sábado, 31 de maio de 2014

Musica e poema- encontro imponderável de Miguel Torga com Julianna Barwick

Andam pela Terra os Poetas

Aos Poetas

Somos nós
As humanas cigarras!
Nós,
Desde os tempos de Esopo conhecidos.
Nós,
Preguiçosos insectos perseguidos.
Somos nós os ridículos comparsas
Da fábula burguesa da formiga.
Nós, a tribo faminta de ciganos
Que se abriga
Ao luar.
Nós, que nunca passamos
A passar!...

Somos nós, e só nós podemos ter
Asas sonoras,
Asas que em certas horas
Palpitam,
Asas que morrem, mas que ressuscitam
Da sepultura!
E que da planura
Da seara
Erguem a um campo de maior altura
A mão que só altura semeara.

Por isso a vós, Poetas, eu levanto
A taça fraternal deste meu canto,
E bebo em vossa honra o doce vinho
Da amizade e da paz!
Vinho que não é meu,
mas sim do mosto que a beleza traz!

E vos digo e conjuro que canteis!
Que sejais menestreis
De uma gesta de amor universal!
Duma epopeia que não tenha reis,
Mas homens de tamanho natural!
Homens de toda a terra sem fronteiras!
De todos os feitios e maneiras,
Da cor que o sol lhes deu à flor da pele!
Crias de Adão e Eva verdadeiras!
Homens da torre de Babel!

Homens do dia a dia
Que levantem paredes de ilusão!
Homens de pés no chão,
Que se calcem de sonho e de poesia
Pela graça infantil da vossa mão!

Miguel Torga, Odes

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Redes Sociais na Educação: miragem ou realidade?

“A bem dizer, mal começamos a habitar esta casa nova que nem sequer acabámos de construir. Muito embora as palavras continuem a ser as mesmas, as noções de separação, de ausência, de distância, de retorno, já não contêm as mesmas realidades. Para a compreensão do mundo de hoje, usamos uma linguagem criada para o mundo de ontem. (...) Cada progresso nos empurrou um pouco mais para fora de hábitos que mal acabáramos de adquirir, e em boa verdade somos emigrantes que ainda não fundaram a sua pátria. Somos todos bárbaros jovens a quem novos brinquedos ainda deslumbram” . 

Adaptado de “A Terra dos Homens” (1995:39-40), Antoine de Saint–Exupéry

quinta-feira, 29 de maio de 2014

10 plantas que parecem inofensivas, mas são super venenosas

Elas parecem bonitas e inofensivas, mas carregam venenos poderosos e muito perigosos tanto para nós como para animais. Conheça agora tipos de 10 plantas perigosas.

1) ACÁCIA.

Assassina profissional, a acácia desenvolveu uma técnica primorosa para assassinar seus predadores. Quando é atacada, as folhas liberam etileno gasoso. O gás é facilmente detectado por outras acácias na região, que começam a produzir tanino em quantidade suficiente para matar os antílopes que delas se alimentam.
2) ANTÚRIO .
Exótica e exuberante, essa planta é também altamente tóxica. Quando ingerida por humanos, pode causar lesões na boca, faringe e laringe, vômito, dificuldade de engolir e asfixia. São especialmente perigosas para crianças e animais de estimação.

3) CRISÂNTEMOS .
Perigosas para cães e gatos, essas flores bonitinhas também podem causar intoxicação em seres humanos. Na maior parte das vezes, os sintomas são coceira e dermatite.

4) DEDALEIRA.
As folhas da dedaleira-roxa podem ser mortais para crianças e animais pequenos devido à alta concentração de digitalina. Por outro lado, pequenas quantidades dessa substância são usadas no tratamento de alguns problemas cardíacos.

5) HORTÊNSIAS .
O veneno da hortênsia pode causar convulsões, dores de barriga, vômitos e, em casos mais graves, coma. Essa não é a planta mais indicada para criar em lugares com animais e crianças pequenas.

