segunda-feira, 31 de maio de 2010

Iniciativa Carta da Terra aprovada pelo nosso Parlamento!!


[Fonte: Parlamento]
Foi hoje, dia 28 de Maio, discutido na Assembleia da República o Projecto de Resolução de “Os Verdes” que recomenda ao Governo a adopção dos princípios constantes na Carta da Terra.

A Carta da Terra constitui uma espécie de Código de Ética direccionada para a sustentabilidade, a paz e a justiça económica e dela constam princípios e valores de natureza universal que deverão ser tidos em conta no momento de tomada de decisões políticas.

“Os Verdes” congratulam-se com a aprovação desta iniciativa, que passou no Parlamento com a abstenção do PSD e do CDS e com as votações favoráveis dos restantes partidos, e consideram que o aval hoje dado à Carta da Terra incentivará o Governo português e a Assembleia da República a envolverem-se no cumprimento dos objectivos do documento, assim como nos compromissos de trabalho em prol da implementação dos valores e princípios nela explanados.



domingo, 30 de maio de 2010

Sobre a British Petroleum e o desastre ecológico no Golfo do México


Última Hora Público, 30 de Maio BP reconhece falhanço da manobra “top kill” para estancar derrame no golfo do México



Is BP Oil Catastrophe ‘Unprecedented’? Hardly

Numerous politicians and oil industry officials have claimed the BP oil catastrophe growing in the Gulf of Mexico is “unprecedented.” From BP CEO Tony Hayward, who called his company’s environmental crime an “unprecedented accident,” to Admiral Thad Allen, U.S. Coast Guard, who called it an “unprecedented anomalous event,” officials and pundits have given the impression that the consequences of this catastrophe could not have been predicted. In a Congressional oversight hearing on the apocalyptic disaster on Thursday, Rep. Doc Hastings (R-WA) even argued the country should respond to this “unprecedented” event by making sure “that we continue to produce oil here in the states.”

Watch a compilation prepared by ThinkProgress:

On Thursday, May 27, Rep. George Miller (D-CA) responded to the myth that this catastrophe was unprecedented and thus unforeseeable:

Every time we have a catastrophic event like this involving British Petroleum or other parts of the oil and gas industry, we’re told that this is an unpredictable cascade of unforeseeable errors, that this is unprecedented, that nobody could have foreseen this. This is sort of like the bankers on Wall Street. Nobody could have foreseen the risks that they engineered themselves, so nobody’s responsible. I don’t believe this was some “black swan” or “perfect storm” event. There wasn’t something that could not have been foreseen. And I don’t think this is something you can promise will never happen again.

Like the rest of the oil industry, BP has a long record of tragic, extraordinary environmental disasters, stretching from Alaska to Nigeria. And this particular disaster is not unprecedented in size, in the kind of accident, nor in the methods used to respond. There have been dozens of oil well blowouts in the Gulf of Mexico, including 39 since 2007, and the worst oil blowout in history in 1979. What makes this catastrophe new is its location in the fertile and fragile ecosystem of the northern Gulf, and the depth at which the well was drilled, increasing the dangers. But this event is yet another tragic reminder of the truth of George Santayana’s dire maxim: “Those who cannot remember the past are condemned to repeat it.”

Cross-posted on the Wonk Room.

Update
On Wednesday,26 of May, Rachel Maddow described on her MSNBC show how the 1979 Ixtoc I blowout in the Gulf of Mexico -- the largest accidental oil spill in history -- was eerily similar to today's Deepwater Horizon blowout. However, the Ixtoc's failed cofferdam effort was called a "sombrero," a totally different kind of headgear from BP's failed "top hat."

sexta-feira, 28 de maio de 2010

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Aquaduct- bicicleta transportadora de água filtrada




Aquaduct utiliza a capacidade humana para pedalar,
filtrar e armazenar potável e água para cozinhar, dando esperança para aqueles que no mundo em desenvolvimento que lutam por acesso a água potável ou o seu transporte. Aquaduct é uma criação de Adam Mack, Brian Mason, John Lai, Paul Silberschatz, e Eleanor Morgan e foi recentemente anunciado como o vencedor do Grande Prêmio da Innovate or Die

A bomba peristáltica ligado ao pedal puxa água de um tanque de grande porte, através de um filtro de carbono, para um pequeno tanque limpo. O tanque limpo é removível e fechado para armazenamento e uso doméstico , livre de contaminação. Uma embraiagem engata e desengata a correia de accionamento do pedal de marcha, permitindo ao piloto filtrar a água, enquanto viaja ou enquanto estiver parado.

