terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Cartoon- As mulheres e o mundo



Desafio-te a contribuíres para alterar a condição das raparigas e das mulheres em Portugal e no Mundo. Sabias que:
- as mulheres e as raparigas correspondem a 3/5 dos 1.2 mil milhões de população pobre do mundo;
- as mulheres são 2/3 dos 960 milhões de adultos do mundo que não sabem ler;
- as raparigas representam 70% das 130 milhões de crianças que não vão à escola;
- as mulheres constituem a maioria da mão-de-obra agrícola a nível mundial;
- 60% das mulheres do planeta efectuam trabalho não remunerado ou mal pago na economia informal, o que as torna vulneráveis em termos financeiros e jurídicos.


Consulta ainda o Dossiê Ecofeminismo Actualizado

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Nuclear power plant accidents: listed and ranked since 1952

Satellite image of Fukushima Daiichi nuclear plant View larger picture
Nuclear power plant accidents: Number three reactor of the Fukushima nuclear plant is seen burning after a blast following an earthquake and tsunami Photograph: Ho/DigitalGlobe
How often do nuclear power plants go wrong? How many accidents and incidents are there?
The explosions and nuclear fuel rods melting at Japan's Fukushima nuclear power plant, following the Sendai earthquake and tsunami last week, have caused fears of what will happen next. Today Japan's nuclear safety agency has raised the nuclear alert level for Japan from four to five - making it two levels lower than the Chernobyl disaster in 1986.
So far, the Japanese authorities have maintained that there is "no cause to fear a major nuclear accident".
We have identified 33 serious incidents and accidents at nuclear power stations since the first recorded one in 1952 at Chalk River in Ontario, Canada.
The information is partially from the International Atomic Energy Authority - which, astonishingly, fails to keep a complete historical database - and partially from reports. Of those we have identified, six happened in the US and five in Japan. The UK and Russia have had three apiece.
Using Google Fusion tables, we've put these on a map, so you can see how they're spread around the globe:
Get the fullscreen version
But how serious are they? The International Atomic Energy Authority ranks them using a special International Nuclear Events Scale (INES) - ranging from 'anomaly' to 'major accident', numbered from 1 to 7.
The events at Fukushima are level 5, so far and there has only been one 7 in history: Chernobyl in 1986. You can see the full ranking system below and on the attached spreadsheet
What can you do with the data?

Data summary

Nuclear power station accidents and incidents

Click heading to sort table. Download this data
Year
Incident
INES level
Country
IAEA description
2011 Fukushima 5 Japan Reactor shutdown after the 2011 Sendai earthquake and tsunami; failure of emergency cooling caused an explosion
2011 Onagawa   Japan Reactor shutdown after the 2011 Sendai earthquake and tsunami caused a fire
2006 Fleurus 4 Belgium Severe health effects for a worker at a commercial irradiation facility as a result of high doses of radiation
2006 Forsmark 2 Sweden Degraded safety functions for common cause failure in the emergency power supply system at nuclear power plant
2006 Erwin   US Thirty-five litres of a highly enriched uranium solution leaked during transfer
2005 Sellafield 3 UK Release of large quantity of radioactive material, contained within the installation
2005 Atucha 2 Argentina Overexposure of a worker at a power reactor exceeding the annual limit
2005 Braidwood   US Nuclear material leak
2003 Paks 3 Hungary Partially spent fuel rods undergoing cleaning in a tank of heavy water ruptured and spilled fuel pellets
1999 Tokaimura 4 Japan Fatal overexposures of workers following a criticality event at a nuclear facility
1999 Yanangio 3 Peru Incident with radiography source resulting in severe radiation burns
1999 Ikitelli 3 Turkey Loss of a highly radioactive Co-60 source
1999 Ishikawa 2 Japan Control rod malfunction
1993 Tomsk 4 Russia Pressure buildup led to an explosive mechanical failure
1993 Cadarache 2 France Spread of contamination to an area not expected by design
1989 Vandellos 3 Spain Near accident caused by fire resulting in loss of safety systems at the nuclear power station
1989 Greifswald   Germany Excessive heating which damaged ten fuel rods
1986 Chernobyl 7 Ukraine (USSR) Widespread health and environmental effects. External release of a significant fraction of reactor core inventory
1986 Hamm-Uentrop   Germany Spherical fuel pebble became lodged in the pipe used to deliver fuel elements to the reactor
1981 Tsuraga 2 Japan More than 100 workers were exposed to doses of up to 155 millirem per day radiation
1980 Saint Laurent des Eaux 4 France Melting of one channel of fuel in the reactor with no release outside the site
1979 Three Mile Island 5 US Severe damage to the reactor core
1977 Jaslovské Bohunice 4 Czechoslovakia Damaged fuel integrity, extensive corrosion damage of fuel cladding and release of radioactivity
1969 Lucens   Switzerland Total loss of coolant led to a power excursion and explosion of experimental reactor
1967 Chapelcross   UK Graphite debris partially blocked a fuel channel causing a fuel element to melt and catch fire
1966 Monroe   US Sodium cooling system malfunction
1964 Charlestown   US Error by a worker at a United Nuclear Corporation fuel facility led to an accidental criticality
1959 Santa Susana Field Laboratory   US Partial core meltdown
1958 Chalk River   Canada Due to inadequate cooling a damaged uranium fuel rod caught fire and was torn in two
1958 Vinča   Yugoslavia During a subcritical counting experiment a power buildup went undetected - six scientists received high doses
1957 Kyshtym 6 Russia Significant release of radioactive material to the environment from explosion of a high activity waste tank.
1957 Windscale Pile 5 UK Release of radioactive material to the environment following a fire in a reactor core
1952 Chalk River 5 Canada A reactor shutoff rod failure, combined with several operator errors, led to a major power excursion of more than double the reactor's rated output at AECL's NRX reactor


International Nuclear Events Scale (INES)

