terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Here with me is Always Green Rythm. Can you feel it?


Underworld - Always Loved A Film

The rhythm of wheels, the rhythm of heels
That we fall into the sun
She walk on silver, she walk on gold
Paints "I love you" on the alley walls
For the eyes that hide behind black glasses
Sunlight hits everyone she passes

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

OGM, Não Obrigado - Um manifesto em 10 pontos


Os alimentos transgénicos, ou plantas geneticamente modificadas, têm sido apresentados como solução para tudo: fome no mundo, alterações climáticas, agricultura química, doenças e subnutrição... Mas a verdade pode ser bem diferente, e as razões abaixo, entre outras, justificam a proibição pura e simples destes frutos da engenharia genética.

1. Os transgénicos não resolvem a crise alimentar
"A crise climática foi usada para promover os biocombustíveis, o que ajudou a criar a crise alimentar. E agora a crise alimentar está a ser usada para dar um novo fôlego à indústria da engenharia genética."*1
Daniel Howden, correspondente em África do jornal britânico The Independent.

"O meu lado cínico acha que eles estão a usar a actual crise alimentar e energética como mola para impulsionar os transgénicos a nível político. Percebe-se porque é que o fazem, mas o problema é que essas alegações de que os transgénicos vão resolver os problemas da seca ou da fome no mundo não passam de palermice."*2
Prof Denis Murphy, Director de Biotecnologia da Universidade de Glamorgan, Reino Unido

• Um relatório de 2008 do Banco Mundial*3 concluiu que a produção de biocombustíveis é responsável pela subida dos preços dos alimentos a nível mundial. A Monsanto, a maior multinacional dos transgénicos, tem estado na primeira linha a fazer pressão política a favor deste tipo de energia, que usa os alimentos para alimentar carros, e não pessoas. Ao mesmo tempo, enquanto a crise atingia o auge, a empresa conseguia lucros inimagináveis com a venda de sementes e pesticidas a preços inflacionados. Para 2008 a Monsanto já anunciou lucros líquidos de 11 mil milhões de dólares - em relação a 2007 isto representa um aumento de três mil milhões de dólares!*4 Para rematar, a mesma empresa tem defendido publicamente os (seus) transgénicos como solução para a crise alimentar que ajudou a criar.

2. Os transgénicos não aumentam a produção
"Vamos falar claro. Neste momento [2008], não há variedades transgénicas em uso que tenham melhoria intrínseca de produtividade. Da mesma forma, não há qualquer transgénico disponível que resista à seca, use menos fertilizantes ou proteja o solo. Nem um."*5
Dr Doug Gurian-Sherman, previamente especialista em biotecnologia da Agência de Protecção Ambiental do governo americano e consultor em transgénicos da Autoridade de Segurança Alimentar (FDA) do governo americano.

• De acordo com números oficiais do governo americano,*6 não há transgénicos à venda que sejam mais produtivos do que as variedades de ponta convencionais. Apesar das promessas, o transgénico mais cultivado no mundo, a soja, tem uma produtividade reduzida face à soja convencional que pode atingir os 10% de quebra (400 kg por hectare).*7 O maior estudo europeu*8 sobre a matéria, realizado em Espanha, verificou que há mais regiões onde o milho transgénico não dá mais lucro face ao convencional do que o contrário.

3. Os transgénicos aumentam o uso de pesticidas
"A promessa era de que íamos usar menos químicos e obter mais produção. Mas deixem-me dizer-vos que nada disso é verdade."*9
Bill Christison, presidente da Associação Americana de Agricultura Familiar

• Dados publicados pelo Departamento de Agricultura americano*10 mostram que nos Estados Unidos as culturas transgénicas conduziram a um aumento - e não a uma redução - da aplicação de pesticidas, quando comparadas com culturas convencionais.

4. Há maneiras melhores de alimentar o mundo
"Actualmente já sabemos que quase todos os problemas que [os transgénicos] dizem que vêm resolver podem ser solucionados em poucos dias, se houver vontade política adequada."
Hans Herren, director geral do Centro Internacional de Fisiologia e Ecologia do Insecto, Quénia, e vencedor do Prémio Mundial da Alimentação de 1995

• Em 2008 foi publicado o maior estudo*11 jamais realizado sobre a agricultura mundial, financiado pelas Nações Unidas e Banco Mundial. No seu relatório final, compilado por mais de 400 especialistas de todo o mundo ao longo de quatro anos e ratificado já por 58 países, concluiu-se que os transgénicos têm pouco a oferecer à agricultura no que toca aos grandes desafios futuros: reduzir a pobreza, matar a fome, fazer frente às alterações climáticas e preservar a biodiversidade. Ainda segundo este documento, existem soluções melhores que podem desde já ser postas em prática. Haja vontade política.

5. Estão disponíveis outras e melhores tecnologias agrícolas
"Está a acontecer uma revolução silenciosa na área do mapeamento dos genes, que nos ajuda a entender melhor as variedades agrícolas. Isto já é uma realidade actualmente, e pode ter muito mais impacto na agricultura [do que os transgénicos]."*12
Prof John Snape, director do departamento de genética agrícola do Centro John Innes, Reino Unido

• A gestão integrada, o recurso a variedades tradicionais e outras metodologias de baixo consumo de recursos, incluindo a agricultura biológica, têm-se mostrado altamente eficazes no controlo de pragas, na minimização da poluição e na obtenção de uma produtividade sustentável ao longo do tempo.*13 Outras abordagens não-transgénicas para o melhoramento de variedades, como a selecção assistida por marcadores, têm grande potencial para contribuir para a melhoria futura da produtividade sem os perigos que a engenharia genética implica.*14

6. Está por demonstrar a segurança dos alimentos transgénicos
"Estamos a ser confrontados com a tecnologia mais poderosa que o mundo alguma vez conheceu, que está a ser generalizada rapidamente e sem praticamente nenhuma preocupação quanto às suas consequências."
Dra Suzanne Wuerthele, toxicóloga da Agência de Protecção Ambiental do governo americano

• A engenharia genética é uma técnica rudimentar e imprecisa de introduzir material genético (de vírus, bactérias, ou mesmo genes sintéticos) em plantas agrícolas. As consequências biológicas são, por definição, imprevisíveis, e nenhum dos transgénicos em circulação em Portugal foi objecto de qualquer estudo sobre os seus efeitos na saúde humana, quer a longo prazo, quer nas próximas gerações, apesar de serem testes obrigatórios previstos na legislação europeia. Alguns estudos preliminares de curta duração já detectaram efeitos preocupantes.*15 Existe um único estudo*16 sobre os efeitos directos em pessoas que comem transgénicos, onde se verificou que as bactérias do intestino incorporaram os transgenes provenientes da soja.

7. Os transgénicos tornaram-se invisíveis
"Cada europeu come diariamente uma dose de transgénicos."*17
Mike Mack, director geral executivo da Syngenta, a propósito do uso de transgénicos nas rações pecuárias

• A carne, ovos, leite e lacticínios dos animais alimentados com os milhões de toneladas de rações transgénicas que entram anualmente na União Europeia não têm de ser rotulados. Já há estudos científicos que demonstram que, quando os transgénicos são usados nas rações animais, é possível detectar material transgénico nos alimentos.*18 Nada garante a segurança de tais produtos.