aquaduct.jpg

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Vitivinicultura: 700 pessoas núas pelo clima (Greenpeace França 2009)


Partout dans le monde, les impacts des changements climatiques se font sentir. En France, les terroirs et les vignes en souffrent déjà... Si nous n'agissons pas - ici et maintenant !-, l'homme et l'ensemble de son patrimoine culturel sont à terme condamnés.
Ensemble, Greenpeace et l'artiste américain, Spencer Tunick, ont réalisé à une mobilisation artistique unique et originale pour symboliser les impacts des changements climatiques.






terça-feira, 25 de maio de 2010

DOE: Grid can tap more wind, solar


Large amounts of solar and wind power could be added to the western U.S. power grid without significant spending if utilities make operational changes, the U.S. Department of Energy said 20 May 2010.
The DOE report, conducted by the National Renewable Energy Lab (NREL) over a three-year period, focused on how the WestConnect power grid would respond if 35 percent of its electricity was generated by renewable sources.
The results, researchers said, were surprising.
"You need to make some significant changes to operational practice to accommodate wind and solar, but you don't need a whole lot of additional infrastructure to handle that," said Debbie Lew, a senior project manager at NREL.
Wind and solar power together make up less than 3 percent of the total U.S. power generation, but both are growing rapidly amid a range of state and federal incentives.
Instead of large-scale spending on new infrastructure, Lew said utilities could increase coordination over a wider geographic area to cut the volatility that wind and solar tend to add.
Renewable energy is more intermittent than power derived from traditional sources, since wind strength and sunlight are seen as unpredictable.
The DOE report also urged utilities to shorten their power scheduling time frames from the one-hour increments that most currently use.
"There are things that you can do if you change how utilities cooperate and how they conduct their operations today that can help them accommodate this variability and uncertainty without having to do a whole bunch of additional back up generation and storage," said Lew.
U.S. utilities, while increasingly investing in renewable energy, generally say they need to build nuclear and coal plants to provide "baseload" power to keep the grid supplied.
Coal plants supply about half the electricity consumed in the U.S., followed by natural gas and nuclear plants that account for about 20 percent each. Renewables account for a small, but growing portion.
Most U.S. states now have in place some form of renewable energy standard, which requires their utilities get part of their power needs from sources like solar and wind.
California, the most populous state and a leader in clean energy, has one of the nation's strictest standards. Utilities here need to get 20 percent of their energy from renewables by the end of this year, and 33 percent by 2020.
Renewable standards, combined with a possible tax on carbon, have fueled forecasts that predict the utility-scale market for clean energy will grow sharply in the coming years.
Major solar players, like First Solar, Suntech Power Holdings, and Vestas Wind Systems A/S, are working on large-scale projects and have lined up contracts with utilities from Rhode Island to California.
The NREL study found fuel costs within the entire western territory could be reduced by 40 percent, assuming 27 percent renewable power within the area.
Given the same 27 percent renewable standard in the west, the report said solar and wind energy could also cut carbon emissions by between 25 percent and 45 percent, roughly the same as taking between 22 million and 36 million cars off the road.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Ecologia, economia e ética


A consolidação do capitalismo associada ao desenvolvimento das idéias liberais fez com que o indivíduo se tornasse centro da ética, e a liberdade individual o seu valor mais precioso. Se o capitalismo de cada dia mostra a que aberrações leva o individualismo absoluto, a derrota do socialismo soviético provou que de fato não se pode construir uma sociedade sem levar em conta os indivíduos com seus interesses e seus desejos. O futuro parece estar na reconciliação do coletivo e do individual, da solidariedade e da liberdade, da igualdade e da diferenciação. Ao recapitular o que se constitui no melhor do que somos, pergunto-me por qual monstruosidade chegamos a ter como categoria essencial do pensamento comum a economia, e ainda por cima maquilada de “desenvolvimento sustentável”? Sem medo de ser chamado de dinossauro, penso que o momento atual deveria ser de reafirmação do valor central da solidariedade, valor assentado sobre o senso do dever e sobre a esperança, aquela que pode nos levar a assumir a “responsabilidade-projeto” para com o futuro da humanidade e do planeta.


Por Jean

domingo, 23 de maio de 2010

Dia do Turismo - Turismo como Motor de Desenvolvimento Local: o caso do Vale do Tua .

Caros,

Junto a tese do meu mestrando José Veiga Simão, recentemente defendida, intitulada Turismo como Motor de Desenvolvimento Local: o caso do Vale do Tua.