6) LÍRIO DO CAMPO .
Um pouquinho dessas plantas provavelmente não faz mal a ninguém, mas, dependendo da quantidade ingerida, o lírio do campo pode causar náuseas, vômito, diarreia e cãibras. Mais assustador ainda é o fato de que elas também podem tornar os seus batimentos cardíacos mais lentos e irregulares.
7) NARCISOS .
Os bulbos dos narcisos, se ingeridos em grandes quantidades, também podem causar náuseas, cólicas e diarreia.

8) OLEANDRO .
Considerada por muitos a planta mais venenosa do mundo, o oleandro pode provocar um efeito devastador no coração de quem ingere, além de provocar dores abdominais, pulsação acelerada, diarreia,irritação da boca, náusea e vômitos. Uma única folha pode matar uma pessoa.

9) RODODENDRO.

O gênero Rododendro, que inclui as azaleias, também entram na lista das plantas bonitinhas, mas ordinárias. A ingestão pode causar distúrbios digestivos, hiper ou hipotensão cardíaca, acarretando consequentemente bradicardia e arritimias.

10) WISTERIA.

Essa trepadeira com belas flores é muito usada em decoração pois dá um ar romântico ao ambiente. No entanto, todas as partes dessa planta são tóxicas e podem causar náuseas, diarreia, vômito e cólicas.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Ted Talk- A utopia da imortalidade: Stevens Rehen


Promovendo o encontro entre a Arte e a Ciência, Stevens coordena o projecto DNA Brasil onde, junto com uma designer, transforma o material genético das pessoas em quadros incríveis. Essa foi a forma que ele encontrou para trazer mais recursos ao Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias (LaNCE-UFRJ). Stevens é Professor titular do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências, da Academia de Ciências do Mundo em Desenvolvimento e Fellow do Pew Latin American Program em Ciências Biomédicas dos Estados Unidos. Especialista em células-tronco pluripotentes, trabalhou na Universidade da Califórnia e no Instituto Scripps dos Estados Unidos. É autor do livro "Células-tronco: o que são? Para que servem?", da Editora Vieira e Lent. Vencedor do Prémio Faz Diferença de 2011, na categoria:"Ciência/História", pelo jornal O Globo e por duas vezes na lista das 100 pessoas mais influentes do país da revista época (2009 e 2011).

terça-feira, 27 de maio de 2014

Arte de Farenheit 451 e Poema de Castro Alves


Book Sculpture, por Fahrenheit 451 

O livro caindo na alma,
é germe que faz a palma,
é chuva que faz o mar.
―Castro Alves

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Comida - Saiba o que de mais estranho anda a ingerir desde que nasceu

Pense na quantidade de comida processada que come ao longo da sua vida. Pois bem, o melhor é mesmo não saber como é que tais alimentos são feitos.
Fonte: Notícias ao Minuto

O Huffington Post desvenda alguns dos mistérios por detrás de alimentos que são considerados inofensivos, mas que se tornarão intrigantes após ler o que se segue.
  1. Secreções anais de castor surgem em alimentos como substitutos de aroma de baunilha, sob o nome castóreo.
  2. Já nos Bagels (tipo de pão) e alguns bolos pode ser encontrado L-Cysteine, uma substância feita à base de cabelos humanos e penas de pato.
  3. Os corantes alimentares contêm, por sua vez, alcatrão à base de carvão, que pode ser alternado com petróleo.
  4. Nos molhos para saladas encontra-se, por incrível que pareça, antidescongelante usado em radiadores, também designado Propileno Glicol.
  5. Sabia que alguns dos óleos vegetais que vê na lista de ingredientes de sumos de citrinos são, em vez de óleos alimentares, retardadores de chamas?
  6. E que os nuggets de frango contêm aditivos de biodiesel sob o nome de Tertiary butylhydroquinone, também usado em vernizes, pastilhas elásticas e biscoitos de queijo?
  7. Para controlar a humidade no sal, é frequentemente usada areia.
  8. Já nos cereais, é possível encontrar aditivo de combustível de aviões, com funções antioxidantes.
  9. Por fim, saiba que quando come caviar pode estar a consumir bórax, conhecido como detergente de limpeza, sob o nome E285.   