8. Ninguém está a monitorizar o impacto dos transgénicos na saúde
"Nas actuais condições de montorização, quaisquer novas consequências negativas para a saúde teriam de ser um disastre monumental para se tornarem detectáveis."*19
Ben Miflin, previamente director do Instituto de Culturas Aráveis, Rothamsted, Reino Unido, e um defensor dos benefícios potenciais dos transgénicos

• Tem sido argumentado que os americanos comem transgénicos há uma década sem que surjam consequências. Mas nos Estados Unidos os transgénicos não são rotulados e não há estudos para detectar eventuais efeitos. Noutros escândalos alimentares, como por exemplo o das gorduras hidrogenadas, demorou décadas até se perceber e conseguir demonstrar que estavam a causar milhões de mortes entre os consumidores.*20

9. A coexistência entre agriculturas com e sem transgénicos é impossível
"Em relação aos transgénicos, estamos todos de acordo: não se consegue controlar a disseminação. Portanto não vamos correr esse risco."*21
Jean-Louis Borloo, Ministro francês da ecologia e do desenvolvimento sustentável

"Segundo o especialista [Joel Figueiredo, fundador e dirigente da Associação Nacional de Produtores de Milho e gerente da Cooperativa de Coimbra], uma parte importante das produções tradicionais de milho acaba por ser contaminada pela «polinização cruzada», sendo assim difícil encontrar milho que não contenha mais ou menos genes dos OGM."
Diário de Coimbra, 14 de Setembro de 2007

"Se algumas pessoas conseguirem o direito a cultivar e vender transgénicos, a consequência vai ser que em breve ninguém vai ter o direito a cultivar, vender e comer sem transgénicos. É uma escolha irreversível, como a introdução de coelhos na Austrália: uma vez feito, não pode ser desfeito."*22
Roger Levett, eticista e especialista em desenvolvimento sustentável

• A contaminação da produção convencional e biológica pelos transgénicos está a aumentar. Nos Estados Unidos, o cultivo experimental por um único ano de uma determinada variedade de arroz transgénico, não autorizado para venda, levou à contaminação generalizada da produção comercial de arroz longo e até das linhagens pré-comerciais.*23 No Canadá, a produção biológica de colza foi praticamente eliminada devido à contaminação por colza transgénica.*24 E em Espanha, um estudo recente verificou que o milho transgénico está a conduzir a uma redução drástica na produção biológica deste cereal.*25

10. As empresas dos transgénicos não são de confiança
"Os agricultores estão a ser processados por ter transgénicos na sua propriedade que eles não compraram, não querem, não vão usar, nem podem vender."*26
Tom Wiley, agricultor do Dakota do Norte, Estados Unidos

"A lista de acusações é horrífica, inexorável e convincente. A empresa multinacional Monsanto, que vende 90% dos transgénicos, mente em larga escala a muita gente e até ao mundo inteiro, com grande sucesso. Esse é o poder que o dinheiro e que o apoio, aparentemente ilimitado, do governo americano, conseguem atingir. Mas quem viu o documentário extraordinário 'O Mundo segundo a Monsanto' de Marie-Monique Robin já sabe isso tudo."
Le Monde, jornal francês


• As grandes multinacionais da engenharia genética têm um cadastro marcado pela mentira, contaminação, envenenamento e corrupção.*27 As sementes transgénicas são vistas como uma excelente oportunidade de negócio porque lhes permitem obter patentes e, assim, conseguir um monopólio sobre o que o mundo pode ou não cultivar e comer. Os agricultores que são apanhados a guardar sementes transgénicas da sua produção para voltar a semear no ano seguinte são arrastados para tribunal e daí para a falência. Isto passa-se mesmo quando esses transgénicos aparecem nos campos através de contaminação acidental devido ao vento ou aos insectos.*28

* REFERÊNCIAS

1. “Hope for Africa lies in political reforms”, Daniel Howden, The Independent, 8 Setembro 2008. 
2. “GM: it's safe, but it's not a saviour”, Rob Lyons, Spiked Online, 7 Julho 2008. 
3. “A Note on Rising Food Prices”, Donald Mitchell, World Bank report, 2008. 
4. “Feed a company, starve a country”, Meredith Niles, Grist Magazine, 11 Novembro 2008. 
5. “Genetic engineering - a crop of hyperbole”, Doug Gurian-Sherman, The San Diego Union Tribune, 18 Junho 2008. 
6. “The adoption of bioengineered crops”, US Department of Agriculture Report, Maio 2002.
7. “Glyphosate-resistant soyabean cultivar yields compared with sister lines”, Elmore, R.W. et al., Agronomy Journal, Vol. 93, No. 2, 2001, pg. 408-412
8. “Bt corn in Spain - the performance of the EU's first GM crop”, Gómez-Barbero et al., Nature Biotechnology, Vol. 26, 2008, pg. 384-386.
9. “Family Farmers Warn of Dangers of Genetically Engineered Crops”, Bill Christison, In Motion magazine, 29 Julho 1998. 
10. “Genetically engineered crops and pesticide use in the United States: The first nine years”, Benbrook, C., BioTech InfoNet, Technical Paper No. 7, Outubro 2004. Disponível aqui; “Agricultural Pesticide Use in US Agriculture”, Center for Food Safety, Maio 2008, com dados do Departamento de Agricultura do governo federal dos Estados Unidos
11. “International Assessment of Agricultural Knowledge, Science and Technology for Development: Global Summary for Decision Makers (IAASTD)”, Beintema, N. et al., 2008. Acesso em Outubro de 2008.
12. “Gene mapping the friendly face of GM technology”, Professor John Snape, Farmers Weekly, 1 Março 2002, pg. 54
13. Ver, por exemplo: “Feeding the world?”, J. N. Pretty, SPLICE, magazine of the Genetics Forum, Vol. 4, Agosto/Setembro 1998; ou “Organic agriculture and food security in Africa”, United Nations report, 2008, disponível aqui; ou ainda “International Assessment of Agricultural Knowledge, Science and Technology for Development: Global Summary for Decision Makers (IAASTD)”, Beintema, N. et al., 2008. Acesso em Outubro de 2008.
14. “Marker-assisted selection: an approach for precision plant breeding in the twenty-first century”, Collard, B.C.Y. and D.J. Mackill, Phil. Trans. R. Soc. B, Vol. 363, 2008, pg. 557-572, 2008; “Breeding for abiotic stresses for sustainable agriculture”, Witcombe J.R. et al., Phil. Trans. R. Soc. B, 2008, Vol. 363, pg. 703-716
15. Aqui apenas alguns exemplos desses artigos: “Genetically modified soya leads to the decrease of weight and high mortality rate of rat pups of the first generation”, Ermakova I.V., EcosInform, Vol. 1, 2006, pg. 4-9; “Fine structural analysis of pancreatic acinar cell nuclei from mice fed on GM soybean”, Malatesta, M. et al., Eur. J. Histochem., Vol. 47, 2003, pg. 385-388; “Ultrastructural morphometrical and immunocytochemical analyses of hepatocyte nuclei from mice fed on genetically modified soybean”, Malatesta, M. et al., Cell Struct Funct., Vol. 27, 2002, pg. 173-180; “Ultrastructural analysis of testes from mice fed on genetically modified soybean”, Vecchio L. et al., Eur. J. Histochem., Vol. 48, pg. 448-454, 2004; “A long-term study on female mice fed on a genetically modified soybean: effects on liver ageing”, Malatesta M. et al., Histochem Cell Biol., Vol. 130, 2008, pg. 967-977; “Effects of diets containing genetically modified potatoes expressing Galanthus nivalis lectin on rat small intestine”, Ewen S.W. and A. Pusztai, The Lancet, Vol. 354, 1999, pg. 1353-1354; “New Analysis of a Rat Feeding Study with a Genetically Modified Maize Reveals Signs of Hepatorenal Toxicity”, Séralini, G.-E. et al., Arch. Environ. Contam. Toxicol., Vol. 52, 2007, pg. 596-602.
16. “Assessing the survival of transgenic plant DNA in the human gastrointestinal tract”, Netherwood T. et al., Nature Biotechnology, Vol. 22, 2004, pg. 204-209.
17. “Syngentan is fighting an ideological battle”, Carl Mortished, The Times, 14 Fevereiro 2008. 
18. “Detection of Transgenic and Endogenous Plant DNA in Digesta and Tissues of Sheep and Pigs Fed Roundup Ready Canola Meal”, Sharma, R. et al., J. Agric. Food Chem., Vol. 54, No. 5, 2006, pg. 1699-1709; “Assessing the transfer of genetically modified DNA from feed to animal tissues”, Mazza, R. et al., Transgenic Res., Vol. 14, No. 5, 2005, pg. 775-784; “Detection of genetically modified DNA sequences in milk from the Italian market”, Agodi, A., et al., Int. J. Hyg. Environ. Health, Vol. 209, 2006, pg. 81-88.
19. "Long-term effect of GM crops serves up food for thought", Butler, D. et al., Nature, Vol. 398, pg. 651-653, 1999.
20. “Trans Fats: The story behind the label”, Paula Hartman Cohen, Harvard Public Health Review, 2006. 
21. "La France s'oriente vers un gel des cultures d'OGM", Jakubyszyn, C. et al., Le Monde, 20 de Setembro de 2007
22. "Choice: Less can be more", Levett, R., Food Ethics magazine, Vol. 3, No. 3, Autumn 2008, p. 11.
23. “Risky business: Economic and regulatory impacts from the unintended release of genetically engineered rice varieties into the rice merchandising system of the US”, Blue, Dr E. Neal, relatório para a Greenpeace, 2007. 
24. “Seeds of doubt: North American farmers' experience of GM crops”, Soil Association, 2002.
25. “Coexistence of plants and coexistence of farmers: Is an individual choice possible?”, Binimelis, R., Journal of Agricultural and Environmental Ethics, Vol. 21, No. 2, April 2008
26. “Monsanto 'Seed Police' Scrutinize Farmers”, Stephen Leahy, InterPress Service, 15 Janeiro 2004. 
27. Ver, por exemplo, o filme de Marie-Monique Robin, “Le Monde Selon Monsanto” (O Mundo segundo a Monsanto), ARTE, 2008; e a página da associação Coalition Against Bayer Dangers.
28. A Monsanto já lançou muitas acções em tribunal contra agricultores. Ver relato detalhado por exemplo em "Monsanto versus US Farmers".