É interessante lerem a tese, em especial as recomendações propostas, mas desde já chamo a vossa atenção para três conclusões que me parecem particularmente significativas:

1. Historicamente, não há qualquer correlação significativa entre a presença de albufeiras e o desenvolvimento local na região de Trás-os-Montes e Alto Douro;

2. Observa-se uma discrepância radical entre as opiniões de presidentes de junta e de empresários quanto aos benefícios/prejuízos da barragem de Foz Tua: 66% dos presidentes de junta acham que a barragem poderá ser benéfica; enquanto 69% dos empresários do sector turístico acha que a barragem será prejudicial;

3. O investimento num modelo de desenvolvimento assente nos valores locais gera onze vezes mais emprego do que a barragem, por milhão de euros investido; com a diferença que o modelo local gera emprego permanente autóctone, enquanto a barragem gera emprego temporário alóctone.

Boa leitura,

Joanaz de Melo

Turismo e Tua



__________________
João Joanaz de Melo
(PhD Env.Eng., Assistant Professor / Doutor Eng. Ambiente, Prof. Aux.
c/Agregação)
CENSE - Center for Environmental and Sustainability Research
Dept. Environment / Dept. Ciências e Engenharia do Ambiente
Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
2829-516 Caparica, PORTUGAL
Tel: +351-212948374 (sec); +351-212948300 x.10121 (office), x.10104/10179
(sec)
Fax: +351-212948554
E-mail: jjm@fct.unl.pt
www.ambientenanova.org
www.dcea.fct.unl.pt/cense





sábado, 22 de maio de 2010

Dia Mundial da Biodiversidade: Biodiversity Heritage Library


About the Biodiversity Heritage Library
Ten major natural history museum libraries, botanical libraries, and research institutions have joined to form the Biodiversity Heritage Library Project. The group is developing a strategy and operational plan to digitize the published literature of biodiversity held in their respective collections. This literature will be available through a global biodiversity commons.

Mission
The participating libraries have over two million volumes of biodiversity literature collected over 200 years to support the work of scientists, researchers, and students in their home institutions and throughout the world.

The BHL will provide basic, important content for immediate research and for multiple bioinformatics initiatives. For the first time in history, the core of our natural history and herbaria library collections will be available to a truly global audience. Web-based access to these collections will provide a substantial benefit to people living and working in the developing world -- whether scientists or policymakers.
Resources
Open access, online taxonomic literature

Blog
Biodiversity Heritage

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Vida artificial criada pela primeira vez

Boas Notícias, 21/5/2010

Vida artificial criada pela primeira vez

O cientista norte-americano Craig Venter, já conhecido pela sua intervenção na descodificação do genoma humano há 10 anos, criou a primeira forma de vida artificial: uma bactéria composta por uma molécula de ADN sintético reproduziu-se, dando origem à primeira célula viva com genoma artificial.

Em laboratório, Venter e a sua equipa fabricaram as unidades básicas do ADN de uma bactéria (Mycoplasma mycoides) a partir de quatro frascos de substâncias químicas e um sintetizador e introduziram esse material sintético numa outra célula recetora de espécie diferente (Mycoplasma capricolum). A nova espécie nasceu em poucos segundos.

"Acho que o mais importante é que estamos a entrar numa nova era da ciência limitada apenas pela nossa imaginação", disse Venter à revista Science, onde foram publicados os resultados da experiência.

Apesar do feito levantar questões éticas e filosóficas, poderá ter um impacto inegavelmente positivo noutros aspetos da vida: "Esta é uma ferramenta potentíssima. Estamos atualmente a desenvolver algas capazes de capturar CO2 e convertê-lo em hidrocarbonatos que podem ser processados nas refinarias. Isto evitaria ter de extrair mais petróleo do solo", explica Craig Venter.

A equipa espera que a descoberta possa ainda contribuir para tornar a água potável, acelerar o fabrico de medicamentos e ajudar na produção de vacinas.