sábado, 24 de maio de 2014

Caixão da Razão

Mundo Cão- "Caixão da Razão"
Gente lacaia
Presa no luxo
Meu Himalaia
É ser gaúcho

Quero ser animal
Velho cão sem bordão
A lamber triunfal
O caixão da razão

Cuidado com essa
Sereia
Cuidado que morde
Sem peia

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Usando o facebook na Educação


[Fonte: Integrar Tecnologia na Educação] Todo professor que busca maneiras para diversificar a aprendizagem dos alunos pensa em usar as tecnologias como aliadas. Mas antes de lançar mão de aplicativos inéditos de educação, vale conferir os recursos oferecidos por ferramentas já conhecidas e amplamente disseminadas entre alunos e professores. É o caso do Facebook, que lançou, há alguns meses, o Facebook for Educators (com versão em português), com dicas sobre como professores podem se apropriar das redes para melhorar os processos de ensino e aprendizagem.

Hoje, praticamente todos os alunos estão conectados. Segundo dados da pesquisa TIC Kids Brasil Online, 70% dos jovens brasileiros com idades entre 9 e 16 anos que têm acesso à internet participam ativamente de alguma rede social. Com este cenário, de crescimento dos acessos em todo o mundo, o Facebook mapeou algumas práticas para deixar os professores ligados na segurança, na importância de uma comunicação clara nas redes e na utilização da ferramenta para desenvolvimento profissional e de boas práticas sociais no mundo digital.

7 pilares do Facebook na educação

♣Ajudar a desenvolver e seguir o projeto político-pedagógico da escola sobre o Facebook;
♣Incentivar os alunos a seguir as diretrizes do Facebook;
♣Permanecer atualizado sobre as configurações de segurança e privacidade no Facebook;
♣Promover a boa cidadania no mundo digital;
♣Usar as páginas e os recursos de grupos do Facebook para se comunicar com alunos e pais;
♣Adotar os estilos de aprendizagem digital, social, móvel e “sempre ligado” dos alunos do século 21;
♣Usar o Facebook como recurso de desenvolvimento profissional.

Uma das principais indicações para as escolas é a inclusão de uma política de uso da rede social pela instituição - o que pode estar estipulado, inclusive, no projeto político-pedagógico da escola. O objetivo é que o uso das redes contribua, de verdade, para o dia-a-dia de educadores e alunos, com a criação de grupos, a realização de atividades em rede e o compartilhamento de informações relevantes para a formação.

O documento desenvolvido pelo Facebook explica todas as ferramentas disponíveis dentro da rede social e indica como elas podem ser utilizadas no cotidiano na escola. Ela também recomenda sites e outras páginas para te ajudar nesta missão. Não deixe de ler, na íntegra, o Facebook for Educators

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Uma cosmologia medieval reformulada pela matemática moderna

Modelo geocêntrico do Universo, numa ilustração de 1568 pelo cosmógrafo e cartógrafo português Bartolomeu Velho BARTOLOMEU VELHO/BIBLIOTECA NACIONAL DE FRANÇA
“E assim, a luz (…), pela sua natureza mesmo, multiplicou-se infinitas vezes e espalhou-se uniformemente em todas as direcções. Foi desta forma que, no início do tempo, ela estendeu a matéria, que não podia deixar atrás, arrastando-a com ela e formando uma massa do tamanho do Universo material.” Esta descrição do início do cosmos, muito evocadora da moderna teoria do Big Bang, foi escrita… em latim, por um bispo e cientista medieval inglês, Robert Grosseteste (c.1175-1253). 