Click heading to sort table. Download this data
Level
Definition
People and environment
Radiological barriers & control
Defence in depth
Example
7 Major accident Major release of radio active material with widespread health and environmental effects requiring implementation of planned and extended countermeasures    Chernobyl, Ukraine, 1986
6 Serious accident Significant release of radioactive material likely to require implementation of planned countermeasures.    Kyshtym, Russia, 1957
5 Accident with wider consequences Limited release of radioactive material likely to require implementation of • Severe damage to reactor core.   Windscale, UK, 1957; Three Mile Island, 1979
   some planned countermeasures • Several deaths from radiation • Release of large quantities of radioactive material within an installation   
    with a high probability of   
    significant public exposure. This   
    could arise from a major criticality accident or fire   
4 Accident with local consequences • Minor release of radioactive material unlikely to result in implementation of planned countermeasures other than • Fuel melt or damage to fuel resulting in more than 0.1% release of core inventory.   FUKUSHIMA 1, 2011
   local food controls. • Release of significant quantities of radioactive   
   • At least one death from radiation. material within an installation with a high probability of significant   
    public exposure.   
3 Serious incident • Exposure in excess of ten times the statutory annual limit for workers. • Exposure rates of more than 1 Sv/h in an operating area. • Near accident at a nuclear power plant Sellafield, UK, 2005
   • Non-lethal deterministic health effect (e.g., burns) from radiation. • Severe contamination in an area not expected by design, with a with no safety provisions remaining.  
    low probability • Lost or stolen highly radioactive sealed source.  
    of significant public exposure. • Misdelivered highly radioactive sealed source without adequate procedures in place to handle it.  
2 Incident • Exposure of a member of the public • Radiation levels in an operating area • Significant failures in safety provisions Atucha, Argentina, 2005
   in excess of 10 mSv. of more than 50 mSv/h. but with no actual consequences.  
   • Exposure of a worker in excess of the • Significant contamination within the • Found highly radioactive sealed  
   statutory annual limits facility into an area not expected by orphan source, device or transport  
    design package with safety provisions intact.  
     • Inadequate packaging of a highly  
     radioactive sealed source.  
1 Anomaly    • Overexposure of a member of the  
     public in excess of statutory annual  
     limits.  
     • Minor problems with safety  
     components with significant  
     defence-in-depth remaining.  
     • Low activity lost or stolen radioactive  
     source, device or transport package  


Download the data


DATA: download the full spreadsheet

More data

Data journalism and data visualisations from the Guardian

World government data

Search the world's government data with our gateway

Development and aid data

Search the world's global development data with our gateway

Questão/Reflexão do dia: O que é científico? - Rubem Alves

(texto em Português-Brasileiro)
Era uma vez um jovem que amava xadrez. Sua vocação era o xadrez. Jogar xadrez lhe dava grande prazer. Queria passar a vida jogando xadrez. Nada mais lhe interessava. Só lia livros de xadrez. Estudava as partidas dos grandes mestres. Só conversava sobre xadrez. Quando era apresentado a uma pessoa sua primeira pergunta era: Você joga xadrez? Se a pessoa dizia que não ele imediatamente se despedia. Tornou-se um grande mestre. Mas o seu sonho era ser campeão.
Derrotar o computador. Até mesmo quando andava jogava xadrez. Por vezes, aos pulos para frente. Outras vezes, passinhos na diagonal. De vez em quando, dois pulos para frente e um para o lado. As pessoas normais fugiam dele porque ele era um chato. Só falava sobre xadrez. Nada sabia sobre as coisas do mundo como pombas, beijos e sambas. Não conseguia ter namoradas porque seu único assunto era xadrez. Suas cartas de amor só falavam de bispos, torres e roques. Na verdade ele não queria namoradas.
Queria adversárias. Essas coisas como jogo de damas, jogos de baralho, jogo de peteca, jogo de namoro eram inexistentes no seu mundo. Inclusive, entrou para uma ordem religiosa. Eu viajei ao lado dele, de avião, de São Paulo para Belo Horizonte. Cabeça raspada.
Durante toda a viagem rezou o terço. Não prestei atenção mas suspeito que as contas do seu terço eram peões, cavalos e bispos. Sua metafísica era quadriculada. Deus é o rei. A rainha é nossa senhora. O adversário são as hostes do inferno.
As pessoas normais brincam com muitos jogos de linguagem: jogos de amor, jogos de poder, jogos de saber, jogos de prazer. jogos de fazer, jogos de brincar. Porque a vida não é uma coisa só. A vida é uma multidão de jogos acontecendo ao mesmo tempo, uns colidindo com os outros, das colisões surgindo faiscas. Uma cabeça ligada com a vida é um festival de jogos. E é isso que faz a inteligência. Mas o nosso heroi, coitado, era cabeça de um jogo só. Jogava o tal jogo de maneira fantástica. Especializou-se. Sabia tudo sobre o assunto. E, de fato, sabia tudo sobre o mundo do xadrez. Mas o preço que pagou é que perdeu tudo sobre o mundo da vida. Virou um computador ambulante, computador de um disquete só. Disquetes são linguagens. O corpo humano, muito mais inteligente que os computadores, é capaz de usar muitos disquetes ao mesmo tempo. Ele passa de um programa para outro sem pedir licença e sem pensar. Simplesmente pula, alta.
Inteligência é isso: a capacidade de pular de um programa para outro, de dançar muitas danças ao mesmo tempo. O humor se nutre desses pulos. O riso aparece no momento preciso em que a piada faz a inteligência pular de uma lógica para uma outra. Há a piada dos dois velhinhos que foram ao gerontologista que, depois de examiná-los, prescreveu uma dieta de comidas e remédios a ser seguida por duas semanas. Passadas as duas semanas, voltaram. O resultado deixou o médico estupefato. A velhinha estava linda: sorridente, saltitante, toda maquiada. O velhinho, um caco, trêmulo, pernas bambas, dentadura frouxa, apoiado na mulher. Como explicar isso, que uma mesma receita tivesse produzido resultados tão diferentes? Depois de muito investigar o médico atinou com o acontecido. "- Mas eu mandei o senhor comer avêia três vezes por dia e o senhor comeu avéia três vezes por dia?" O riso aparece no jogo de ambiguidade entre avêia e avéia. O nosso heroi nunca ria de piadas porque ele só conhecia a lógica do xadrez, e o riso não está previsto no xadrez. A inteligência do nosso heroi não sabia pular. Ela só marchava. Faz muitos anos, um filósofo chamado Herbert Marcuse escreveu um livro ao qual deu o título de O homem unidimensional . O homem unidimensional é o homem que se especializou numa única linguagem e vê o mundo somente através dela. Para ele o mundo é só aquilo que as redes da sua linguagem pegam. O resto é irreal.