Veja aqui a entrevista do cientista Craig Venter à revista Science.






quarta-feira, 19 de maio de 2010

Texto de Hermann Hesse: “Árvores”

Foto por Gigliola Spaziano- millenary olive tree in Greece

As árvores são os pregadores de fala mais penetrante. Eu as reverencio por viverem em tribos, famílias, em florestas e bosques. E ainda mais as reverencio por se manterem de pé sozinhas. São como pessoas solitárias. Não como eremitas que se escondem de algumas fraquezas, mas como grandes e solitários homens como Beethoven e Nietzsche. Em seus mais altos ramos, o mundo farfalha.
Suas raízes descansam no infinito, mas elas não se perdem de si mesmas ali, elas lutam com todas as forças de suas vidas por uma coisa apenas: preencher a si mesmas em acordo com suas leis, construindo e erguendo suas próprias formas que melhor representem o que elas verdadeiramente são.
Nada é mais sagrado, nada é mais exemplar que uma bela e forte árvore.
Quando uma árvore é cortada e revela seu tronco nu e cortado ao sol, alguém pode ler sua história no luminoso e inscrito disco do seu tronco: nos anéis, seus anos, suas cicatrizes, todos os seus esforços, todos os seus sofrimentos, todas as suas doenças, toda a felicidade e prosperidade ali, verdadeiramente escritas, tempos de escassez entremeados nos tempos fartos, os ataques que suportou e as tempestades a que resistiu. E todo o jovem fazendeiro sabe que a mais rara e nobre madeira, tem os anéis mais apertados, que a altura das montanhas e seus permanentes perigos, no que têm de mais indestrutível e forte, dão as condições ideais para o seu crescimento.

Árvores são santuários: quem quer que saiba falar com elas, ouvi-las, pode aprender a verdade. Elas não pregam lições e preceitos. Elas pregam, sem temer particularidades, as antigas leis da vida.
Uma árvore diz: um grão está escondido em mim, uma faísca, um pensamento, eu sou vida, da vida eterna. A tentativa e o risco da mãe eterna me conceber é única, única na textura e veias da minha pele, única no menor brincar das folhas nos meus ramos, única na menor das cicatrizes na minha casca. Eu fui feita para dar forma e revelar o eterno no menor dos meus mais especiais detalhes.
Uma árvore diz: minha força é confiável. Eu não sei nada sobre os meus pais, não sei nada sobre as centenas de crianças que todo ano saltam de mim. Eu trago à vida, os segredos contidos nas minhas sementes à sua mais última finalidade e não me importo com nada mais. Confio que Deus está em mim. Confio que meu trabalho é sagrado. Tudo o que vem desta confiança, eu vivo.
Quando somos atacados e não podemos mais afirmar nossas vidas, então uma árvore tem algo a nos dizer: Acalme-se! Acalme-se! Olhe pra mim! A vida não é fácil, a vida não é difícil. Estes são pensamentos infantis… Seu Lar não é aqui ou lá. Seu Lar está dentro de você ou não está em nenhum lugar.
Meu coração anseia soltar suas lágrimas quando ouço o farfalhar nas árvores à janela durante a noite. Se alguém ouvi-las silenciosamente por um bom tempo, o anseio revela seu grão – sua essência, e seu significado. Isso não é tanto uma maneira de fugir do sofrimento de alguém, ainda que pareça. Isso é o anseio por um lar, pela memória da mãe, por novas metáforas da vida. Isso leva ao lar. Cada jornada conduz de volta ao lar, cada passo é um nascimento, cada passo é uma morte, cada sepulcro é uma mãe.
Então, a árvore farfalha à noite quando nos colocamos desconfortavelmente diante dos nossos pensamentos infantis. Árvores têm duradouros pensamentos, duradouros e restauradores respirares, e tão duradouras suas vidas quanto são as nossas. Elas são mais sábias do que nós somos, até que comecemos a ouvi-las. Mas quando aprendemos a ouvir as árvores, então, a brevidade, a rapidez, a inocência precipitada dos nossos pensamentos encontrarão incomparável alegria. Quem quer que aprenda a ouvir as árvores, acaba querendo ser como as árvores: não irão querer ser outra coisa senão o que realmente são. Aí está o Lar. Aí está a felicidade.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Comer com gosto


Deve haver poucas pessoas que não gostem de comer, e eu não sou uma delas. Gosto de experimentar receitas das sobremesas mais exóticas, amassar pão à procura do mais genuíno sabor, ficar-me esquecida nas livrarias a apreciar livros de cozinha recheados de resultados impossíveis de obter em casa. Mas não sou de olhar só para o resultado: os meus ingredientes escolho-os com cuidado e atenção porque é a minha família, a saúde e boa disposição de todos, que está em causa. E, neste capítulo, sou muito tradicional: procuro o melhor, sem compromisso. Por exemplo, se olho para a lista de ingredientes de uma embalagem de comida e vejo números além dos nomes... é porque foi feito no laboratório e não no campo.