Agora, foi revisitada por uma equipa internacional de físicos, cosmólogos, historiadores, filósofos, latinistas, no âmbito de um projecto (The Ordered Universe Project) apoiado pelo Conselho britânico de Investigação nas Artes e Humanidades. “Este projecto representa uma maravilhosa e única fusão entre especialistas medievais e cientistas modernos”, disse ao PÚBLICO Giles Gasper, medievalista da Universidade de Durham (Reino Unido) e um dos principais autores do trabalho. O estudo revelou que os problemas teóricos com que se defrontam os cosmólogos modernos já existiam há 800 anos (apesar de ser muito improvável que Grosseteste tivesse consciência deles). Os resultados vão ser publicados em breve na revista Proceedings of the Royal Society A (mas já estão disponíveis no site arxiv.org). 

Em 1225, no seu curto tratado Da luz ou o início das formas, Grosseteste expunha a primeira explicação científica de sempre da origem do Universo. Claro que, na altura, pensava-se que a Terra, imóvel, era o centro de tudo e que as estrelas e os planetas giravam em torno dela. Claro que Grosseteste não dispunha de ferramentas matemáticas para traduzir as suas palavras em fórmulas. E claro que não inventou a teoria do Big Bang, que deriva das equações da Teoria de Relatividade de Einstein e descreve uma realidade física totalmente diferente. 

Mas, mesmo assim, o texto (disponível desde 1942 numa tradução em inglês, a partir da qual traduzimos o excerto acima) não deixa de ser impressionante pela modernidade das ideias que expõe. Foi por isso que Gasper e Richard Bower, físico da mesma universidade, juntamente com outros colegas, quiseram reinterpretá-las à luz da linguagem matemática de hoje – e a seguir, simulá-las num computador para ver se produziriam um Universo tal como Grosseteste o concebia no século XIII. 

“O trabalho que Grosseteste fez no seu De Luce é nada menos do que revolucionário”, disse-nos Bower. “A sua explicação do Universo vai para além de todas as anteriores. Aristóteles concluíra que o Universo não tinha início nem fim, mas Grosseteste diz exactamente o contrário, começando por propor uma nova teoria da matéria e desenvolvendo-a numa explicação da criação do Universo. Ou seja, trabalha como um cosmólogo moderno, propondo leis físicas e seguindo-as até ao fim. Acho isso espantoso.” 

Texto completo no Público de 18/03/14

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Arte e Ecologia- Talking to the Animals

Norval Morrisseau, "Shaman Talking to the Animals"
"Lots of people talk to animals; not very many listen, though. That's the problem" ~ Benjamin Hoff, Tao of Pooh

Escutemos "All Animals" de Jonsi e Alex. 22 minutos excelentes de enorme beleza e profundidade.
Consultar ainda o dossiê actualizado 

terça-feira, 20 de maio de 2014

Ted-Talk - Jonathan Drori: Os lindos artifícios das flores



Nesta conferência visualmente deslumbrante, Jonathan Drori demonstra as maneiras extraordinárias através das quais as plantas com flor - mais de um quarto de milhão de espécies - evoluíram para atrair insectos de forma a espalhar o seu pólen: desenvolvendo "pistas de aterragem" para guiar os insectos, brilhando em ultravioleta, construindo armadilhas elaboradas, e até imitando outros insectos.


 Full bio

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Fotopoema da semana- António Botto

Silena Lambertini
Se eu pudesse fazer com que viesses 
Todos os dias, como antigamente, 
Falar-me nessa lúcida visão 
- Estranha, sensualíssima, mordente; 
Se eu pudesse contar-te e tu me ouvisses, 
Meu pobre e grande e genial artista, 
O que tem sido a vida - esta boemia 
Coberta de farrapos e de estrelas 
Tristíssima, pedante, e contrafeita, 
Desde que estes meus olhos numa névoa 
De lágrimas te viram num caixão;
Se eu pudesse, Fernando, e tu me ouvisses,
Voltávamos à mesma:
Tu, lá onde
Os astros e as divinas madrugadas
Noivam na luz eterna de um sorriso;
E eu, por aqui, vadio da descrença
Tirando o meu chapéu aos homens de juízo. . .
Isto por cá vai indo como dantes;
O mesmo arremelgado idiotismo
Nuns senhores que tu já conhecias
- Autênticos patifes bem falantes. . .
E a mesma intriga; as horas, os minutos,
As noites sempre iguais, os mesmos dias,
Tudo igual! Acordando e adormecendo
Na mesma cor, do mesmo lado, sempre
O mesmo ar e em tudo a mesma posição
De condenados, hirtos, a viver
- Sem estímulo, sem fé, sem convicção...

