezenas de milhões de toneladas de carbono da atmosfera a cada ano. As baleias mudam o clima.

When whales were at their historic populations, before their numbers were reduced, it seems that whales might have been responsible for removing tens of millions of tonnes of carbon from the atmosphere every year. Whales change the climate.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

E-livro da semana: Escola para Todos


A Igualdade, a diversidade e autonomia profissional e organizacional numa escola para todos os cidadãos durante 12 anos é o mote unificador de um diversificado conjunto de textos numa edição organizada por Joaquim Machado e José Matias Alves. 

Nesta publicação de acesso livre disponibilizada pela Católica Editora Porto, podem os leitores aceder a sete textos de referência onde se articulam olhares em torno do sentido da escolaridade obrigatória, do trabalho docente em tempo de crise(s), dos dilemas da ação profissional, da promoção do sucesso escolar através da tecnologia Turma Mais, das práticas de contratualização e autonomia das escolas.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Pode um documentário sobre vacas mudar os nossos hábitos?



Não tem (muitas) imagens que impressionem, ao contrário do que acontece com outros documentários que alertam para a realidade da criação de animais para consumo. São os números, apresentados em hora e meia, que mais chocam quem assiste a Cowspiracy — A Sustainability Secret. Entre tentativas falhadas de chegar à fala com associações de defesa do ambiente, entrevistados que evitam questões incómodas e especialistas que sublinham o impacto altamente nocivo da exploração pecuária intensiva para a saúde da Terra, Kip Andersen e Keegan Kuhn criaram um documentário “que incentiva as pessoas a agir, sem ser impositivo”.

A análise é de Rita Silva, presidente da Animal há já 11 anos. “Tenho recebido dezenas de e-mails de pessoas, que me conhecem ou não, que depois de verem o filme ficaram mesmo mudadas, tiveram um clique”, diz. No início de Janeiro, Cowspiracy foi exibido num cinema de Lisboa, com sessão dupla. A iniciativa partiu de Rita e do apresentador de televisão João Manzarra. A primeira é amiga de um dos realizadores do filme e desde que ouviu falar dele que o queria passar em Portugal. O segundo reconheceu o impacto que ver o documentário teve na sua vida: perante milhares de seguidores nas redes sociais, Manzarra assumiu uma nova dieta baseada em produtos de origem vegetal e vendeu a participação numa petisqueira da qual era sócio, por uma questão de consciência.

Sheila Teodoro foi uma das espectadoras no cinema do Saldanha Residence. Já tinha ouvido falar do filme, mas não sabia propriamente o que esperar. Como veterinária, a jovem tinha noção de algumas das consequências ambientais da agro-pecuária mas não estava preparada para os números: “Depois de ver os factos foi fácil mudar.” Sheila, que não come carne há perto de 20 anos, abandonou de vez os derivados de origem animal e o peixe. Sente-se bem com esta mudança alimentar — “hoje em dia é tão mais fácil ser-se vegano do que era há 20 anos” —, consequência assumida dos factos revelados por Kip e Keegan.

“Para mim, faz todo o sentido, sobretudo depois de saber a percentagem de emissão de gases, o gasto de água na produção de lacticínios e o impacto nos oceanos”, enumera.

A mesma reacção teve Raquel Graça, designer freelancer de 30 anos: “Tu olhas para aqueles dados e pensas: tenho que fazer alguma coisa para contrariar isto.” Assim Raquel pensou, assim o fez: a carne deixou de fazer parte da dieta, bem como o leite de vaca. Reduziu o consumo de queijos e ovos e passou a comprar aqueles cuja origem conhece, com a preocupação de optar por produtos locais — agir localmente para alcançar um impacto global. “Não sou defensora de radicalismos, apenas de agir de forma sustentável. É isso que tenho tentado fazer”, explica.

Má distribuição dos alimentos produzidos
“Não seria necessário todos deixarmos de comer carne. Seria, isso sim, que todos deixássemos de comer tanta carne”, defende a jovem que vive no Porto. Opinião similar tem o presidente da Quercus, Nuno Sequeira, que acrescenta outros dados à discussão. A média anual de consumo de carne está, actualmente, nos 40 quilogramas por pessoa; na década de 60 do século XX, ficava-se pelos 25. “Mais do que discutir se devemos optar por um regime exclusivamente vegetariano ou não, o documentário reitera que todos temos que fazer um esforço para alterar a nossa dieta alimentar.”

O Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) faz saber que é “fácil concordar” com a redução de ingestão de proteínas de origem animal, mas que esta implicaria “enormes desafios”. “Será, sem dúvida, uma revolução global inevitável para a civilização humana, tal como a conhecemos, poder sobreviver.” Até porque, de acordo com o filme, uma dieta vegetariana reflecte-se numa diminuição de 50% da pegada de carbono de cada um na Terra.

Há estimativas da Organização da ONU para a Alimentação e Agricultura (FAO) que confirmam esta ideia: é produzida uma quantidade suficiente de alimentos, a nível mundial, para alimentar de forma satisfatória toda a população terrestre. São é mal distribuídos — há 1.500 milhões de pessoas com excesso de alimentos.

Podem 51% das emissões globais de gases com efeitos de estufa ter origem na pecuária e em todos os seus produtos derivados, um valor muito superior àquele que é da responsabilidade de todos os transportes combinados (13%)? Segundo dados da associação World Watch, sim. Mas para a FAO, a percentagem desce para os 18%. A discrepância pode explicar-se, sugere o presidente da Quercus, pelo facto de nas contas da FAO estar apenas considerada a produção e não o transporte, por exemplo.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Os shopping-centers, utopia neoliberal

The abandoned Rolling Acres Mall on April 1, 2014, located in Ohio. Built in 1975, it was closed in 2008. It is set to be demolished any day now. (Seph Lawless) 
"O shopping-center é a utopia do neoliberalismo, um espaço em que tudo é mercadoria, tudo tem preço, tudo se vende, tudo se compra. Interessa aos shoppings os consumidores, desaparecem, junto com os espaços púbicos, os cidadãos. Os outros só interessam enquanto produtores de mercadorias. Ao shopping interessam os consumidores." 

1. Ler mais em Carta Maior, 13.01.15
2. Aqui podes ver o portefólio completo do fotógrafo sobre centros comerciais abandonados nos EUA

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

TED Talk da semana- Mitch Resnick: Vamos ensinar as crianças a programar


A programação não é apenas para génios do computador, diz Mitch Resnick do Laboratório de Media do MIT — é para todos nós. Numa conversa divertida e cheia de demonstrações, Resnick apresenta os benefícios de ensinar crianças a programar, para que estas possam fazer mais do que apenas "ler" novas tecnologias — mas também as possam criar.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Encontros improváveis- Robert Frank e António Reis


Robert Frank, Untitled (Children with Sparklers in Provincetown) ca. 1958. Gelatin silver print

antónio reis / como o sol

como o sol
como a noite
como a vontade de comer
e o sono
como as preocupações
e o amor
e porque saio à rua
e trabalho
diariamente

Aos domingos
aos domingos o golo no estádio
chega até minha casa
e até ao mar

O próprio sol
é uma imagem de couro no espaço
a chuva
é uma imagem de redes batidas

Ah Que fazer
senão esperar pela semana
dormindo

O mesmo pensamento
a mesma ira
Para que serve a mão
Perde o sentido o próprio sofrimento
o coração
a lira

Desde quando amor
este segredo
e me vestir sem luz
sabendo que não dormes
atento a um ruído
mais claro
a um sorriso
e a uma lágrima
parada

Bate coração
no peito que te guarda
lâmpada
suspensa
fruto com cadência
estrela
em rotação pelos telhados

Bate coração
até as sombras se alongarem pelos braços

antónio reis
poemas quotidianos
1967

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

2015- Ano Internacional da Luz- texto de Carlos Fiolhais

Vale a pena, neste Ano Internacional da Luz, voltar a esta questão muito antiga. Ao longo da história, foram-lhe sendo dadas diferentes respostas. Para os atomistas gregos, a luz era, como aliás tudo o resto, constituída por partículas. No início do século XVIII, o físico inglês Isaac Newton recuperou esta teoria, uma vez que ela permitia explicar, entre outros fenómenos óticos, a propagação retilínea da luz, a reflexão (embate da luz na superfície de um espelho) e refração (desvio da luz ao passar de um meio para outro). Mas um outro físico, o holandês seu contemporâneo Christian Huyghens, conseguia explicar os mesmos fenómenos usando ondas. 