E o que sai do laboratório, pela minha lógica, não pode ser comida.
Mas mesmo eliminando o que inclui números ainda sobra muita coisa que não entra no meu carrinho de compras. Por exemplo, não aprovo ingredientes que, há cem anos apenas, ninguém usaria na cozinha, mesmo se começarem pela palavra Vitamina, ou jurarem que fazem bem aos intestinos. E depois ainda há aquelas comidas que se querem fazer passar por outras – chamo-lhes os travestis. Margarina e bolachas com "sabor" a chocolate são bons exemplos, mas os adoçantes que querem fazer de conta que são açúcar para poupar nas calorias são talvez daqueles a quem mais cuidadosamente barro a porta de casa. Quando tenho dúvidas, aplico uns testes muito simples: pode ser produzido numa quinta, ou pescado no mar? Percebo como passa do estado original para a embalagem final? Se a resposta é não, é porque não é para mim. Isso leva-me a passar ao lado de quase todo o pão dos supermercados e padarias, repleto que está de "melhorantes" e "enzimas", ou ainda da míriade de outros alimentos com espessantes, corantes, estabilizantes ou demais maravilhas da tecnologia alimentar.

Claro, a maneira como a comida é processada também conta, não basta escrutinar os ingredientes. A radioactividade, por exemplo, pode ter muitos fins úteis, mas comida irradiada rima com comida doente... e que nos põe doentes a nós. E a aplicação de radiação electromagnética (vulgo forno de microondas) garantidamente também não foi pensada para nos trazer mais saúde. Quanto ao leite UHT, o tal que ainda está igual a si próprio mesmo após seis meses de esquecimento no fundo do armário, bem, arranjem leite do dia pasteurizado, encham um copo de cada um e façam o teste à família toda, a ver se não distinguem o que ainda sabe a leite daquele que do leite já só tem o aspecto.

Na busca da comida como "nos bons velhos tempos", gosto de reparar também nos ingredientes "invisíveis". Prefiro, tal como a restante população europeia, que as minhas hortaliças sejam sem pesticidas, o meu leite sem antibióticos e a minha carne sem hormonas... mesmo se trouxerem o selo europeu de autorizado. Se for do campo e não de aviário ou de aquacultura, melhor. E sendo colhido e comido na época, melhor ainda.


E que dizer da mais moderna de todas as invenções alimentares, os alimentos geneticamente modificados, ou transgénicos? Já ouvi as sete maravilhas sobre eles: mais nutritivos, mais duradouros, mais limpos de pesticidas, muito estudados e seguros, até a fome no mundo e a crise energética (através de biocombustíveis) eles se preparam para resolver. Mas eu confesso: a primeira vez que comprei óleo de soja e depois verifiquei pelo rótulo que continha soja geneticamente modificada senti um aperto abaixo do estômago que nunca me engana. Esta comida transgénica pode ser apropriada para cobaias de laboratório, mas não é comida de gente.

Mas claro, o problema é poder escolher. Para já anda por aí soja e milho transgénico, mas já este ano a Comissão Europeia pretende aprovar arroz transgénico. Arroz! O mais castiço dos cereais que comemos em Portugal!
Fui informar-me e fiquei a saber que os portugueses são os "chineses" da Europa: cada um de nós come em média 17 quilos de arroz por ano, enquanto que os italianos, que estão em segundo lugar atrás de nós, não comem mais que uns míseros sete quilos. Os dinamarqueses, coitados, não sabem o que é arroz doce e não vão além de quilo e meio por ano. E agora, querem abrir a nossa porta ao arroz transgénico?! Isso é, para a gastronomia, o mesmo que deitar abaixo o Mosteiro dos Jerónimos seria para a nossa história e cultura!

Senhor Ministro da Agricultura: espero que goste de arroz de ervilhas, de arroz malandro, de arroz de forno e de arroz de pato. Espero, em suma, que goste de arroz, porque ser português também é isso: durante a última grande guerra devemos em grande parte ao arroz a nossa sobrevivência alimentar. Quando se sentar em Bruxelas e chegar a vez de votar o arroz transgénico, Senhor Ministro, vote por nós.


Margarida Silva, bióloga

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Dia Mundial das Telecomunicações: satélite português em missão para estudar alterações climáticas

O satélite CryoSat-2 tem como objectivo a medição de forma precisa das alterações de espessura do gelo que flutua nos oceanos e as variações de espessura das calotes polares da Gronelândia e Antárctica. A portuguesa Critical Software participou na preparação da missão e foi responsável pela verificação e validade dos sistemas de software mais críticos do satélite.