A ciência é um jogo. Um jogo com suas regras precisas. Como o xadrez. No jogo do xadrez não se admite o uso das regras do jogo de damas. Nem do xadrez chinês. Ou truco. Uma vez escolhido um jogo e suas regras, todos os demais são excluidos. As regras do jogo da ciência definem uma linguagem. Elas definem, primeiro, as entidades que existem dentro dele. As entidades do jogo de xadrez são um tabuleiro quadriculado e as peças. As entidades que existem dentro do jogo lingüístico da ciência são, segundo Carnap, "coisas-físicas", isso é, entidades que podem ser ditas por meio de números. Esses são os objetos do léxico da ciência. Mas a linguagem define também uma sintaxe, isso é, a forma como as suas entidades se movem. Os movimentos das peças do xadrez são definidos com rigor. E assim também são definidos os movimentos das coisas físicas do jogo da ciência.
Kuhn, no seu livro Estrutura das Revoluções Científicas, diz que os cientistas fazem ciência pelos mesmos motivos que os jogadores de xadrez jogam xadrez: querem todos provar-se "grandes mestres".
Para se atingir o nível de "grande mestre" no xadrez ou na ciência é necessária uma dedicação total. Conselho ao cientista que pretende ser "grande mestre": lembre-se de que, enquanto você gasta tempo com literatura, poesia, namoro, em conversas no bar DALI, há sempre um japonês trabalhando no laboratório noite adentro . É possível que ele esteja pesquisando o mesmo problema que você. Se ele publicar os resultados da pesquisa antes de você, ele, e não você, será o "grande mestre."
O pretendente ao título de "grande mestre" deve se dedicar de corpo e alma ao jogo da ciência. O cientista que assim procede ficará com conhecimentos cada vez mais refinados na sua área de especialização: ele conhecerá cada vez mais de cada vez menos. Mas, à medida que o seu "software" de linguagem científica se expande, os outros "softwares" vão se atrofiando. Por inatividade. O cientista se transforma num "homem uni-dimensional": vista apurada para explorar a sua caverna, denominada "área de especialização", mas cego em relação a tudo o que não seja aquilo previsto pelo jogo da ciência. Sua linguagem é extremamente eficaz para capturar objetos físicos. Totalmente incapaz de capturar relações afetivas. Se não houvesse homens no mundo, se o mundo fosse constituído apenas de objetos, então a linguagem da ciência seria completa. Acontece que os seres humanos amam, riem, têm medo, esperanças, sentem a beleza, apaixonam-se por ideais. Meteoros são objetos físicos. Podem ser ditos com a linguagem da ciência. A ciência os estuda e examina a possibilidade de que, eventualmente, um deles venha a colidir com a terra.
Dizem, inclusive, que foi um evento assim que pôs fim aos dinossauros. A paixão dos homens pelos ideais não é um objeto físico. Não pode ser dita com a linguagem da ciência. No entanto, ela é um não-objeto que têm poder para se apossar dos homens que, por causa dela se tornam heróis ou vilões, fazem guerra e fazem paz. Mas um projeto de pesquisa sobre a paixão dos homens pelos idéias não é admissível na linguagem da ciência. Não não seria aceito para ser publicado numa revista científica indexada internacional. Não é científico.
A ciência é muito boa - dentro dos seus precisos limites. Quando transformada na única linguagem para se conhecer o mundo, entretanto, ela pode produzir dogmatismo, cegueira e, eventualmente, emburrecimento.

Foto do Dia- Pássaro equilibra-se para enganar um lanche



Onde encontrar trabalhos de Edwin Kats
Edwin Kats (sítio)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Entrevista da semana com Noam Chomsky (1996)




The Noam Chomsky website

Avram Noam Chomsky (Filadélfia, 7 de dezembro de 1928) é um linguista, filósofo e activista político.
Seu nome está associado à criação da gramática ge(ne)rativa transformacional, abordagem que revolucionou os estudos no domínio da linguística teórica. É também o autor de trabalhos fundamentais sobre as propriedades matemáticas das linguagens formais, sendo o seu nome associado à chamada Hierarquia de Chomsky.
Seus trabalhos, combinando uma abordagem matemática dos fenómenos da linguagem com uma crítica do behaviorismo,nos quais a linguagem é conceptualizada como uma propriedade inata do cérebro/mente humanos, contribuem decisivamente para a formação da psicologia cognitiva, no domínio das ciências humanas.
Além da sua investigação e ensino no âmbito da linguística, Chomsky é também conhecido pelas suas posições políticas de esquerda e pela sua crítica da política externa dos Estados Unidos. Chomsky descreve-se como um socialista libertário, havendo quem o associe ao anarcossindicalismo. [fonte wikipedia]

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Demo.crática


O Demo.cratica é um projecto independente, livre e autónomo dedicado a oferecer uma nova visão sobre o Parlamento Português.


Tente pesquisar sobre qualquer assunto: geração à rasca, direitos da mulher, violência doméstica,ambiente, pesca, mobilidade, etc e ficará encantado com a rapidez, o elevado grau de precisão, longe da chata, obscura e cheia de mensagens erro da página do Parlamento.