Via Plataforma Transgénicos Fora!

domingo, 29 de dezembro de 2013

O nome das coisas: o Decreto-Lei nº 96/2013 é a "Lei do Eucalipto Livre"

Produção de Eucaliptos no viveiro de Espirra, o maior viveiro de plantas florestais da Europa. Esta unidade dos Viveiro Aliança, do grupo Portucel Soporcel, tem capacidade para criar 6 milhões de plantas de eucalipto
Esta lei simplifica plantações de eucaliptos, mas complica a plantação de espécies florestais autóctones como o sobreiro, o castanheiro, o carvalho ou a azinheira

A onomástica é o estudo explicativo dos nomes. Nos dias em que vemos o significado das palavras perder-se, em que os nomes se vão desligando do que significam, é importante realizar exercícios de onomástica para chamar as coisas pelos seus nomes.

Por estes dias discutiu-se no Parlamento, na Comissão de Agricultura e Mar, o Decreto-Lei nº 96/2013, de 19 de Julho. Para aumentar a confusão que este número de série produz na cabeça das pessoas, não tem sequer um subtítulo. Discutido anteriormente como Regime das Acções de Arborização e Rearborização, seria difícil explicar o que ele faz através deste subtítulo. Mais difícil ainda é explicar que a única importância decisiva e histórica deste decreto é liberalizar a plantação de eucaliptos, pelo que o seu nome verdadeiro não poderia ser outro que não "Lei do Eucalipto Livre".

Nesta Comissão Parlamentar estiveram várias organizações: de produtores, de académicos, ambientalistas, de cooperativas, e até empresas como a Portucel e a Altri. Algumas das entidades presentes afirmaram que esta lei não era sobre o eucalipto, como defendeu o próprio Secretário de Estado das Florestas, mais que uma vez, dizendo que o decreto visava apenas acabar com a burocracia na floresta.

Mas a "Lei do Eucalipto Livre" tem exclusivamente que ver com eucaliptos e com a liberalização da sua plantação. Senão vejamos: esta lei simplifica plantações de eucaliptos, mas complica a plantação de espécies florestais autóctones como o sobreiro, o castanheiro, o carvalho ou a azinheira, que passa a ter que ser comunicada. Que simplificação da burocracia é esta, quando passa a ter que ser comunicada, por exemplo, a plantação de sobreiros no meio do montado alentejano ou de carvalhos no Douro?

Os autores e os defensores desta lei afirmam que ela deixa de discriminar o eucalipto em relação às outras árvores. Discriminar? A espécie predominante da floresta portuguesa é uma espécie discriminada? Alguém pode defender que uma espécie plantada em 812 mil hectares, 8,9% da área do país, é uma espécie atacada? Afirmam ainda que esta lei não liberaliza a plantação de eucaliptos, uma vez que a comunicação prévia, que é um deferimento tácito à plantação de eucaliptos, apenas se aplica a áreas arborizadas abaixo dos 2 hectares. Mas se observarmos objetivamente que mais de 80% das propriedades florestais do país têm menos de 2 hectares de área ou que o prédio rústico tem em média de 0,5 a 1,2 hectares, podemos concluir que há um deferimento tácito para plantação de mais de 80% das propriedades florestais do país com eucalipto.

É nas áreas de plantação de eucalipto e pinheiro desordenadas, como aquelas que esta lei criará em grandes e contínuas extensões, que o país mais arde, ano após ano. São estas áreas que a "Lei do Eucalipto Livre" pretende continuar a expandir, entregando a floresta portuguesa nas mãos da fileira da celulose, que não quer ter nenhuma responsabilidade pela floresta e pela sua manutenção, ordenamento ou equilíbrio, mas apenas a possibilidade de extração máxima de madeira produzida pelos milhares de pequenos proprietários que arcarão com todo o risco.

O relatório mais recente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas aponta uma subida de temperatura global em cerca de 4,8ºC. Para a Península Ibérica, este valor chega a uma previsão máxima de aumento de 10ºC, sendo a previsão mínima de 1,5ºC no Verão. Com uma área de eucaliptal desordenado em expansão, uma das maiores do mundo, as consequências são claras, e por isso a "Lei do Eucalipto Livre" é também a "Lei do  Incêndio Livre".