Apesar do enorme prestígio de Newton, foi a teoria ondulatória que acabou por prevalecer no século XIX: logo no início desse século, uma famosa experiência realizada pelo inglês Thomas Young, exibindo a interferência de luz que passa por duas fendas, só podia ser compreendida com a ajuda de ondas. Uma partícula nunca pode anular outra partícula, mas uma onda já pode anular outra onda. Assistiu-se então ao triunfo da teoria ondulatória, para a qual muito contribuiu uma memória de 1815 do francês Augustin-Jean Fresnel, sobre a difração da luz (espalhamento quando sai de um pequeno orifício). Mas, se a luz é uma onda, o que é que está a vibrar? Há 150 anos, o escocês James Clerk Maxwell, ao juntar, na mesma descrição matemática, a eletricidade e o magnetismo, foi o primeiro a propor que a luz era uma onda que resultava da vibração do campo eletromagnético. O que é esse campo? Para explicar a força elétrica e a magnética à distância tinha-se introduzido a noção de campo. Existe um campo magnético associado ao campo elétrico e a luz mais não é do que a propagação de uma perturbação periódica desses dois campos, conjunto a que chamamos campo eletromagnético. 

A velocidade da luz foi calculada a partir de propriedades elétricas e magnéticas. Apesar de essa velocidade ser constante, podiam existir ondas com comprimentos de onda muito diferentes. A luz visível corresponde a uma pequena “janela” no conjunto dos comprimentos de onda. Luz invisível, como a ultravioleta e a infravermelha, é tão luz como a luz visível, só diferindo desta por o comprimento de onda ser menor ou maior. Com a deteção instrumental de luz invisível, a onda parecia ter ganho à partícula! Mas a luz reservava-nos surpresas. Em 1905, as partículas de luz voltaram quando o físico suíço Albert Einstein se viu obrigado a introduzir a noção de “pacote” de luz (fotão) para descrever o arranque de electrões de um metal por luz ultravioleta. Graças a Einstein, Newton estava vingado… A energia do fotão dependia do comprimento de onda: havia fotões ultravioletas, infravermelhos, e, com uma energia intermédia, fotões azuis, verdes e vermelhos. Como conciliar a descrição ondulatória, que funciona bem em certas circunstâncias, e a descrição corpuscular, que funciona bem noutras? Uma estranha teoria – a teoria quântica – conseguiu fazê-lo, impondo-se como a moderna teoria da luz. A luz propaga-se no espaço como uma onda, mas pode ser produzida ou apanhada como partícula. 

Hoje em dia conseguimos emitir luz fotão a fotão, evidenciando o seu carácter corpuscular, mas, se colocarmos um obstáculo com duas fendas à frente dessa luz, verificaremos que ela passa pelas duas, como seria de esperar de uma onda. A experiência desafia o nosso senso comum. Mas quem diz que o mundo tem de estar de acordo com o nosso senso comum? Autor: Carlos Fiolhais (Física da Universidade de Coimbra)

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Os Crocodilos Portugueses são dos mais antigos do mundo

A área geográfica ocupada por Portugal foi onde mundialmente viveram os mais antigos Machimosaurus, animais do grupo do qual descendem os crocodilos, confirmaram investigadores internacionais num estudo em que participou o paleontólogo português Octávio Mateus.

Octávio Mateus, que integrou a equipa de 11 investigadores do Reino Unido, França, Suíça, Espanha, Alemanha e Brasil, disse à agência Lusa que o estudo permitiu concluir que os exemplares daquele género viveram no local onde é hoje Portugal há 150 milhões de anos (período do Jurássico Superior) e são «os mais antigos do mundo».

«Dentro do género Machimosaurus , os exemplares portugueses são dos mais antigos. Contudo, havia crocodilomorfos (um grupo mais amplo de répteis, ao qual pertence este género) ainda mais antigos noutros locais do mundo», explicou o paleontólogo.