Consultar ainda o Dossier Política do BioTerra

domingo, 22 de janeiro de 2012

Matemática, Música, Biologia, Programação e Design de Jogos



Complete video at: http://fora.tv/2006/06/26/Will_Wright_and_Brian_Eno
Um excelente momento de puro prazer com dois grandes protagonistas da informática aplicada Brian Eno e Will Wright: um à música/comunicação/artivismo e outro ao jogo/estratégia/lúdico, com arte e mestria.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Tori Amos, PJ Harvey, Björk & Massive Attack Mashup



P J HARVEY - Down By The Water
TORI AMOS - Silent All These Years
BJORK - Cover Me
MASSIVE ATTACK - Dissolved Girl

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Um mundo sem anfíbios - e já agora , sem morcegos


Sapos e rãs de hoje estão mais do que nunca ameaçadas de extinção. O Aquário de Vancouver uniu forças com jardins zoológicos e aquários de todo o mundo para tentar travar o processo de quase extinção de centenas de espécies em risco, sempre num esforço global chamado Amphibian Ark (AArk)

Um morcego se aproxima de um ramo de agave em Sonoita, Arizona. Foto por John Hoffman, National Wildlife Photo Contest.

Se tens 1 razão para não gostares de Morcegos
Nós temos 10 para que passes a gostar: 

1.Os morcegos são grandes controladores de insetos. Algumas espécies ingerem 200 ou mais insetos em apenas alguns minutos de vôo.

2
.Os morcegos são responsáveis pela formação de florestas. Ao ingerir um fruto deixa cair as sementes em local distante do original, onde poderá nascer nova árvore. Mais de 500 pequenas sementes podem ser transportadas por um único morcego a cada noite.


3.Os morcegos ajudam na reprodução de mais de 500 espécies de plantas, visitando as flores como fazem de dia os beija-flores, transportando o pólen de flor em flor.

4. Há morcegos que se alimentam de pequenos animais, incluindo roedores, que tantos prejuízos causam à agricultura.

5. As fezes dos morcegos constituem excelente adubo natural. Contém azoto, potássio e fosfato que ajuda no crescimento das plantas. Foram intensamente exploradas até para o desenvolvimento de adubos industriais.
6. Têm sido estudados para aperfeiçoamento do sonar.
7. A saliva do vampiro tem forte acção anticoagulante. A sua pesquisa poderá ter aplicações no tratamento de várias doenças vasculares.
8. São importantes elos na cadeia alimentar.

9. O seu desaparecimento poderá resultar em desequilíbrio ambiental, causando maiores danos do que os causados pela sua proximidade com o Homem.



10. Eles são um grupo de mamíferos extremamente diversificado.
Os morcegos são o segundo maior grupo de mamíferos no mundo e são compostos por mais de 1.200 espécies. Entre essas espécies existem os morcegos que se alimentam de frutos, insetos, néctar, carne e sangue (apenas três espécies se alimentam desta forma). A envergadura dos morcegos pode variar de 6 centímetros de comprimento (morcego-abelha) para (várias espécies de morcegos conhecidas como raposas voadoras) 2 metros de comprimento! Há morcegos em todos os continentes com exceção da Antártica, que vivem em cavernas, árvores ocas, sob casca de árvore solta, em ramos de árvores e estruturas feitas pelo homem, como pontes, poços, minas e construções! Algumas espécies de morcegos vivem sozinhas, enquanto outras vivem em colônias de algumas dezenas, centenas, milhares ou mesmo milhões! E a variedade de aparências físicas é impressionante, com espécies que tem uma variedade de características faciais, padrões de pele, cor e comprimento de cauda e orelha.

Texto original: 10 reasons you should love bats / National Wildlife Federation, por Ela-Sita

Dossiês (do Bioterra) Biologia, Biodiversidade, Bioinformática e Eco-Activismo foram deste modo actualizados.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Ubuntu, uma “alternativa ecopolítica” à globalização econômica neoliberal


A ética do ubuntu se pronuncia contra uma interpretação ideológica capitalista da realidade. Sua filosofia nativa espiritual está em maior consonância com a Terra, suas criaturas e suas formas vivas, afirma a educadora sul-africana Dalene Swanson
Por: Por Moisés Sbardelotto | Tradução Luís Marcos Sander

Reconhecido como “um sistema de crenças, uma epistemologia, uma ética coletiva e uma filosofia humanista espiritual do sul da África”, o ubuntu é, em suma, “uma forma ética de conhecer e de ser em comunidade”. Essa é a opinião da doutora em Educação nascida na África do Sul e hoje residente no Canadá, Dalene Swanson.

Professora adjunta da University of British Columbia, em Vancouver, e de Alberta, em Edmonton, ambas no Canadá, Dalene encontra no ubuntu uma das formas de “humanismo africano”. Mas, diferentemente da filosofia ocidental derivada do racionalismo iluminista, “o ubuntu não coloca o indivíduo no centro de uma concepção de ser humano”: “A pessoa só é humana – explica – por meio de sua pertença a um coletivo humano; a humanidade de uma pessoa é definida por meio de sua humanidade para com os outros”.

O ubuntu, afirma Dalene, “é uma expressão viva de uma alternativa ecopolítica” e também “a antítese do materialismo capitalista”. Mas hoje, diz, a industrialização, a urbanização e a globalização crescentes ameaçam corromper esse modo de ser africano tradicional, pois o ubuntu se posiciona “contra essa interpretação ideológica da realidade por meio de uma filosofia nativa espiritual que está em maior consonância com a Terra, suas criaturas e suas formas vivas, e isso diz respeito a toda a humanidade em toda parte”.