No projecto participaram uma dezena de engenheiros da empresa que, de acordo com uma nota da tecnológica de Coimbra, conseguiu detectar algumas anomalias em sistemas essenciais, durante os trabalhos nas diferentes fases de testes de software e do sistema integrado.
A missão espacial que a Critical ajudou a preparar visa recolher elementos que ajudem a perceber quais os efeitos das mudanças climáticas nas regiões polares, nomeadamente a redução da cobertura terrestre de gelo, com um papel central na regulação do clima. Esta é uma entre várias missões realizadas com este objectivo ao longo dos últimos anos e irá complementar a informação previamente recolhida.

O CryoSat foi lançado no dia 8 de Abril de 2010 a partir do cosmódromo de Baikonur, no Casaquistão e está a realizar a missão a que se propõe orbitando a 700 quilómetros e atingindo latitudes de 88 graus.

"O lançamento do CryoSat-2 será um momento muito especial para a Critical Software, não fosse esta uma das primeiras missões da empresa na área espacial, mas também pela carga emocional que trará por ver o fruto do trabalho de quase dez anos, não só dos seus elementos, mas também de todos os parceiros europeus envolvidos na missão, concretizado", salientou Nuno Silva, Gestor de Programas Espaciais da Critical Software.

sábado, 15 de maio de 2010

Dia Internacional da Família: Population Dynamics, Reproductive Health and Climate Change

Karen Hardee, PAI’s Vice President of Research, presented PAI’s recent research on population and climate change at the International Policy Symposium on the Connection between Population Dynamics, Reproductive Health and Rights and Climate Change in London on March 1st,2010. This meeting was organized by the British Medical Association, the Population and Sustainability Network, Commat (the Commonwealth Medical Trust) and Partners in Population and Development, in collaboration with a number of co-sponsors, including Population Action International. The participant list included ministers from three African countries (Kenya, Uganda and Tanzania) and three from the UK, which created an extraordinary opportunity to link research and programs with policy options and challenges.

Karen Hardee spoke about challenges of adaptation, the link between adaptation and sustainable development, and the implications of adaptation funding for family planning and reproductive health. Karen’s presentation built on PAI’s recent research on how population and reproductive health are addressed in National Adaptation Programmes of Action (NAPAs). NAPAs are blueprints developed by least developed countries for addressing their most immediate and urgent adaptation needs. PAI’s research found that while NAPA countries recognize rapidly growing population as a problem in adapting to climate change, the countries are not suggesting projects to address population through family planning and reproductive health. These findings were well received and the meeting participants communicated the need to understand adaption funding and how it relates to development planning, family planning and reproductive health.

PAI has had a research interest in Ethiopia and Madagascar for many years. These countries’ perspectives on population and environment were prominently featured in the meeting. PAI’s partner Negash Teklu of Consortium for Integration of Population, Health and Environment (CIPHE) spoke about Population, Health and Environment Programs (PHE) in Ethiopia and Vik Mohan of Blue Ventures presented compelling evidence about combining family planning with marine conservation in Madagascar. The meeting participants were very interested in the PHE approach and asked about the role of community participation, women’s empowerment and the possibilities for scale up.

Overall, the meeting sustained a sense of urgency. From a slide showing “the end of geography” with the rise of the sea nearly engulfing Dhaka to the pressing needs expressed by African policymakers, the message to climate skeptics was clear: skepticism kills. The Minister of Finance and Planning noted that Uganda is already feeling the effects of climate change – they now have a ministry for disaster preparedness, which Uganda never before needed. The Minister of Health from Tanzania said that he sees the health effects of climate change – malaria has spread to new areas. Lastly, The Minister of Health from Kenya said that the government is ready to do integrated programming but that they need guidance on how to implement such programs. He also asked for global solidarity on climate change. PAI is continuing to work towards that goal. With more meetings like this one, hopefully many more will join us.





sexta-feira, 14 de maio de 2010

Herschel revela o lado desconhecido do nascimento de uma estrela

Herschel revela o lado desconhecido do nascimento de uma estrela
A bolha galática RCW 120

6 Maio 2010, ESA Portugal
Os primeiros resultados científicos do observatório espacial de infravermelhos da ESA, Herschel, revelam detalhes escondidos da formação das estrelas. As novas imagens mostram milhares de galáxias distantes a formar estrelas furiosamente e belíssimas nuvens de formação de estrelas, espalhadas ao longo da Via Láctea. Uma imagem chega mesmo a captar o ‘impossível’, uma estrela no processo da sua formação.