A sua passagem por ecossistemas costeiros marinhos e estuarinos de Portugal há 150 milhões de anos encontra-se documentada por achados da espécie machimosaurus hugii feitos nos últimos anos numa mina em Leiria, no Algarve e na região da Lourinhã, e que estão expostos no Museu Geológico de Lisboa e Museu da Lourinhã.

Apesar de o animal ser conhecido desde o século XIX, a conclusão a que agora surgiram resulta da comparação da idade e da morfologia dos achados das várias espécies europeias de machimosaurus e de outras da família dos teleossaurídeos, que integra o grupo mais abrangente dos crocodilomorfo, do qual descendem os crocodilos.

«Tal como alguns crocodilos modernos, que têm uma distribuição que vai mudando gradualmente ao longo do tempo e da geografia, os machimosaurus mais antigos aparecem em Portugal, Espanha e parte de França, um ou dois milhões de anos depois na França, Alemanha e mais tarde na Etiópia».

Entre os Machimosaurus, são conhecidas três espécies europeias, uma das quais foi agora identificada pelos mesmos cientistas, que vieram apelidá-la de Machimosaurus buffetauti, em homenagem ao investigador francês Éric Buffetaut.

Além de ser o mais antigo, o Machimossaurus português era também o maior crocodilomorfo do Jurássico Superior, ultrapassando os nove metros de comprimento, um crânio de 1,50 metro e um focinho alongado, caraterísticas que lhe permitiam «caçar enormes tartarugas nos mares do jurássico».

O estudo publicado na revista científica «Royal Society Open Science», foi liderado pelo inglês Mark Young, da Universidade de Edinburgo e contou com a participação do paleontólogo Octávio Mateus, paleontólogo da Universidade Nova ligado às descobertas paleontológicas da Lourinhã.

IN TVI24

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Astrofísicos descobriram que as cidades crescem exatamente como as galáxias




Imagem : The Koreas by Night, via NASA.

Todos nós já olhamos para o céu em uma noite estrelada e pensamos em como as estrelas se parecem com conjuntos de cidades. Pois parece que há mais semelhanças entre as duas coisas do que a visual. Segundo uma equipe de astrofísicos que compararam as duas formações, existe uma conexão muito mais profunda entre elas. Não somos apenas feitos de estrelas, nós agimos como elas também.
Um novo estudo de dois cientistas do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica postula que a forma com que nos agrupamos e crescemos na Terra é incrivelmente similar à maneira com que as galáxias cresceram no espaço durante os primeiros dias do nosso universo. De acordo com a dupla, podemos aprender muita coisa sobre os mistérios que ainda existem na superfície da Terra olhando para o que já sabemos sobre as fronteiras mais distantes do espaço
A Lei de Zipf: Uma recapitulação

Arkansas
Little Rock, Arkansas. Imagem: NASA.
Antes, um pouco de contexto. Se você já passou algum tempo com gente que planeja os centros urbanos, provavelmente está familiarizado com a lei de Zipf, uma fórmula matemática que prevê com fidelidade o tamanho de grandes cidades. Se você não conhece essa lei, dê uma lida nesta ótima explicação do io9. Resumindo aqui, a lei tem esse nome por causa de um linguista que notou que em qualquer idioma, um pequeno número de palavras é usado com muito mais frequência do que um grande número de palavras mais raras. Mais especificamente, a palavra mais usada é sempre usada duas vezes mais do que a segunda palavra mais usada, três vezes mais que a terceira e assim por diante.