Dalene Swanson é professora adjunta da Faculdade de Educação das University of British Columbia, em Vancouver, e de Alberta, em Edmonton, Canadá. Nascida na África do Sul, é membro associada do Centre for Culture, Identity and Education da University of British Columbia. É doutora em Educação pela University of British Columbia, com a pesquisa Voices in the Silence: Narratives of disadvantage, social context and school mathematics in post-apartheid South Africa. Sua tese lhe garantiu diversos prêmios de excelência, dentre eles o Canadian Association of Curriculum Studies Award de 2005; o prêmio Ted T. Aoki, do mesmo ano; e o American Educational Research Association Award de 2006. Dentre outras publicações, é autora do capítulo Where have all the fishes gone?: Living ubuntu as an ethics of research and pedagogical engagement, do livro In the Spirit of ubuntu: Stories of Teaching and Research [No espírito do ubuntu: Histórias de ensino e pesquisa] (Sense Publications, 2009).

Ubutu em Portugal: Escolas Livres

Confira a entrevista.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Foto do dia- Oymyakon

Créditos aqui

Qual a cidade mais fria do mundo?
É a pequena Oymyakon, na Sibéria, cujos habitantes já suportaram 71,2ºC negativos.

Oymyakon, na língua do povo iacuto, significa “água que não congela”. Tremenda ironia: o chão deste vilarejo siberiano de 900 habitantes permanece congelado até no Verão. O nome, na verdade, refere-se à fonte do Rio Kuidusun, cuja água sempre corrente garante que a vida neste lugar seja possível. Foi em 26 de Janeiro de 1926 que se registou a menor temperatura do planeta num lugar habitado, espantosos 71,2 ºC, abaixo de zero. Menos que isso, só na Antárctica, onde os termómetros chegaram a 89,2 ºC negativos numa estação russa.

E a pequena Oymyakon não está tão perto do Pólo Norte nem a grande altitude, como se poderia imaginar. Fica a 700 metros do nível do mar e a sua latitude de 63 graus, distante ainda 3 graus do Círculo Polar Árctico. Tamanho frio acontece porque o vale onde o povoado se situa está cercado de montanhas que não deixam as massas de ar quente entrar. Os moradores de Oymyakon nem sabem o que é viver acima do zero grau centígrado.

Obviamente, não há canalização por aqui. E as casas são todas de madeira. Felizmente há escola, hospital, discoteca e até ligação à Internet. Afinal, é preciso estar preparado: o Inverno, período em que a temperatura ronda os 40 ºC, dura nove meses. Isso é tão frio que o hálito transforma-se em pequenos cristais de gelo quando se abre a boca. As tetas das vacas também congelam e, para não ficar sem leite, os habitantes locais costumam protegê-las com abrigos de pele.

Nos piores dias de Inverno, o frio chega a 60 ºC em Oymyakon. O solo começa a rachar e o ar estala. As escolas fecham e ninguém sai de casa. Há relatos de passarinhos congelados em pleno voo, que se esmigalham como vidro quando caem ao chão. Diante disso, não é difícil entender por que essa gente considera 30 ºC negativos um clima “agradável”. Para sorte deles, os cientistas acreditam que os 71,2 ºC negativos registados há 80 anos jamais se repetirão, por conta do aquecimento global. Ou seja, nem na cidade mais fria do mundo se fazem Invernos como os de antigamente...
Fonte: Wikipédia / Xavier Bartaburu, Revista Terra, n.º 175, Novembro de 2006 p. 28.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Música Transmórfica


Uma nova linguagem musical da Amazônia para o mundo.
A Música Universal das Linguagens (baseada nas vocalizações dos animais - Sem plagiá-los) é um pequeno ramo da “Música Transmórfica". A Música Transmórfica, foi criada pelos compositores paraenses, Albery Albuquerque e Thiago Albuquerque que se manifesta sobre, através e além das formas percebidas e não percebidas pela consciência humana. Este novo e gigantesco sistema musical transmórfico, trabalha com a simultaneidade entre arte e ciência.
Quem estiver interessado em conhecer essa nova música, ou quiser ouvir alguma conferência, ou audições comentadas (que como já dissemos, tem uma de suas vertente que é essencialmente ecológica e ambientalista) entre em contato pelo nosso e-mail: guirapuru@gmail.com

Links que demonstram a música transmórfica ao nível ecológico e ambientalista:





Página de Albery Albuquerque

sábado, 14 de janeiro de 2012

U2 - All I Want Is You Live in Sydney [HD] Lovetown Tour




Há uma menina neste mundo que o torna mais belo para vivê-lo e hoje faz anos! Parabéns Teresa, meu bem!





sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Actualizei o meu Dossiê Artes e uWall


Consulta o dossiê Artes e Ideias e escolhe a música que preferires enquanto fazes as leituras, pesquisando-as no uWall 

uWall.tv é um serviço interessante que transforma um canal do YouTube numa muralha repleta de vídeos musicais. Ao clicar numa foto para ir ao replay instantâneo. 

uWall.tv, no entanto, também funciona como um motor de busca clássico onde pode encontrar artistas e músicas. Os vídeos são divididos em géneros e playlists. 

Podes aproveitar noutra oportunidade e também ouvir de acordo com o teu estado de espírito.
Ou então, limita-te a clicar num dos muitos cantores que aparecem na página de entrada!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Ao fim de 30 anos de agricultura orgânica a Rodale Institute tem bons motivos para os celebrar- saiba porquê?

Uma quinta enorme experimental nos EUA tem razões mais que suficientes para celebrar seus 30 anos de existência: comprova que métodos orgânicos de agricultura são igualmente produtivos, necessita menos de 45% de energia que a convencional, protege os solos, é mais rentável e reduz em 40% a emissão de gases efeito de estufa. Relatório completo aqui

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Google preparou um doodle especial para Nicolas Steno

Nicolas Steno é alvo de uma homenagem do Google, através de um doodle que assinala o 374.º ano desde o nascimento do cientista e investigador dinamarquês. O seu trabalho na análise das rochas sedimentares, assim como, o seu conteúdo em fósseis foi fundamental para o desenvolvimento da Geologia moderna. A ele se deve os três principios da Estratigrafia física: sobreposição, horizontalidade e continuidade lateral dos estratos. (fonte: Associação DPGA)

Nicolau Steno (aliás Niels Steensen ou Niels Stensen, dinamarquês, nascido em 11 de Janeiro de 1638) foi um sábio na sua época. Inicialmente dedicou-se ao estudo da anatomia, tendo descoberto a glândula parótida e focou o seu trabalho sobre o sistema muscular e na natureza da contracção muscular. Utilizou a geometria para mostrar que um músculo em contracção altera a sua forma mas não o seu volume.