A "Lei do Eucalipto Livre" está neste momento em apreciação parlamentar na Assembleia da República. Esta é a altura de participarmos e de nos manifestarmos acerca da mesma. É altura de contactarmos os representantes eleitos e em particular a Comissão de Agricultura e Mar, que é a primeira responsável pelo parecer que será transmitido ao Plenário do Parlamento sobre esta lei. É altura de contactarmos os deputados e deputadas dos vários grupos parlamentares: Vasco Cunha, Jorge Fão, Abel Baptista, Mário Simões, Isabel Santos, Manuel Isaac, João Ramos, Helena Pinto, José Luís Ferreira, Cristóvão Norte, Fernando Marques, Luís Pedro Pimentel, Maria José Moreno, Nuno Serra, Pedro Alves, Pedro do Ó Ramos, Pedro Lynce, Ulisses Pereira, Fernando Jesus, Glória Araújo, Miguel Freitas, Renato Sampaio e Rosa Maria Bastos Albernaz. Porque é importante que nos lembremos não apenas do nome das coisas, mas também do nome das pessoas. Perante uma lei que tem um impacte histórico desta dimensão, é importante darmos os nomes certos às pessoas e às leis. Contactem os deputados da Comissão através do site da Assembleia da República, neste link .

Se esta lei for revogada, não será a garantia de que no futuro tudo correrá melhor. Se esta lei não for revogada, temos a garantia de que no futuro, na nossa floresta e no nosso território as coisas correrão bastante pior. Se ela seguir avante, poderemos prever para o ano de 2113 importantes alterações onomásticas, e provavelmente os nomes Silva, Pinheiro ou Carvalho terão perdido todo o significado.

Talvez na aldeia de Eucaliptal de Cima, o Sr. Eucalipto se venha a casar com a Dona Fogo para tentar emigrar para o grande Deserto do Sul. Não temos tempo a perder com confusões linguísticas.
Revogar é a única palavra que temos de associar a este decreto-lei.

João Camargo
Engenheiro Zootécnico; Engenheiro do Ambiente; Técnico de Intervenção da Liga para a Protecção da Natureza

Fonte: Visão
Outras leituras

sábado, 28 de dezembro de 2013

Philip Glass - Symphony for Eight - Conjunto Ibérico




Os séculos anteriores foram de Mozart, Bach...e neste século temos Philip Glass!! Aqui é como a vida de uma pessoa: pequenos passos e depois se agigantam em volume,  porque amadurecemos!

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Documentário da Semana- "Terra e Sustentabilidade"


Será que não podemos introduzir na agricultura dita mecanizada instrumentos e princípios mais sustentáveis? O documentário Terra e Sustentabilidade apresenta os benefícios de um dos sistemas agrícolas mais eficientes do ponto de vista da sustentabilidade e da produtividade no campo, o sistema de manejo agrícola Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), que tem como objetivo integrar produção de alimentos, fibras, energia e madeira, realizados na mesma área, em cultivo consorciado, em sucessão ou rotação. Terra e Sustentabilidade mostra que as vantagens da recuperação de áreas e integração de cultivos são muitas: redução de custos de produção, melhor uso da terra, mais eficiência no uso da mão de obra e dos recursos de produção e uso adequado de energia, além da redução de emissões de gases de efeito estufa. A John Deere participa activamente do programa integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF). A empresa apresenta aos produtores, por meio de dias de campo, os benefícios sociais, ambientais e económicos da rotação de culturas, com pastagens e plantio de espécies florestais. "A John Deere tem organizado uma série de eventos e encontros com os agricultores, o que permite a ampliação da transferência de tecnologia e conhecimento técnico-cientifico aos produtores rurais", diz Alfredo Miguel Neto, director de Assuntos Corporativos América Latina da John Deere.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Musica grega, persa e azerbeijanesa

Gulistan: Bijan Chemirani & Ross Daly 
Bijan Chemirani is interested in mythical musical spaces. On Gulistan, Chemirani explores a place where Greek, Persian and Azerbaijani music meet. A gulistan is a rose garden, the classic metaphor for the source of inspiration for poets and musicians. 
The album is full of spirited tempo and fiery instrumental conversations between fiddles and percussion. These are Middle Eastern fiddles, kamanchehs, kemences and rebecs. In the Persian musical tradition, the kamancheh is thought to be the world's original fiddle. Chemirani plays with a hard attack, framing the melody in double chords, making use of changing Balkan rhythmic patterns. Chemirani's sound will startle those whose exposure to the kamancheh has been the more refined playing of Ostad Ali Asghar Bahari or Kayhan Kalhor. It's like putting Bartok and a Gypsy orchestra side by side. However, let me quickly add that this in no way implies a "high" and "low" value. Like any good musician, Chemirani has discovered strengths in his instrument that few others have. He is a virtuoso and the power and beauty of his music is really quite remarkable. Outstanding tracks include Chemirani's composition "Liqa" and Ross Daly's "Makrinitsa." 

The British-born Ross Daly is an ideal collaborator, having absorbed Greek, Turkish, Egyptian and other Middle-Eastern influences. The result is an incredibly virile music that has the wailing, nasal-like color of Balkan and Near East folk tunes yet it is very contemporary, melodically sophisticated and unpredictable. 

1. Liga (Traditional) 2. Makrinitsa (Traditional) 3. Taksim laouto (Traditional) 4. Socratako (Traditional) 5. Taksim robab (Traditional) 6. Naom gaffani (Traditional) 7. Taksim duduk (Traditional) 8. Zeimbeki (Traditional) 9. Tarigh (Traditional) 10. Gardesh (Traditional) 11. Syrto (Traditional) 12. Taksim cistre (Traditional) 13. Sento d´amor la fiamma (Traditional) 14. Gulistan (Traditional)

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O Jardim etéreo, o Jardim interno e o Jardim terreno


O Jardim
Consideremos o jardim, mundo de pequenas coisas, 
calhaus, pétalas, folhas, dedos, línguas, sementes. 
Sequências de convergências e divergências, 
ordem e dispersões, transparência de estruturas, 
pausas de areia e de água, fábulas minúsculas. 

Geometria que respira errante e ritmada, 
varandas verdes, direcções de primavera, 
ramos em que se regressa ao espaço azul, 
curvas vagarosas, pulsações de uma ordem 
composta pelo vento em sinuosas palmas. 

Um murmúrio de omissões, um cântico do ócio. 
Eu vou contigo, voz silenciosa, voz serena. 
Sou uma pequena folha na felicidade do ar. 
Durmo desperto, sigo estes meandros volúveis. 
É aqui, é aqui que se renova a luz. 

António Ramos Rosa, in "Volante Verde"

domingo, 22 de dezembro de 2013

Hall Of Mirrors


Siouxsie & The Banshees - Hall Of Mirrors 

"Even the greatest stars discover themselves in the looking glass 
She made up the person she wanted to be And changed into a new personality"

sábado, 21 de dezembro de 2013

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Se eu pudesse deixar algum presente para ti...


Se eu pudesse deixar algum presente para ti, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo o que foi ensinado ao longo do tempo. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem. A capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para ti, se pudesse, o respeito por aquilo que é indispensável. Além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a acção. E, quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de ti mesmo a resposta e a força para encontrar a saída. 
Mahatma Gandhi

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O roubo do presente, por José Gil

A ler e partilhar- "O roubo do presente", por José Gil. Há pelo menos uma década e meia está a ser planeada e experimentada quer a nível do nosso país, quer na Europa e no mundo uma nova ditadura- não tem armas, não tem aparência de assalto, não tem bombas, mas tem terror e opressão e domesticação social e se deixarmos andar, é também um golpe de estado e terá um só partido e um só governo- ditadura psicológica.
Imagem faz parte do filme "Terra em Transe" de Glauber Rocha
O ROUBO DO PRESENTE,  José Gil 
[foto- silenciamento, à bruta, de um manifestante, ditadura do Brasil, 1964] 