Poetas, escutai-me: transformemos
A nossa natural angústia de pensar
- Num cântico de sonho!, e junto dele,
Do camarada raro que lembramos,
Fiquemos uns momentos a cantar!

António Botto / À Memória de Fernando Pessoa

domingo, 18 de maio de 2014

Justiça Restaurativa

As Implicações Positivas da Justiça Restaurativa na Sociedade Civil 

As Origens
O conceito de Justiça Restaurativa é um ideal antigo no mundo e apreciado por várias comunidades. Este enquadramento filosófico deriva de numerosas fontes que incluem os escritos judaíco-cristãos e o seu conceito de “paz”, assim como práticas nativas e o símbolo do “círculo” representando a comunidade, o todo e as conexões intactas. São conceitos e práticas que parecem não ter uma origem definida, e que por surgirem e ressurgirem em diversas épocas e em diversas formas, mostram ter uma função vital nas comunidades humanas.

No entanto, as raízes do movimento de Justiça Restaurativa moderna encontram--se na cidade de Kitchener, na província de Ontario, no Canadá. Em 1974, um técnico de reinserção social, associado ao grupo cristão devotado à não-violência denominado Mennonite, e um director voluntário do serviço, organizaram um grupo de discussão com o propósito de desenvolverem um sistema de justiça criminal mais humano e mais eficiente. O conceito de Justiça Restaurativa e os seus princípios básicos evoluíram continuamente desde as discussões iniciais há cerca de vinte e três anos. (Wilkinson, 1997).

A prática de Justiça Restaurativa pode ser conceptualizada como vinda de longe ou de perto, no sentido temporal. Podemos encontrar os princípios desta plasmados em códigos com milhares de anos, tais como: o Pentateu (Israel), que especifica a reparação para os crimes contra a propriedade; o Código de Ur-Nammu (2060 A.C., Suméria) que exige a reparação para crimes de violência; o Código de Hammurabi (1700 A.C., Babilónia), que prescreve como sanção a reparação para crimes contra a propriedade; a Lei das Doze Tábuas (449 A.C., Roma), que impõe que os ladrões paguem o dobro do valor dos bens roubados; as leis tribais promulgadas pelo Rei Clovis (494, Alemanha), que apelavam à reparação como sanção quer para crimes violentos como não violentos; etc. (Wilkinson, 1997).

Se bem que possamos encontrar formas de reparação do dano e mecanismos de conciliação em institutos penais com centenas de anos, uma fonte de inspiração próxima da Justiça Restaurativa pode encontrar-se sobretudo no pensamento dos criminólogos e críticos e na sua crítica e rejeição do sistema penal enquanto modelo de solução de conflitos (Santos, 2006). Complementando esta ideia, já Julio Maier (2001, cit. por Santos, 2006) nos diz que “o Direito penal e tudo o que ele representa, ou em que está representado (Estado, pena estatal, prossecução pública), é um produto contingente da política ou da cultura humana, dependente de uma forma particular de organização social”, concluindo que “pensar deste modo o Direito penal ajuda a convencermo-nos e a convencer os outros de que existem outras soluções para os casos penais, talvez mais racionais para os mesmos e seguramente menos cruéis do que a pena estatal (sobretudo do que penas que foram e são paradigmáticas para ele: a morte ou a pena corporal antes, a privação da liberdade hoje)”.

A Justiça Restaurativa pode também ser conceptualizada como nascida nos anos 70 como uma nova maneira de abordar a justiça penal, que se centra na reparação dos danos causados às pessoas e relacionamentos, ao invés de punir os transgressores, através da mediação entre vítimas e transgressores; sendo que nos anos 90 foi ampliada para incluir comunidades de assistência, com as famílias e amigos das vítimas e transgressores participando de processos colaborativos denominados “conferências” e “círculos”, que nos ligam ao significado do ‘círculo nativo’ mencionado acima. Tendo em mente a ideia do círculo é fácil prever que os dois grandes temas que permeiam a Justiça Restaurativa são a responsabilidade individual e o papel da comunidade.