A obra que o notabilizou De solido intra solidum naturaliter contento dissertationis prodromus (1669)
Porém foi com os seus estudos em Geologia que se tornou célebre. [biografias muito completas em português, espanhol e francês . As versões inglesa e holandesa também estão particularmente muito boas!]
O meu Dossiê de Geologia foi por isso actualizado!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Livro do Mês - Eco-Ar-Te para o reencantamento do mundo.

Esta obra, fruto do trabalho de 43 criadores, conta com um conjunto de significações distribuídas por seis poéticas: texto, imagem, paisagem, poesia, som e corpo. E, de fato, considerar a arte é combinar as imagens, objetos, ideias, sonoridades e sentimentos numa relação intrínseca ao domínio da imaginação e da criação. Este livro quer ressignificar nossos olhares, convidando para as trocas de lentes a fim de que a realidade seja percebida de uma maneira diferente. O título ´ECO-AR-TE´ foi escolhido por revelar três dimensões que conectaram os autores e, espera-se, tenham ressonâncias em outras pessoas: Ecologismo (eco) e Arte (ar) querendo se prolongar para além de nós mesmos (te). A eco-ar-te quer permitir que as pessoas percebam os fenômenos, as situações, os danos ambientais e as injustiças sociais, num jogo daqueles que não estão habituados a ter vitórias, mas jamais conseguiram perder as esperanças. O desejo é ir além da realidade cruel, resgatando o primitivo, os sonhos e as máscaras. Sem a pretensão de guiar-se pelas teorias, escolas ou tendências, a proposta desta obra é alçar voos livres celebrando a intuição da arte como significados da Educação Ambiental. Como Michael Lowy, almeja-se uma revolução eco-socialista que aposta na mágica ideia de reencantamento do mundo. Não se trata de uma reinvenção da luz, mas de um jeito diferente de percebê-la. Como diria Lautréamont, é um convite para lançarmos um novo olhar que perceba que a poética da Educação Ambiental deve ser feita por todos. A luta ecologista pode ser árdua, mas nada retira dela sua esperança em um mundo mais feliz.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O Atlas da Saúde Mental e a relação triangular entre ambiente saudável, saúde mental e loucura

Em 2011 foi publicado provavelmente o primeiro grande atlas mundial da saúde mental e podes encontrá-lo aqui.
Depois encontrei este artigo particularmente interessante, retirado daqui.

A relação triangular entre ambiente saudável, saúde mental e loucura
Por Betânia Torres Cientista social, Mestre em desenvolvimento e meio ambiente. Doutoranda em ciências sociais (UFRN). betaniatorres@gmail.com 

Fui convidada a um desafio: escrever sobre ecologia, saúde mental e loucura. Como falar de maneira clara sobre temas complexos e atuais? São temas que exigem uma reflexão teórica profunda. E garanto, quem vos escreve não se encontra com essa loucura toda para escrever um texto na profundidade que estas questões merecem e requerem. Ainda assim, o que me disponho é elencar algumas das minhas inquietações. O primeiro desafio seria falar sobre ecologia. É comum, ao se ouvir o termo ecologia, logo visualizar mentalmente aquelas pessoas que defendem a ecologia, a natureza, o meio ambiente, ou seja, os ecologistas.
Tudo isso é bem verdade. Mas é importante também que pensemos ecologia, como a “ciência da morada” e o meio ambiente a própria morada (KLOETZEL, 1998). E a natureza? Outra vez o senso comum! A natureza é conhecida como aquilo que não é artificial. Ou então, natural é o que a natureza fez. E artificial é o que o homem fez, mesmo com a ajuda ou com os recursos da natureza. (CARVALHO, 2003). Gonçalves (2006, p. 23) vai nos dizer que “toda sociedade, toda cultura cria, inventa, institui uma determinada idéia do que seja a natureza. Nesse sentido, o conceito de natureza não é natural, sendo na verdade criado e instituído pelos homens”. Então, quando falamos em natureza, não falamos apenas das coisas, ou dos bichos, das plantas, dos rios, das montanhas etc, mas também da maneira como vemos essas coisas, em particular integradas a um conceito que nós criamos: a totalidade a que chamamos natureza (CARVALHO, 2003).

E de que maneira se articulam ecologia e saúde mental e loucura? Aqui, vale recorrer a Isabel Cristina de Carvalho (2004), quando ela diz: “a palavra ecologia, além de designar uma área do conhecimento científico, foi associada aos movimentos e práticas sociais que ganharam as ruas e conquistaram muitos adeptos para o projeto de mudança da sociedade em uma direção “ecológica”. Tratava-se de uma reação, uma oposição mesmo à racionalidade e ao modo de vida da sociedade industrial, tecnocrática, padronizada, consumista. As suas raízes estão nos movimentos de contracultura, que emergiram nos anos 60, na Europa e nos Estados Unidos, cujo marco foi as manifestações estudantis de maio de 1968 na França. A crítica ecológica, então, situa-se entre as vozes contestatórias do estilo de vida contemporâneo denunciando sua face materialista, agressora ao meio ambiente e bélica. Como podemos ver, trata-se de uma grande loucura tudo isso. Basta assistirmos ao filme Hair, de Milos Forman, lançado em 1979, nos Estados Unidos, cujo enredo é uma crítica ao estilo de vida norte-americano, a Guerra do Vietnã, ao individualismo no sentido do primeiro eu, eu e eu; para observarmos as diversas formas de loucuras – a dos hippies, que pregavam Paz e Amor, viver em coletividade e em comunhão com a natureza; e, a da sociedade americana, de classe média, presa aos valores burgueses de família, propriedade e de consumo. Então, o modelo de sociedade baseado no tripé mercado, produção e consumo, passou a ser bastante questionado e criticado. Sobretudo, pelas suas mazelas para o meio ambiente, com a visibilidade da degradação ambiental e pelo reconhecimento de que os recursos naturais não são infinitos. O amadurecimento das discussões em torno da problemática ecológica, denominada crise ambiental evoluiu no sentido de se reconhecer que não era apenas a natureza que estava sendo depredada.