"Nunca uma situação se desenhou assim para o povo português: não ter futuro, não ter perspectivas de vida social, cultural, económica, e não ter passado porque nem as competências nem a experiência adquiridas contam já para construir uma vida. Se perdemos o tempo da formação e o da esperança foi porque fomos desapossados do nosso presente. Temos apenas, em nós e diante de nós, um buraco negro. O «empobrecimento» significa não ter aonde construir um fio de vida, porque se nos tirou o solo do presente que sustenta a existência. O passado de nada serve e o futuro entupiu. O poder destrói o presente individual e coletivo de duas maneiras: sobrecarregando o sujeito de trabalho, de tarefas inadiáveis, preenchendo totalmente o tempo diário com obrigações laborais; ou retirando-lhe todo o trabalho, a capacidade de iniciativa, a possibilidade de investir, empreender, criar. Esmagando-o com horários de trabalho sobre-humanos ou reduzindo a zero o seu trabalho. O Governo utiliza as duas maneiras com a sua política de austeridade obsessiva: por exemplo, mata os professores com horas suplementares, imperativos burocráticos excessivos e incessantes: stresse, depressões, patologias border-/ine enchem os gabinetes dos psiquiatras que os acolhem. É o massacre dos professores. Em exemplo contrário, com os aumentos de impostos, do desemprego, das falências, a política do Governo rouba o presente de trabalho (e de vida) aos portugueses (sobretudo jovens). O presente não é uma dimensão abstracta do tempo, mas o que permite a consistência do movimento no fluir da vida. O que permite o encontro e a intensificação das forças vivas do passado e do futuro - para que possam irradiar no presente em múltiplas direcções. Tiraram-nos os meios desse encontro, desapossaram-nos do que torna possível a afirmação da nossa presença no presente do espaço público. Actualmente, as pessoas escondem-se, exilam-se, desaparecem enquanto seres sociais. O empobrecimento sistemático da sociedade está a produzir uma estranha atomização da população: não é já o «cada um por si», porque nada existe no horizonte do «por si». A sociabilidade esboroa-se aceleradamente, as famílias dispersam-se, fecham-se em si, e para o português o «outro» deixou de povoar os seus sonhos - porque a textura de que são feitos os sonhos está a esfarrapar-se. Não há tempo (real e mental) para o convivio. A solidariedade efectiva não chega para retecer o laço social perdido. O Governo não só está a desmantelar o Estado social, como está a destruir a sociedade civil. Um fenómeno, propriamente terrível, está a formar-se: enquanto o buraco negro do presente engole vidas e se quebram os laços que nos ligam às coisas e aos seres, estes continuam lá, os prédios, os carros, as instituições, a sociedade. Apenas as correntes de vida que a eles nos uniam se romperam. Não pertenço já a esse mundo que permanece, mas sem uma parte de mim. O português foi expulso do seu próprio espaço continuando, paradoxalmente, a ocupá-lo. Como um zombie: deixei de ter substância, vida, estou no limite das minhas forças - em vias de me transformar num ser espectral. Sou dois: o que cumpre as ordens automaticamente e o que busca ainda uma réstia de vida para os seus, para os filhos, para si. Sem presente, os portugueses estão a tornar-se os fantasmas de si mesmos, à procura de reaver a pura vida biológica ameaçada, de que se ausentou toda a dimensão espiritual. É a maior humilhação, a fantomatização em massa do povo português. Este Governo transforma-nos em espantalhos, humilha-nos, paralisa-nos, desapropria­-nos do nosso poder de acção. É este que devemos, antes de tudo, recuperar, se queremos conquistar a nossa potência própria e o nosso país."

Outras informações 
(com vários textos, docs, relatórios, sítios e blogues desmascarando a austeridade)
Dossiê Austeridade é privataria

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Oil, War and the Fed Reserve: Connecting the dots

This concise yet educational 14-minute video examines the history of the dollar, its relation to oil, and the real motives behind the endless wars of the past two decades. Unlike other YouTube videos on the same topic, it´s not all fear, fear, fear…we are correctly reminded that the power sits with us and us alone. We are many, and we are waking up. No matter how messy it all seems, WW3 doesn´t have to be- in fact, it will NOT be- the end result! [True Activist]

domingo, 15 de dezembro de 2013

Cerimónia


New Order- Ceremony 
"Notice whom for wheels are turning, Turn again and turn towards this time [..] Watching love grow, forever, Letting me know, forever" - Ian Curtis

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

16 Of Your Favorite Things That Climate Change Is Totally Screwing Up


As alterações climáticas já estão a retirar-lhe alguns prazeres. Eis uma lista de 16 actividades e prazeres que estão em "perigo de extinção" num artigo muito curioso e interessante do Think Progress

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Vantagens de ter árvores na cidade

Opinião dos habitantes de cidades americanas sobre as árvores
Uma pesquisa americana em que 5 mil habitantes foram consultados sobre as razões pelas quais cidades devem ter árvores, mostro que os sete pontos principais em 112 aglomerados urbanos são:
1) sombra e rebaixamento da temperatura
2) manter as pessoas mais calmas
3) ser capaz de diminuir a poluição em áreas com algo tráfego
4) reduzir o ruído
5) plantadas em áreas de comércio fazem pensar que os donos se preocupam com o ambiente
6) fazem um barulho interessante quando se pisam nas folhas
7) atraem a fauna silvestre

Ler mais em MSBuckridge
Imagem
Há vários bons exemplos a seguir. Um deles é o da cidade de Washington, capital dos Estados Unidos. Em Washington, a cidade mantém um mapa das árvores e podemos obter informações a respeito delas. Outro é a cidade de Nova York, onde há inúmeros serviços relacionados às árvores, incluindo plantio, cuidados, informações sobre as espécies e muito mais. 
Em Paris, as árvores fazem parte da história da cidade. Podemos seguir pelos artigos e entender cada vez mais como as árvores se encaixam na história da França e da Cidade Luz. Mas se preferir buscar as posições e nomes das árvores em Paris, visite o site da prefeitura da cidade.

Reclamações das podas em Tóquio.




Ler mais
Entenda como as árvores ajudam a combater as ilhas de calor nas cidades

Dossier Bioterra para os amantes das árvores
Botânica e Floresta

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Folhas Artificiais: Futuro da Energia?

A crise energética actual exige grandes mudanças na forma como obtemos e consumimos a nossa energia. Processos de produção de energia limpa e barata são uma meta que devemos alcançar para obter a sustentabilidade que tanto queremos.Na natureza, há um processo de geração de energia que é muito conhecido: a fotossíntese. Durante a fotossíntese, as plantas convertem a energia solar (fotões) em energia química (na forma de hidratos de carbono). Agora, pesquisadores tentam criar “folhas artificiais” que são capazes de gerar energia eléctrica a partir da luz solar, e de modo mais eficiente do que este processo nas plantas. Essa seria uma grande evolução dos painéis solares actuais.

Os protótipos mais comuns são “bolachas” de silício revestidas por um catalisador que , quando em contacto com água e exposto à luz solar , decompõe a água em seus componentes: hidrogénio e oxigénio. Além disso, as tecnologias mais recentes trabalham tanto com água limpa, quanto com água poluída.Uma equipe do Instituto de Tecnologia de Massachusetts trabalha num protótipo que utiliza a energia solar para quebrar moléculas de água em oxigénio e hidrogénio, além de converter o dióxido de carbono em combustíveis líquidos.Esse é o objectivo das pesquisas actuais, a produção de combustíveis líquidos, não gases perigosos, como o hidrogênio. O combustível seria então canalizado por tubos até reservatórios. Fonte: Desvendando a Biologia

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Documentário da Semana: Ciclovida




“Ciclovida” (“Lifecycle”, Estados Unidos/Brasil, 2010) conta a história de um grupo de pequenos agricultores cearenses que atravessou a América do Sul pedalando por mais de dez mil quilómetros na campanha de resgate das sementes naturais. Os viajantes documentaram a dominação dos agro-combustíveis no campo e o deslocamento de milhões de pequenos agricultores e comunidades indígenas.