Ler artigo completo aqui

sábado, 17 de maio de 2014

Infográfico da Semana- África explorada


Todas as guerras são guerras financeiras e de opressão/ discriminação de povos. Infográfico muito bom. 

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Faça o que a rua te disser!


"E aí é que me encanta não ser classificado, quando dizem “O que é isso que está a escrever? É ensaio, poesia, crónica, é ficção, não-ficção, de que se trata?”, e eu respondo que não tenho a menor ideia e não quero saber do que é isso que faço. Porque eu sigo o conselho que um senhor me deu, estando eu perdido pelas ruas de Cádiz, há um tempo,  perco-me sempre porque sou muito disperso e não tenho senso de orientação, ou tenho um grande senso de desorientação, pois me perco continuamente. E estava perdido em Cádiz e eu perguntei pelo Mercado Viejo a um senhor que estava contra a parede, apoiado, e sem desencostar, ele disse-me : “Nada, faça o que a rua te disser!”. E eu faço aquilo que a rua me diz. Na literatura e na vida também."- Eduardo Galeano

terça-feira, 13 de maio de 2014

Ted Talk - Ken Robinson: Como escapar a educação do vale da morte


Ken Robinson sublinha 3 princípios cruciais para que a mente humana floresça - e como a actual cultura da educação trabalha contra isso. Numa conversa engraçada e incitante, ele nos conta como sair do vale da morte educacional que enfrentamos agora, e como nutrir nossas gerações mais jovens com um clima de possibilidade.
 Full bio

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Valsa à volta dos anéis de Saturno

As 200 000 fotografias de Saturno durante 8 par anos pela sonda Cassini. 
Musica Dmitri Shostakovich - Jazz Suite No.2: VI. Waltz 2, pela Armonie Symphony Orchestra O video é a homenagem do autor a Margherita Hack, astrofíscia e escritora.

domingo, 11 de maio de 2014

Ali está o rio, por Zeca Afonso


José Afonso - "Ali está o rio" do álbum "Enquanto Há Força" (1978) 
Letra de Luís Francisco Rebelo e José Afonso (baseada na peça B.Brecht " A excepção e a regra") 
[...provocado pelo 25 de Novembro, este álbum mistura a esperança com o humor, a denuncia com o fervor revolucionário e transforma todos estes "ingredientes" numa obra plena, daquelas que só a genialidade pode conceber...] Viriato Teles (in "As voltas de um andarilho").

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Cartoon- All wars are banker's wars...

Por Rodrigo Rosa
Consultar os dossiês actualizados Bioterra, que nos ajudam a saber a Verdade, evitando as Mentiras de um negócio criminoso.

Austericídio
Direito Ambiental
Empreendedores da Paz
Globalização Justa
Transparência

Ver mais trabalhos do cartoonista premiado Rodrigo Rosa aqui

quinta-feira, 8 de maio de 2014

A elevada factura da fractura hidráulica (fracking)

Exploração do gás de xisto
A revolução energética do gás de xisto anuncia lucros fabulosos às multinacionais petrolíferas. Surgem na crise como a grande saída económica, mas o secretismo é a alma do negócio. A sua exploração por fractura hidráulica comprovou ter perigosas implicações ambientais e na saúde pública. Em Portugal, da região oeste à costa vicentina, de Alcobaça ao Barreiro, o estado português hipotecou já milhões de hectares a troco de uma factura demasiado alta. 