A degradação ambiental também afeta a sociedade, daí tratar-se, na verdade, de degradação socioambiental, pois natureza e sociedade estão entrelaçadas. A loucura da razão do capitalismo de produzir e criar necessidades de consumo visando lucro, por meio do uso intensivo dos recursos naturais e da concentração de riquezas, tem gerado boa vida para poucos e pobreza e miséria para milhares. De modo que a loucura se instala na ganância e na ausência do acesso aos recursos e oportunidades para a garantia de sobrevivência de milhares de famílias mundo a fora. Daí, que entendo a ecologia, no sentido de movimento ecologista, que atua no sentido da construção de ambientes saudáveis, que seria a possibilidade e o direito de todas as pessoas de viver e morar com dignidade, de respirar ar puro, beber água potável, passear em lugares com paisagens notáveis, apreciar monumentos naturais e culturais, de serem respeitadas nas suas diferenças, etc. Defender esses direitos é um dever de cidadania, e não uma questão de privilégio. Todavia, muitas vezes, a defesa desses direitos é concebida como uma loucura, uma insanidade, utopia. Então penso que a relação triangular ambiente saudável, saúde mental e loucura não é linear e nem uma conta exata. Contudo, é possível que em ambientes saudáveis haja saúde mental e a loucura possa ser compreendida, na dimensão em que ela, a loucura, propicia saltos à condição humana.

Como é possível ter saúde mental em meio ao mundo atual? Primeiro, o termo saúde mental também é dinâmico. Até pouco tempo saúde mental era o contrário de doença mental. Hoje, a saúde mental é definida como a capacidade humana de estar de bem consigo e com os outros, de aceitar as exigências da vida, saber lidar com as boas emoções e também com as desagradáveis: alegria/tristeza; coragem/medo; amor/ódio; serenidade/raiva; ciúmes; culpa; frustrações. Digo isso, porque me situo numa sociedade moderna ocidental, onde a ciência, a técnica e a informação são elementos chaves de poder e dominação, com a tendência a que outras formas de expressão do ser humano sejam preteridas pela sociedade. Ou seja, o que não estiver dentro dos padrões sociais, é considerado desvio, anomia, doença social, patologia. Logo, deve ser tratado como tal. O que faz muito mal para a criatividade, para a espontaneidade, para a liberdade, para a vida humana. Tudo isso é muito louco, porque em meio a uma série de normas, padronizações de condutas e comportamentos, exigências e competitividade, concorrências, corrupção, desonestidade etc, existe também o espaço para a cooperação, solidariedade, amizade, honestidade, etc. E não são espaços paralelos, bem definidos por si só. São espaços de mútua convivência. E logo me lembrei de Lya Luft, no seu livro “Múltipla Escolha”. Ela diz que a coerção social é muito poderosa, e o espírito de manada, o desejo de nos adequarmos ao grupo, à tribo não é ruim, mas quando é excessivo nos infantiliza e nos inibe no nosso crescimento enquanto indivíduos e sociedade. A imposição cultural é muito forte, vinda de modelos que, em geral, são impossíveis e, muitas vezes, desastrados. Aceitar as diferenças, essa dança dos desiguais que é a vida, o convívio, a família, o trabalho, etc, é um tipo de sabedoria que a gente devia buscar. Penso que a questão ecológica trouxe para a sociedade atual a capacidade de enxergar o outro na sua amplitude, esse outro é o humano e não humano. E nessa medida, possibilitar a conjunção ser humano-natureza, que havia sido cortada no Iluminismo, com o império do progresso e da razão. E finalizo soltando as asas, pois, enquanto escrevia, não sei por que me veio à memória a música Dancing Days, de Lulu Santos: “abra suas asas, solte suas feras, caia na gandaia, entre nessa festa. E leve com você, seu sonho mais louco, eu quero ver seu corpo lindo leve e solto. A gente às vezes sente, sofre, dança sem querer dançar...Na nossa festa vale tudo, vale ser alguém como eu, como você...”

Referências 
CARVALHO, Marcos. O que é natureza. São Paulo:Brasiliense, 2003. (Coleção Primeiros Passos; 243). CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004. 
GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Os (des) caminhos do meio ambiente. 14 ed. São Paulo: Contexto, 2006. 
LUFT, Lya. Múltipla escolha. Rio de Janeiro: Record, 2010. 
KLOETZEL, Kurt. O que é meio ambiente. São Paulo: Brasiliense, 1998. (Coleção Primeiros Passos; 281).

domingo, 8 de janeiro de 2012

Sons dos planetas do sistema solar gravados pelas sondas espaciais (NASA)


Escolhi os sons de Júpiter, mas no youtube já podem encontrar desde filmes inteiros da NASA ou partes, com sons electomagnéticos irradiados de planetas principais, como Saturno e Úrano, mas também das luas destes planetas. Os sons são de facto surpreendentes (ouçam também nesta postagem os sons da Terra no espaço), num Universo em que o senso comum imaginará "silencioso".