Apresentados hoje, durante um importante simpósio científico, a decorrer na Agência Espacial Europeia, os resultados desafiam ideias antigas relacionadas com o nascimento das estrelas e abrem novos caminhos à investigação futura.

As observações do Herschel, da nuvem de formação de estrelas RCW 120, revelou uma estrela em estado embrionário, que irá tornar-se, ao que parece, numa das maiores e mais brilhantes estrelas na nossa galáxia, nas próximas centenas de milhares de anos. Nesta fase já tem oito a dez vezes a massa do Sol e está rodeada de gás e poeira, com cerca de duas mil massas solares, que podem vir a alimentá-la.

«Esta estrela só poderá crescer», diz Annie Zavagno, do Laboratoire d’Astrophysique de Marseille. Estrelas desta dimensão são raras e duram pouco. Apanhar uma delas durante a sua formação é uma oportunidade de ouro, para resolver um paradoxo de longa data na astronomia. «De acordo com o entendimento actual, não deveria formar-se estrelas com mais de oito massas solares», diz Zavagno.


Gravidez e nascimento estelar na Via Láctea
Isto aconteceria porque a intensa luz emitida por uma estrela tão grande deveria afastar as suas nuvens berço, antes que fosse possível acumular-se mais matéria. No entanto, estas estrelas gigantes formam-se de facto. Algumas destas estrelas «impossíveis» são já conhecidas, a apresentam massas de 150 sóis. O facto de o Herschel ter avistado uma no início da sua vida irá permitir aos astrónomos investigar de que forma é que a teoria está a ser posta em causa.

À medida que as estrelas começam a formar-se, o gás e a poeira que as rodeiam aquecem até algumas dezenas de graus acima do zero absoluto, emitindo no comprimento de onda do infravermelho. A atmosfera da Terra bloqueia completamente a maior parte destes comprimentos de onda, daí que seja necessária a observação a partir do espaço.


Linha de montagem de estrelas em Vulpecula

O Herschel é o maior telescópio astronómico alguma vez colocado no espaço. O diâmetro do seu espelho principal é quatro vezes superior ao dos telescópios espaciais de infra-vermelhos lançados até então e é uma vez e meia maior do que o do Hubble.

Graças à sua resolução e sensibilidade sem precedents, o Herschel está a produzir um censo das regiões de formação de estrelas da nossa galáxia. «Antes do Herschel, não era clara a forma como se juntava o material na Via Láctea, em densidade suficientemente elevadas e temperaturas adequadamente baixas para a formação de estrelas,» diz Sergio Molinari, do Instituto di Fisica dello Spazio Interplanetario, Roma.

Uma nova imagem lançada hoje, onde se vê um vasto número de maternidades de estrelas na Via Láctea, mostra como é que isso acontece. Os embriões estelares aparecem primeiro no interior de filamentos de gás brilhante e pó espalhado pela Galáxia. Formam-se assim cadeias de maternidades estelares, com dezenas de anos luz de comprimento, enrolanda a Galáxia numa teia de nascimento de estrelas.



Galáxias distantes e o gás vizinho vistos do Herschel
O Herschel também tem estado a inspeccionar o espaço profundo, para além da nossa Galáxia, e mediu a luz infravermelha de milhares de outras galáxias, espalhadas ao longo de milhares de milhões de anos luz do Universo. Cada galáxia aparece como um ponto, mas o seu brilho permite aos astrónomos determinar a taxa de aparecimento de novas estrelas no seu interior. Em linhas gerais, quanto mais brilho, mais estrelas em formação.

Neste campo também, o Herschel desafiou os nossos conhecimentos anteriores, mostrando que as galáxias evoluíram ao longo do tempo muito mais rapidamente do que se pensava. Os astrónomos acreditavam que as galáxias têm estado a formar estrelas mais ou menos ao mesmo ritmo nos últimos milhares de milhões de anos. O Herschel mostra que isto não é verdade.

No passado, havia muito mais galáxias denominadas ‘starburst’, formando estrelas a um ritmo 10 a 15 vezes superior ao que se regista hoje na Via Láctea. Mas o que desencadeou esta actividade frenética ainda não foi totalmente entendido. «O Herschel não nos permitirá investigar as razões para este comportamento,» diz Steve Eales, da Universidade de Cardiff, Reino Unido. O Herschel é também um instrumento de detecção das mais pequenas formas de matéria: as moléculas. Identificou pela primeira vez no espaço uma nova fase da água. Está carregada electricamente e ao contrário das outras fases, nomeadamente a líquida, a gasosa e a sólida, não ocorre naturalmente na Terra.