Boa parte do futuro do planeta joga-se na questão da crise energética. Em seu torno ficou conhecida a teoria do Pico do Petróleo, que proclamou o inevitável declínio da produção viável de petróleo, com consequências na “geo”política. Um cenário inerente às crises da economia do mercado e que traduz o colapso da ideia de bem-estar generalizado das sociedades industrializadas. Dependendo de um constante fornecimento de petróleo barato e equacionando um sentido de desenvolvimento à medida do aumento exponencial do consumo energético, foram apresentadas uma série de alternativas energéticas e novos recursos fósseis. Mas o que se observa é que persistem sacrossantos os mesmos princípios: que sejam abundantes e fáceis de conseguir e sem olhar a impactos; que garantam o combustível necessário para manter inquestionável o modo de vida industrializado em crescendo. E este é cada vez mais acelerado, global e voraz. 

Ler artigo completo, sobretudo relativo à situação em Portugal, no Jornal Mata

Mais informações

  1. As ameaças da fractura hidraulica (fracking)
  2. Documentário- "Gasland"

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Why We Need a New Climate Change Narrative

Rio Sousa
By Richard Mathews 24/02/ 2014
We need new narratives to combat the pervasive popular and political inertia. Our old narratives are not working and may even lead to apathy and indifference. Despite the scientific consensus about anthropogenic climate change we are not moving fast enough to change our perilous course. According to a 2013 Pew survey, only 69 percent of those surveyed accept the view that the earth is warming, and only 1 in 4 Americans see global warming as a major threatThese numbers illustrate that we need to craft a new narrative and do a better job of communicating the urgency of climate change action.
Even the devastating spate of extreme weather events in the last decade has not augured change. We desperately need a stronger and more far-reaching global movement. To do that, we need an inspirational vision that resonates with the vast majority of the general public.The story we tell must not only be highly desirable it must also be achievable. To reach new audiences we must inculcate the research findings of a wide array of disciplines including science, technology, economics, politics, psychology and sociology.
In the final analysis, the goal is to empower individuals and stimulate action through positive examples of behavior change. These new narratives are a fundamental first step. They will clear the way for a paradigm shift that will make broad spectrum progress possible. Unless people see a way forward, they will not move in the right direction. We need systemic solutions that can only come from a paradigm shift, but first we need to lay the foundation with new narratives.
While it is clear we need a paradigm shift, historically such shifts have taken centuries. This adds to the urgency of our endeavor as we are now faced with a situation where we must bring about change at an unprecedented pace.To expedite the paradigm shift mentioned above we must build a compelling narrative. The key to engaging climate change is not about science, technical details, or even financing, it is ultimately about getting people to believe in the need for change.The new narrative is about making change more alluring and less fear inspiring.
Fear and other narratives that foster apathy

We are using the wrong narratives. We have failed to effectively communicate and our fear-based approaches may even foster apathy and indifference. Rather than promote fear, the new narrative must generate the kind of confidence that allows us to take radical steps forward. We have gotten very little action when our narratives cause people to feel fear, despair, doubt, grief, anger or guilt.
Fear is a common reaction to the enormity of the climate change crisis. However, we cannot be scared into acting, nor can despair lead us to responsible action. The problem with these negative emotions is that they breed skepticism or cause paralysis.
In a Time article, UK based psychotherapist Rosemary Randall suggests that climate change is such a disturbing subject, that like death, it can raise fears and anxieties.”                                                               Just as fear-based religions no longer produce results, traditional marketing approaches premised on anxiety are also falling by the wayside. There was a time not too long ago when marketers successfully scared people into buying a product or service. However, as reviewed in a Ted Talk on solar energythis type of marketing is increasingly less effective. A better approach involves the kind of word-of-mouth advertising that we see in social media and content marketing. This type of marketing is premised on the love of something, rather than an anxiety-ridden fear based need.                                                                         Other commonly employed narratives do not work either. One of the most common among the deep greens is being a tedious bore. This will not move the conversation forward and commonly does the very opposite of what claim we want to achieve.