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A informação geográfica como ferramenta essencial para o planeamento e gestão sustentável do litoral

Mestrado em gestão do território da zona litoral costeira portuguesa (resumo alargado)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

UNEP/GRID-Arendal


O Programa Ambiental das Nações Unidas – United Nations Environmental Program – tem na Grid-Arendal uma instituição de apoio ao seu objetivo de investigar, disponibilizar e fazer a gestão de informações ambientais de forma acessível para o público em geral. Seleccionei este gráfico pois demonstra o grau de dificuldade de penetração das famosas TIC - tecnologias de informação e comunicação- em muitos países, bem como as gritantes assimetrias de gastos/investimento bem como nalguns países o grau de silenciamento das mesmas.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Dia do Braille

O Dia Mundial do Braille ocorre a 4 de Janeiro.
A data de 4 de janeiro assinala o nascimento de Loius Braille, o criador do sistema de leitura e de escrita Braille, que permite através do toque facilitar a vida das pessoas invisuais e a sua integração na sociedade. Louis Braille ficou cegou aos 3 anos de idade e aos 20 anos conseguiu formar um alfabeto com diferentes combinações de 1 a 6 pontos que se alastrou pelo mundo e que ainda hoje é usado como forma oficial de escrita e de leitura das pessoas cegas.
O Braille é composto por 64 sinais, gravados em papel em relevo. Estes sinais são combinados em duas filas verticais e justapostas, à semelhança de um dominó ao alto.
Em Portugal, destaque-se o papel do Núcleo para o Braille e Meios Complementares de Leitura, no âmbito do Instituto Nacional para a Reabilitação, I. P, que no Dia Mundial do Braille organiza vários eventos para celebrar a efeméride.

Mais informações

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Blogue da Semana - Sky Truth

Containers on the stern deck of the 47,230 tonne Liberian-flagged Rena hang precariously, about 12 nautical miles (22 km) from Tauranga, on the east coast of New Zealand's North Island. Photo courtesy of SeaNews.com.
Tradução livre do que é este excelente blogue para o séc.XXI- Sky Truth. Guarde já nos seus favoritos.



SkyTruth promove a conscientização e proteção ambiental com sensoriamento remoto e tecnologia de mapeamento digital. Nós fornecemos imagens impressionantes apoiado por informações cientificamente sólidas sobre o nosso ambiente em mudança para estimular mudanças na proteção do habitat, conservação da biodiversidade e gestão sustentável dos recursos. Nós projetamos e realizar os nossos projectos em estreita parceria com grupos ambientalistas, planejadores locais e gestores de recursos para complementar o seu trabalho em um amplo espectro de questões ambientais.

SkyTruth missão é motivar e capacitar novos grupos de proteção ambiental. Nós usamos imagens de satélite cientificamente credível e outras tecnologias de visual para criar imagens atraentes que ilustram vividamente os impactos ambientais e fornecer essas fotos e dados de apoio para os defensores do ambiente, da mídia e do público.

SkyTruth vislumbra um mundo onde todas as pessoas podem ver e compreender as conseqüências ambientais da atividade humana em toda parte na terra, e são motivados a tomar medidas para proteger o meio ambiente.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Declaração de Interdependência, por David Suzuki, faz 20 anos!

A Declaração de Interdependência expressa os nossos valores como uma organização. Foi escrita para a Cimeira da Terra 1992 das Nações Unidas no Rio de Janeiro.





Isto nós sabemos

Nós somos a terra, através das plantas e animais que nos alimentam.
Nós somos as chuvas e os oceanos que fluem através de nossas veias.
Estamos a respiração das florestas da terra, e as plantas do mar.
Somos animais humanos, relacionadas com todas as outras formas de vida como descendentes da célula primogénito.
Partilhamos com esses parentes uma história comum, escrito nos nossos genes.
Partilhamos um presente comum, cheio de incertezas.
E nós compartilhamos um futuro comum, ainda incalculáveis.
Nós, seres humanos somos apenas uma das 30 milhões de espécies a tecer a fina camada de vida que envolve o mundo.
A estabilidade de comunidades de seres vivos depende dessa diversidade.
Ligados nesta teia estamos interligados - usando, limpeza, reposição de partilha e os elementos fundamentais da vida.
Nossa casa, o planeta Terra, é finito; toda a vida partes dos seus recursos e da energia do sol e, portanto, tem limites para o crescimento.
Pela primeira vez, temos tocado os limites.
Quando comprometer o ar, a água, o solo e a variedade da vida, roubar o futuro sem fim para servir o presente fugaz.

Isto cremos

Os seres humanos tornaram-se tão numerosos e nossas ferramentas tão poderosas que temos conduzido criaturas à extinção, os grandes rios represados, florestas derrubadas antigas, envenenado a terra, chuva e vento, e os buracos rasgados no céu.
Nossa ciência tem trazido dor, bem como a alegria, o nosso conforto é pago pelo sofrimento de milhões.
Nós estamos aprendendo com nossos erros, estamos de luto nossos parentes desapareceu, e nós agora construir uma nova política de esperança.
Nós respeitamos e defender a absoluta necessidade de ar limpo, água e solo.
Vemos que as atividades económicas beneficiando poucos e reduzindo a herança de muitos estão errados. E uma vez que a degradação ambiental corrói o capital biológico para sempre, custo ecológico e social plena deve entrar todas as equações de desenvolvimento.
Nós somos uma geração breve na longa marcha do tempo; o futuro não é nosso para apagar. Então, onde o conhecimento é limitado, vamos lembrar de todos aqueles que andarão cá depois de nós, e decidirmos sempre do lado da prevenção/precaução.

Isto resolvemos

Tudo isto que nós conhecemos e cremos deve agora se tornar a fundação da nossa maneira de viver.
Neste ponto de viragem no nosso relacionamento com a Terra, nós trabalhamos para uma evolução: da dominação para a parceria; da fragmentação à conexão, da insegurança para a interdependência.

Ainda não Assinou?
Assinar a Declaração de Interdependência

Biografia de David Suzuki

Página Oficial