Saiba mais sobre o filme, laureado em festivais internacionais de cinema ambiental, no site: Ciclo Vida

domingo, 8 de dezembro de 2013

Música do BioTerra: Underworld- Always loved a Film

Underworld- Always Loved a Film 

Acompanho esta banda desde os anos 90!! Além do seu som, estão cada vez melhores! Creio que é a melhor lição de vida, seja para músicos, seja para professores, seja para políticos, etc...

sábado, 7 de dezembro de 2013

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Quando os humanos mataram o ser vivo mais antigo da Terra

Foto: QUANDO OS HUMANOS MATARAM O SER VIVO MAIS ANTIGO DA TERRA

Em 1964, um pinheiro (Pinus longaeva) foi cortado em Nevada, estado americano, em nome da pesquisa científica. Após a contagem dos seus anéis, o muno descobriu que ele tinha cerca de 5.000 anos. E nós havíamos acabado de matar o que, na época, era o ser vivo mais antigo da Terra.

Donald Currey foi o responsável pelo “assassinato”. Ele estava procurando evidências sobre a Pequena Idade do Gelo, um período de tempo entre os anos 1300 e 1800 no qual a temperatura da Terra presumivelmente caiu ligeiramente, atingindo seu ponto mais baixo em algum momento de 1600.

Ele queria encontrar uma árvore que tivesse vivido todo esse período para que pudesse estudar seus anéis, e a localizou no que é hoje o Great Basin National Park, um parque florestal em Nevada. Para analisá-la, decidiu usar uma ferramenta de perfuração para tirar uma amostra.

No entanto, a madeira desse exemplar era muito densa, e a árvore era muito grande, eventualmente prendendo sua ferramenta de perfuração. Ele não poderia retirá-la sem uma motosserra. Neste ponto, ninguém sabia quantos anos essas árvores realmente tinham. Elas viviam em um clima severo, e a árvore que o cientista queria cortar tinha uma aparência retorcida e abatida.

Foi só mais tarde, depois de contar mais de uma vez para ter certeza, é que ele se deparou com a dura realidade de que aquele ser, até então vivo, tinha mais de 5.000 anos de idade. Na época, isso a tornava a mais antiga árvore conhecida no mundo. Ela tinha até mesmo nome, dado por um grupo de amantes da natureza: Prometeu.

Após esse dramático símbolo descobriu-se que outro pinheiro da mesma floresta, Matusalém, também tem 4.841 anos – e esse está vivo e secretamente protegido pelo Serviço Florestal.

Infelizmente é a ciência tem um preço. Mas quão alto ele é? 

FONTE:http://hypescience.com/o-ser-vivo-mais-velho-que-os-humanos-ja-mataram/
Em 1964, um pinheiro (Pinus longaeva) foi cortado em Nevada, estado americano, em nome da pesquisa científica. Após a contagem dos seus anéis, o muno descobriu que ele tinha cerca de 5.000 anos. E nós havíamos acabado de matar o que, na época, era o ser vivo mais antigo da Terra.

Donald Currey foi o responsável pelo “assassinato”. Ele estava procurando evidências sobre a Pequena Idade do Gelo, um período de tempo entre os anos 1300 e 1800 no qual a temperatura da Terra presumivelmente caiu ligeiramente, atingindo seu ponto mais baixo em algum momento de 1600.

Ele queria encontrar uma árvore que tivesse vivido todo esse período para que pudesse estudar seus anéis, e a localizou no que é hoje o Great Basin National Park, um parque florestal em Nevada. Para analisá-la, decidiu usar uma ferramenta de perfuração para tirar uma amostra.

No entanto, a madeira desse exemplar era muito densa, e a árvore era muito grande, eventualmente prendendo sua ferramenta de perfuração. Ele não poderia retirá-la sem uma motosserra. Neste ponto, ninguém sabia quantos anos essas árvores realmente tinham. Elas viviam em um clima severo, e a árvore que o cientista queria cortar tinha uma aparência retorcida e abatida.

Foi só mais tarde, depois de contar mais de uma vez para ter certeza, é que ele se deparou com a dura realidade de que aquele ser, até então vivo, tinha mais de 5.000 anos de idade. Na época, isso a tornava a mais antiga árvore conhecida no mundo. Ela tinha até mesmo nome, dado por um grupo de amantes da natureza: Prometeu.

Após esse dramático símbolo descobriu-se que outro pinheiro da mesma floresta, Matusalém, também tem 4.841 anos – e esse está vivo e secretamente protegido pelo Serviço Florestal.

Infelizmente é a ciência tem um preço. Mas quão alto ele é?

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Estacionamento de bicicletas no Estádio do Dragão vence prémio Mobilidade em Bicicleta

[Fonte: Greensavers] O FC Porto venceu o Prémio Nacional “Mobilidade em Bicicleta” de 2013, distinção atribuída pela Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) devido aos três pontos de parqueamento para bicicletas instalados no Estádio do Dragão.

A cerimónia, que decorreu esta semana no MUDE - Museu do Design e da Moda, contou com a presença do Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Sérgio Silva Monteiro e integrou-se na Semana Europeia da Mobilidade de 2013.

Teresa Santos, representante do FC Porto na cerimónia, salientou a importância desta acção e do prémio para o Clube, “Esperamos com esta iniciativa que a bicicleta se torne num meio primordial para as deslocações ao Estádio do Dragão, pois é um meio ecológico, económico e saudável”.

De acordo com a política ambiental do FC Porto, desde final de Agosto que é possível deslocar-se para o Dragão de bicicleta. Existem três pontos de parqueamento, perto das portas 7, 12 e 21, com cerca de 150 lugares disponíveis, onde é possível deixar a bicicleta de forma simples e cómoda.

O galardão pretende reconhecer publicamente o contributo de entidades ou pessoas individuais que tenham promovido a utilização da bicicleta através da criação ou melhoria de condições e facilidades em Portugal e divulgação de iniciativas fomentadoras do uso deste veículo não motorizado.

Veja os restantes galardoados com o prémio Mobilidade em Bicicleta neste link.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Coentros são capazes de eliminar metais pesados da água

Mexicanos descobriram que o tempero, comum no Brasil, pode deixar a água potável de forma natural.
Mexicanos descobriram que o tempero, comum no Brasil, pode deixar a água potável de forma natural.
Por Gabriel Felix [ CicloVivo ]
Em parceria com cientistas norte-americanos, os estudantes da Universidade Politécnica de Francisco I. Madero, no México, descobriram que o coentro tem potencial para eliminar impurezas e retirar metais pesados da água de forma orgânica. A erva, que também apresenta diversas propriedades medicinais, vem mostrando eficiência em purificar os sistemas de irrigação no Vale do Tula, situado nas proximidades da Cidade do México.

A pesquisa teve início quando os estudantes observaram o poder de desintoxicação da erva, utilizada de forma natural para filtrar o sangue e eliminar radicais livres do corpo. Durante as experiências, a equipe comprovou que as células que compõem o coentro conseguem reter com facilidade alguns metais, como o níquel, que, ao ser ingerido, pode causar graves complicações – como o câncer de pulmão.