Facts based narratives are Inadequate


We have failed to create a compelling narrative because we almost always couch these approaches in reason and science. The issue of engaging people to act on climate change will not work if the narrative is based solely on a better understanding of the facts. We will not make progress as long as we reduce the problem to an information deficit issue.
Many wrongly assume that people will behave rationally if they are apprized of the facts. However, the scientific consensus on the veracity of anthropogenic climate change has proven grossly inadequate to generate responsible action either from the general public or from our political leaders. Put simply, people are not rational actors. In fact, most have an irrational bent that causes them to actively ignore the facts.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Ted-Talk da semana- Hans Rosling: Religiões e bebés



Hans Rosling tinha uma pergunta: Será que algumas religiões têm uma taxa de nascimentos maior do que outras? E como é que isto afecta o crescimento demográfico global? Numa palestra na TEDxSummit em Doha, Qatar, ele apresenta gráficos dos dados através dos tempos e das religiões. Com um humor característico e uma visão perspicaz, Hans chega a uma conclusão surpreendente sobre as taxas mundiais de fertilidade.


Para saberes mais sobre o Professor Hans Rosling clica aqui

domingo, 4 de maio de 2014

Ólafur Arnalds - So Close (feat. Arnór Dan)


Through dark and light I fight to be
So close
Shadows and lies mask you from me
So close
Bath my skin, the darkness within
So close
The war of our lives no one can win

The missing piece I yearn to find
So close
Please clear the anguish from my mind
So close
But when truth of you comes clear
So close
I wish my life had never come here
So close

sábado, 3 de maio de 2014

Freely


Linda Perhacs - Freely 

Biografia da lendária cantora Linda Perhacs- possuidora de uma voz única e uma musica que mistura folk-psicadélico-  e a sua discogafia completa no Wikipedia

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Fotografias em infravermelhos de plantas suculentas

Na fisiologia vegetal, a água é muito importante a vários níveis. O facto de a água no interior da planta ter uma grande capacidade de absorção do calor do meio circundante permite que não haja mudanças bruscas no protoplasma.

Em locais especialmente secos, a vegetação desenvolveu várias estratégias para optimizar a gestão da escassa água disponível.
As fotografias em infra-vermelhos evidenciam o armazenamento da água pelas folhas (que são espessas, carnudas e persistentes) destas plantas - suculentas de folha.



quinta-feira, 1 de maio de 2014

Cérebro leva apenas 300 milésimos de segundo para gerar lembrança

Imagem: Diario Digital
[Fonte] Apenas 300 milésimos de segundo são o suficiente para o cérebro humano gerar uma lembrança, o tempo que os «neurónios de conceito» levam para relacionar imagens, segundo uma recente descoberta de cientistas argentinos.


Cientistas identificaram um circuito cerebral da compulsão alimentar após a observações de neurónios em ratos de laboratório que agem no hipotálamo lateral, região responsável por controlar impulsos. Esse circuito fazia as cobaias continuarem a comer mesmo depois de alimentadas, assim como levava os animais a recusarem comida quando famintos.
A nova aproximação do mistério da memória humana chega pelas mãos dos argentinos Rodrigo Quian Quiroga, director do Centro de Neurociência Sistémica da Universidade de Leicester na Grã-Bretanha, e Hernán Rei, que acabam de publicar a descoberta na revista Current Biology.

«Em geral, a formação da memória envolve uma associação de conceitos. Por exemplo, 'lembro de ter-me encontrado com um amigo quando fui ao cinema' implica dois conceitos: 'um amigo' e 'fui ao cinema', que se associam para formar uma nova memória que é a de ter encontrado um amigo no cinema», explicou Quian Quiroga.

«Já há um tempo demonstramos que há neurónios no cérebro que codificam conceitos. Esses neurónios do cérebro são usados para formar memória e têm um tempo de disparo», esclareceu em conferência na Grã-Bretanha.

«Assim que o estímulo sensorial - como ver uma pessoa - chega, 300 milésimos de segundo depois esse neurónio dispara (um impulso) e esse é o tempo durante o qual o neurónio é activado para a formação da memória», continuou.

O fenómeno é diferente de outros processos cognitivos - como, por exemplo, decidir sobre apanhar um táxi ou ir de autocarro ou prestar atenção a algo que nos emociona - já que envolvem outros neurónios, noutras regiões do cérebro, e outros tempos.