O mais estranho é que a lei de Zipf também consegue prever como as maiores cidades de um país crescerão. Basicamente, a cidade com a maior população em um país será duas vezes maior que a segunda mais populosa, e três vezes maior que a terceira e – você entendeu. Apesar de algumas ressalvas (que o texto do io9 aborda), é uma lei muito consistente e precisa. Mas o mais interessante sobre Zipf é que ninguém sabe ao certo por que ela funciona tão bem. Ela apenas funciona

Uma resposta do universo
Ninguém sabe realmente o que torna a lei de Zipf tão precisa. E quem apostaria que dois astrofísicos seriam aqueles que jogariam luz nesse mistério?
Terra à noiteeeeee


No dia 5 de janeiro, Abraham “Avi” Loeb (presidente do Departamento de Astronomia de Harvard) e Henry Lin publicaram um artigo chamado Uma Teoria Unificadora para as Leis de Escala das Populações Humanas. Nele, a dupla reconta com eles emprestaram uma fórmula matemática da cosmologia que explica como as galáxias se formam no universo e a aplicaram em como as cidades humanas são criadas na Terra. Desse experimento eles descobriram que as duas situações são incrivelmente similares. 
Normalmente, explicam, os cientistas que estudam o crescimento urbano pensam no tamanho da cidade como a “entidade fundamental,” enquanto a população é a coisa se forma com base no tamanho da cidade. Loeb e Lin inverteram essa lógica, pensando na população como fundamento que direciona a formação das cidades. Isso os levou a muitas similaridades com um tópico que conhecem bem – a saber, como as galáxias se formaram a partir da matéria. O MIT Technology Review explica assim essa ideia:

Isso é exatamente como os cosmólogos pensam sobre como as galáxias evoluíram. Eles primeiro consideram a densidade da matéria do universo primitivo. Depois, observam a estrutura matemática de quaisquer variações nessa densidade. E, finalmente, eles usam tais cálculos para examinar como essa densidade pode mudar com o tempo na medida em que mais matéria é acrescida ou removida de regiões específicas. Em vez de galáxias e densidade da matéria, a equipe aplicou esse modelo a cidades e densidade populacional. E depois de verificarem seu trabalho contra dados do censo reais, descobriram uma consistência marcante nos resultados:

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Árvore mais velha de Portugal vive em Santa Iria da Azóia

Uma oliveira bravia com 2850 anos foi identificada como a árvore mais velha do país por um grupo de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Vive em Santa Iria da Azóia, concelho de Loures, e teve o guerreiro Viriato como contemporâneo. 
A árvore está situada no Bairro da Covina, em Loures, no que resta de um antigo olival próximo das ruínas do castelo de Pirescouxe, tendo sido a idade determinada através de um método inovador de datação de árvores antigas desenvolvido pela UTAD. O processo, que tomou em conta a avaliação de cem árvores, foi dirigido pelos professores José Luiz Lousada e Pacheco Marques, após um contacto do empresário de árvores ornamentais André Soares dos Reis para estimar a idade desta planta lenhosa. Até aqui, a árvore mais antiga do país – considerando apenas as certificadas até Fevereiro de 2011 – contava 2210 anos na certidão de idade e era também uma oliveira, localizada nas Pedras d’El Rei, em Tavira. O método científico aplicado à época é, porém, segundo José Luiz Lousada, menos credível do que o desenvolvido na UTAD nos últimos quatro anos, que se baseia na análise dos padrões de crescimento da espécie, como a altura, o perímetro e o diâmetro.

De acordo com este investigador, que co-orientou o Departamento de Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista da UTAD neste procedimento, os números dão conta de uma árvore monumental: o perímetro desta oliveira mede na sua base 10,15 metros, a altura chega aos 4,40 metros e o diâmetro de copa tem 7,60 por 8,40 metros. Fonte [Público]

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Filme alerta para os riscos de exposição à radiação ionizante na inspeção de segurança

A obra ‘Revista da Morte’, produzida pelo Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (CONTER), foi selecionada para a edição 2014 do International Uranium Film Festival, a maior mostra de cinema do mundo sobre energia nuclear. O anúncio oficial e lançamento da programação ocorre no próximo dia 30 de janeiro, no Rio de Janeiro.