De acordo com Douglas Schauer, coordenador da pesquisa, a próxima etapa é verificar se o coentro, tempero comum na cozinha brasileira, também é capaz de eliminar metais com maior toxicidade, como o mercúrio, que causa estragos irreversíveis – seja na saúde das pessoas, seja nos corpos d’água de todo o planeta.

Os testes vêm sendo realizados em plantações do Vale do Tula, região que, historicamente, exerceu importante influência para as civilizações pré-colombianas. Além de ser utilizado para purificar a água que irriga as plantações, o coentro também demonstra eficiência ao ser inserido numa espécie de sachê de chá, capaz de filtrar a água imprópria para consumo, conforme explicam os cientistas.

Os resultados da pesquisa foram apresentados à American Chemical Society, que publicou a novidade. Além dos bons resultados nos testes de purificação de água, está comprovado que o coentro pode ser utilizado para controlar a pressão sanguínea, diminuir a ansiedade e ainda combater a cefaleia e a insônia.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons (ICAN)


We, ICAN believe we do can really ban nuclear. If non-nuclear-weapon states take the lead and start a process to ban and eliminate all nuclear weapons on the basis of the catastrophic humanitarian consequences they produce, nuclear weapons will not be seen as power instruments but unacceptable weapons like chemical and biological weapons.



Visit and share this site too

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Livros da mudança e pela verdade - Lao Tse

A Ética do Espinosa e de Kant foram influenciadas por leituras do Tao. Aliás é possível estabelecer um percurso de filósofos, doutrinas e religiões que foram influenciadas pelo Tao. Talvez não directamente. Um facto é que a Oriente já haviam filosofia e Teologias celestes (teorias da iluminação) e só muito depois é que surgiram Platões e outros quejandos. É possível e facílimo traçar um rumo a partir de Lao Tse (o Tao), que vai desde Anaximandro (o apéiron), Tales de Mileto (a água) Dionísio Aeropagita (Teologia negativa), S. Tomás de Aquino (Tetragramaton), Nicolau de Cusa, Bento Espinosa (Deus sive natura) até ao imanentismo de Gilles Deleuze (Diferença e Repetição), entre muitos outros. Nem mesmo o Platão ou o Sócrates inventaram nada de novo. Apenas aproveitaram o que veio de outras terras. Que se matem todos por Kant. Na realidade, Kant já nem faz parte das discussões sobre filosofia da ciência sequer e se quiserem saber o que diz o Tao, está lá o "caminho" (o Tao) e o fenómeno, muito antes de Konisberga ter surgido do pozinho das estrelas.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Dança triunfal

Johann J. Fux: K 331 / Turcaria. Dança triunfal dos pacifistas em todas as cidades da Europa. Vamos lá??
Bom dia , amig@s! Have a nice day, friends! Bonne journée, amis! Schönen Tag noch! Que pase un buen día! يوم سعيد! Buona giornata! שיהיה לְךַ יום נעים! Bra Dag! Καλημέρα! Dzień Dobry!


sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Relatório da semana: Shutting the spigot on private water: the case for the World Bank to divest

Shutting the spigot on private water corporate accountability international
"Shutting the Spigot on Private Water" is a landmark report that documents how the World Bank is driving global water privatization at a chilling human cost. With original financial analysis and powerful   case studies, it demonstrates how the World Bank must divest from private water projects to align its actions with its stated mission of alleviating poverty and supporting sustainable development.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

800 Scientists Demand Global GMO “Experiment” - signers grow every year


Did you hear about the 800 esteemed scientists who came together and demanded the production of genetically modified crops and products be stopped? Scientists who called on world powers to re-evaluate the future of agriculture and seek sustainability rather than corporate profits? Don’t be surprised if you haven’t, as the mainstream media won’t touch this one.


Eight-hundred scientists did make such a demand. They made it first over a decade ago and they have updated it over the years, adding signatures and release dates. Still global powers have all but ignored their calls.
The Institute of Science in Society is a non-profit group of scientists from around the world, dedicated to bringing an end to what they refer to as the “dangerous GMO “experiment. In their open letter to the world, they have highlighted why governments need to stop genetically modified crops now – before there are irreversible effects on the health of the people and the health of the earth at large.
The Open Letter from World Scientists to All Governments calls for “the immediate suspension of all environmental releases of GM crops and products, both commercially and in open field trials, for at least 5 years.”
They also want patents on organisms, cell lines, and living things revoked and banned. Such patents (a sort of corporate version of “playing God,”) “threaten food security, sanction biopiracy of indigenous knowledge and genetic resources, violate basic human rights and dignity, compromise healthcare, impede medical and scientific research and are against the welfare of animals.”This would be bad news for Monsanto following the recent Supreme Court decision that they have the ‘right’ to patent life.
Scientists Speaking Out
In the beginning, after its first draft in 1999, the letter had just over 300 signatures. Since then, it’s grown significantly. At the writing of this article, the document has 828 signatures representing 84 different countries.While we are told by Monsanto and the FDA that GMOs are nothing to worry about and instead safe tools for the future of agriculture, a growing number of esteemed scientists seem to disagree. So, who’s listening?
The letter has been presented to numerous governments and organizations, including the U.N. Commission on Sustainable Development, the U.N. Convention on Biological Diversity, the World Trade Organization, and yes, even the U.S. Congress. The letter has been shared at these venues, but it doesn’t seem like anyone was listening.
The populous has to dig for information like this. We have to seek out the news sources willing to cover it, because we won’t hear about this letter on the nightly news or through a governmental agency. No, the U.S. government wants you to fear what they want you to fear (“terror” and crime, for instance), but they certainly don’t want you to fear the information and the food they are putting on your table. Or the GMOs they are funding with your taxpayer dime.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Curta-metragem- Capital de Portugal, Lisboa, tem vida selvagem!


Um recorte turismo ecológico invulgar e surpreendente da nossa capital, com vida selvagem! (obrigado Rosa Silvestre)
Uma curta metragem documental sobre a biodiversidade da cidade de Lisboa e o trabalho que o LxCras tem vindo a desenvolver enquanto centro de recuperação de animais selvagens.

A short documentary about Lisbon's biodiversity and the work that LxCRAS has been developing as a wildlife recovery center.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Quanto ganharam os bancos com os swaps?

Os swaps têm-se revelado um óptimo negócio para os bancos. São mesmo as únicas instituições que têm lucrado com o descalabro das empresas públicas, com a falta de regulação e com a incompetência dos gestores públicos e dos sucessivos Governos. Frederico Pinheiro, 14 de Setembro


Neste momento, já é possível apurar os lucros conseguidos por alguns bancos com esta artimanha financeira. Sem gastarem um cêntimo, os grandes bancos internacionais lucram, em média, 15 milhões de euros por cada swap vendido a uma empresa pública portuguesa. Investimento mais rentável do que este não existe: não gastam nada e em troca recebem 15 milhões de euros, com a garantia de que o Governo não irá levar os casos a tribunal. Sem custos, sem risco, sem problemas.
No entanto, os lucros não se ficarão por aqui. Há muitos contratos swap ainda por negociar – ver neste dossier o artigo “Os swaps desaparecidos” – e o Santander ainda não aceitou a recompensa oferecida pelo Governo para fechar os seus contratos.