A reportagem-documentário Revista da Morte desenvolve uma tese premente sobre os efeitos biológicos da radiação ionizante no organismo humano. Principalmente, sobre as crianças. No caso retratado pelo filme, o uso de radiação ionizante na inspeção de segurança dos presídios de Vila Velha e Viana, no Espírito Santo, pode ter causado 22 abortos em série.
Segundo a presidenta do CONTER Valdelice Teodoro, a busca pelo menor custo e o descumprimento das normas de segurança está fazendo vítimas no Brasil. “A comercialização e uso dos equipamentos emissores de radiação ionizante no Brasil está longe do ideal, não há  controle efetivo por parte do governo e das autoridades responsáveis. Tanto nos hospitais quanto nos portos, aeroportos e presídios, os trabalhadores, pacientes e clientes são expostos à radiação sem o menor controle das doses absorvidas”.
O Uranium Film Festival é a primeira mostra de cinema no mundo dedicado a todas as questões da cadeia nuclear: da mineração de urânio, e de outros minerais radioativos, bombas atômicas, usinas nucleares, medicina nuclear ao lixo atômico. A diretora do evento, Márcia Gomes de Oliveira, acredita que um evento deste gênero é a melhor maneira de levar filmes ‘nucleares’ ao grande público. “O horror das bombas atômicas e aqueles que sofreram com elas, os acidentes nucleares, como Three Mile Island, Chernobyl e Goiânia, nunca devem ser esquecidos – nem repetidos. Esse é o nosso espírito ao iniciar a organização de cada festival”, conta.
“Por mais de seis décadas, vários curtas-metragens e documentários sobre questões nucleares não podem ser exibidos devido à pressão política. O International Uranium Film Festival, que está atualmente na cidade, forneceu uma plataforma de exibição destes filmes para o grande público”, escreveu o New Indian Express sobre a passagem do festival na Índia em 2013.
Segundo o diretor do filme, o jornalista Laércio Tomaz, o problema revelado na obra é sistemático e se repete em todo o país. “Para entrar em operação, um serviço de inspeção e segurança que utiliza radiação ionizante precisa ser aprovado pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), a fim de garantir a segurança de quem for exposto. Entretanto, em todos os presídios do Brasil, é possível encontrar essas máquinas funcionando, sem autorização ou certificação de qualquer natureza. Enquanto isso, as pessoas morrem por falta de informação”, lamenta.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Ecopoema da semana: "O fazedor do amanhecer" de Manoel de Barros


*MANOEL DE BARROS*
Sou leso em tratagens com máquina.
Tenho desapetite para inventar coisas prestáveis.
Em toda a minha vida só engenhei
3 máquinas
Como sejam:
Uma pequena manivela para pegar no sono.
Um fazedor de amanhecer
para usamentos de poetas
E um platinado de mandioca para o
fordeco de meu irmão.

Cheguei de ganhar um prêmio das indústrias
automobilísticas pelo Platinado de Mandioca.
Fui aclamado de idiota pela maioria
das autoridades na entrega do prêmio.
Pelo que fiquei um tanto soberbo.
E a glória entronizou-se para sempre
em minha existência.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Documentário- Portugal, the wild side, por Daniel Pinheiro

A journey through the wilderness of mainland Portugal. Showreel of the last four years filming the portuguese wildlife and landscapes.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Conheça as árvores mais antigas da Terra através da fotógrafa Beth Moon

A fotógrafa chama-se Beth Moon. O livro intitula-se “Ancient Trees: Portraits of Time”. De que se trata? Durante 14 anos, Moon viajou pelo mundo em busca das árvores mais antigas da Terra, praticamente poupadas a qualquer intervenção de origem humana. No livro, publicado pela Abbeville Press, a fotógrafa explica que o projeto a levou a lugares remotos localizados nos Estados Unidos, Europa, Ásia, Médio Oriente e África. Mas, antes de viajar, já tinha definido critérios.

Idade, dimensão e história foram decisivas para Beth Moon decidir que árvores incluir, numa obra em que a autora afirma ter tentando cumprir o objetivo de celebrar “as maravilhas da natureza que conseguiram sobreviver ao longo de séculos”. A fotógrafa acrescenta: “não consigo imaginar uma forma melhor de festejar as vidas das árvores mais impressionantes, muitas delas em risco de extinção, do que mostrar os seus retratos”.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Que é amar senão inventar-se a gente noutros gostos e vontades?


COMO VEJO O MUNDO

"Que é amar senão inventar-se a gente noutros gostos e vontades? Perder o sentimento de existir e ser com delícia a condição de outro, com seus erros que nos convencem mais do que a perfeição?"~ Agustina Bessa-Luis