Ler mais no Dossier

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

DIY, shipping container home

Some clever people are using old shipping containers to build their houses and saving tons of money. Here are a few of the radical thinkers


Vejam vários exemplos e videos de casas baratas e simpáticas e sustentáveis (custos finais cerca de 40.000 Euros)

domingo, 24 de novembro de 2013

Encontros Improváveis: António Gedeão e Sleep Party People- The City Light Died

"É necessário amar, qualquer coisa, ou alguém; amar por claridade, sem dever a cumprir; uma oportunidade para olhar e sorrir."~ António Gedeão


Sleep Party People- The City Light Died

Tenho feito alguns contactos com a terceira idade e acredito que é fundamental CRIAR e PROPICIAR espaços e  mais projectos como a dos AVÓS SOCIAIS que possam proporcionar a transmissão de estórias, fábulas e afectos aos mais novos.



A linha "biológica" é muito forte e por "ignorância" os séniores isolam-se e a sociedade tende a subjugar o primado biológico em vez de procurar a abertura e mais disponibilidade de fazer os idosos ainda muito importantes...sena deixamos morrer em nós a INFÂNCIA...

sábado, 23 de novembro de 2013

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Infográfico- Apenas 0,1001 % da população mundial possui os 58% da riqueza mundial

Durante el año que agoniza este mes, el TransNational Institute (TNI) ha elaborado y difundido cuatro infografías que resumen el aberrante poder económico que posee la llamadaclase Davos , la élite que se reúne cada año durante la última semana de enero en esa estación de esquí suiza para coordinar los criterios económicos y financieros que imponen las grandes fortunas y corporaciones. De las cuatro infografías del TNI, difundidas bajo el epígrafe ” Estado del poder corporativo 2012 “, hay una singularmente didáctica: “ El 0, 001% mundial ” (reproducida al pie del post ), si a ese porcentaje de los inmensamente ricos sumamos el 0, 1% de los ricos, resulta que el 0, 1001 de la población mundial posee el 58, 1% del PIB global. Esa ínfima minoría de humanos es la que impone las reglas del juego económico y la que controla el sistema financiero . 

Los trabajos que integran la serie del TNI son: “ Planeta Tierra: Un mundo corporativo “, “ El 0, 001% mundial “, “ Los hombres más ricos del mundo “, “ Arquitectos neoliberales “. En mi opinión, conviene conocer el contenido de esas cuatro infografías para empezar a despedir el 2012 como se merece y, de paso, preparar el cuerpo ante la que se avecina en el 2013, pues la élite que protagoniza las cuatro infografías del TNI es la que decide lo fundamental, también en la denominada crisis de la deuda, incluidas las de la banca y del Reino de España; pues la Troika (Comisión Europea, BCE y FMI) sólo es el farmacéutico que aplica la posología que han establecido los médicos de Davos . ¿Y los gobiernos? La mayoría, empezando por los de la UE, son estudiantes de Medicina más o menos aplicados.


quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Répteis e anfíbios, os mal amados do reino animal

Os anfíbios e os répteis são animais maravilhosos e com comportamentos muito interessantes. No entanto, o Homem aprendeu a odiá-los de tal forma que os persegue, chegando até a matar.

 
Fig.1 [© Armando Caldas, todos os direitos reservados] – Víbora-cornuda (Vipera latastei).

Os anfíbios e os répteis foram os primeiros animais a colonizar o meio terrestre e deles descendem todos os outros grupos de tetrápodes. Os anfíbios foram os primeiros a surgir, derivando de um grupo de peixes do Devónico Médio (há cerca de 400 milhões de anos). No fim do Carbonífero, há 300 milhões de anos, apareceram os répteis originados a partir dos anfíbios.
Estes animais já há muito que são associados a mitos e crenças religiosas que têm, na maior parte dos casos, destruído a sua reputação. As serpentes, por exemplo, em algumas religiões eram considerados animais sagrados (simbolizavam a sabedoria e a saúde), mas noutras representam o demónio, como no caso do Cristianismo e do Judaísmo.
Não há dúvida que estas crenças moldaram ao longo do tempo a opinião pública, mesmo em pessoas não religiosas. Incrivelmente, em pleno século XXI, ainda se testemunham atitudes que remontam a Idade Média, altura em que o conhecimento que separa a realidade do fictício era praticamente inexistente.

 
Fig.2 [© Daniel Santos, todos os direitos reservados] – Salamandra- de-fogo (Salamandra salamandra).

É um facto que o Homem apresenta uma aversão ancestral pelos répteis e anfíbios, que o leva muitas vezes, a perseguir e matar. As serpentes são os animais mais afectados, bem como todas as espécies com aparência semelhante, como os licranços e cobras-de-pernas. É importante referir que estes últimos são lagartos e não serpentes e ao contrário do que muita gente pensa não são animais venenosos. Em locais, como nas serras do Gerês e Montemuro, é comum capturarem-se víboras para a produção de medicamentos tradicionais e amuletos. Outro dos preconceitos acerca das serpentes é que bebem o leite das mães, sejam humanas, ovelhas ou cabras.
Ainda há quem acredite que os sardões (Lacerta lepida) sobem pelas pernas das mulheres quando estão menstruadas e que as osgas cospem nos olhos das pessoas, mas escusado será dizer que nada disto corresponde à realidade.
Segundo a mitologia grega as salamandras-de-fogo (Salamandra salamandra) são resistentes às chamas e que nascem a partir destas (daí o seu nome), esta crença ainda é mantida na actualidade. A observação da saída de salamandras de fogueiras criou tal ideia, mas na realidade o que acontece é que estes animais muitas vezes abrigam-se ou hibernam no meio da lenha e escapam quando a temperatura começa a aumentar. Outros animais são usados em bruxaria, como é o caso dos sapos em que as suas bocas são costuradas (pode ler um feitiço utilizando sapos aqui).

 
Fig.3 [© Daniel Santos, todos os direitos reservados] – Sapo-comum (Bufo bufo).

Muitas vezes os anfíbios e os répteis são mortos, não só devido à ignorância das pessoas, mas também ao medo. As serpentes nunca são agressivas só porque sim, apenas atacam se forem apertadas, ou se sentirem ameaçadas; a fuga é sempre a primeira opção, nunca atacam porque apenas querem fazer-nos mal! (penso que o contrario é mais plausível).
Todos estes preconceitos e ideias erradas constituem uma ameaça importante para as populações de répteis e anfíbios e esquecemo-nos que a maior parte destas espécies são importantes no controlo de roedores, insectos e outros animais que podem ser nefastos para as culturas agrícolas e/ou para a saúde pública. Por isso, é o nosso dever desmistificar estes animais e apelar pela sua conservação.

Bibliografia
Luís Bravo
Zoo centro pedagogico
Alma mistica
Almeida. N. e outros (2001). Anfíbios e Répteis de Portugal. Fapas

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Titan Arum- A maior flor do mundo

A maior flor do mundo, conhecida como flor-cadáver, começou a florescer no Jardim Botânico Nacional da Bélgica, um facto que raramente ocorre e de forma inesperada pela terceira vez em cinco anos, nos arredores de Bruxelas. 
A Titan Arum cujo nome científico é Amorphophallus tintanum, que significa "pénis gigante deformado", a flor começou a abrir suas pétalas no domingo numa das estufas do Jardim de Meise, fora da capital belga. A flor espectacular,cuja floração geralmente ocorre três ou quatro vezes mais de 40 anos, também conhecido como titan arum ou bunga bangkai, tem um cheiro de carne podre que parece atrair insectos polinizadores, entre os quais os escaravelhos, que garantem a su reprodução. As suas folhas já medem 244 centímetros e poderia continuar a crescer até 5 metros. A Titan Arum vem das florestas tropicais de Sumatra, na Indonésia, onde ela está em perigo por causa da desflorestação.