No entanto, nas nuvens de nascimento que rodeiam as estrelas jovens, onde a luz ultraviolet está a ser libertada através do gás, esta irradiação pode libertar um electrão da molécula de água, deixando-a carregada electricamente.

«Esta detecção de vapor de água ionizado foi uma surpresa,» diz Arnold Benz, do ETH de Zurique, na Suiça. «Diz-nos que há processos violentos a ocorrer durante as fases iniciais de nascimento o que leva à propagação de radiação energética através da nuvem.» Das maiores galáxias às moléculas mais pequenas, estão a ser apresentados estes e muitos outros resultados do Herschel no Simpósio de Primeiros Resultados, ESLAB 2010, a decorrer esta semana no centro espacial e tecnológico da ESA, ESTEC, em Noordwijk, na Holanda. «Estamos ainda numa primeira fase do Herschel, esta é apenas uma amostra de toda a ciência que vamos conseguir extrair desta missão nos anos que se aproximam,» diz Göran Pilbratt, cientista da ESA do projecto Herschel.


Primeiro ano no espaço do Herschel




quinta-feira, 13 de maio de 2010

Evolução - grande notícia da semana

Of microorganisms and man. First large-scale formal quantitative test confirms Darwin's theory of universal common ancestry
Physis Org, May 12, 2010

More than 150 years ago, Darwin proposed the theory of universal common ancestry (UCA), linking all forms of life by a shared genetic heritage from single-celled microorganisms to humans. Until now, the theory that makes ladybugs, oak trees, champagne yeast and humans distant relatives has remained beyond the scope of a formal test. This week, a Brandeis biochemist reports in Nature the results of the first large scale, quantitative test of the famous theory that underpins modern evolutionary biology.


The results of the study confirm that Darwin had it right all along. In his 1859 book, On the Origin of Species, the British naturalist proposed that, "all the organic beings which have ever lived on this earth have descended from some one primordial form." Over the last century and a half, qualitative evidence for this theory has steadily grown, in the numerous, surprising transitional forms found in the fossil record, for example, and in the identification of sweeping fundamental biological similarities at the molecular level.

Still, rumblings among some evolutionary biologists have recently emerged questioning whether the evolutionary relationships among living organisms are best described by a single "family tree" or rather by multiple, interconnected trees—a "web of life." Recent molecular evidence indicates that primordial life may have undergone rampant horizontal gene transfer, which occurs frequently today when single-celled organisms swap genes using mechanisms other than usual organismal reproduction. In that case, some scientists argue, early evolutionary relationships were web-like, making it possible that life sprang up independently from many ancestors.

According to biochemist Douglas Theobald, it doesn't really matter. "Let's say life originated independently multiple times, which UCA allows is possible," said Theobald. "If so, the theory holds that a bottleneck occurred in evolution, with descendants of only one of the independent origins surviving until the present. Alternatively, separate populations could have merged, by exchanging enough genes over time to become a single species that eventually was ancestral to us all. Either way, all of life would still be genetically related."

Harnessing powerful computational tools and applying Bayesian statistics, Theobald found that the evidence overwhelmingly supports UCA, regardless of horizontal gene transfer or multiple origins of life. Theobald said UCA is millions of times more probable than any theory of multiple independent ancestries.


"There have been major advances in biology over the last decade, with our ability to test Darwin's theory in a way never before possible," said Theobald. "The number of genetic sequences of individual organisms doubles every three years, and our computational power is much stronger now than it was even a few years ago."

While other scientists have previously examined common ancestry more narrowly, for example, among only vertebrates, Theobald is the first to formally test Darwin's theory across all three domains of life. The three domains include diverse life forms such as the Eukarya (organisms, including humans, yeast, and plants, whose cells have a DNA-containing nucleus) as well as Bacteria and Archaea (two distinct groups of unicellular microorganisms whose DNA floats around in the cell instead of in a nucleus).

Theobald studied a set of 23 universally conserved, essential proteins found in all known organisms. He chose to study four representative organisms from each of the three domains of life. For example, he researched the genetic links found among these proteins in archaeal microorganisms that produce marsh gas and methane in cows and the human gut; in fruit flies, humans, round worms, and baker's yeast; and in bacteria like E. coli and the pathogen that causes tuberculosis.

Theobald's study rests on several simple assumptions about how the diversity of modern proteins arose. First, he assumed that genetic copies of a protein can be multiplied during reproduction, such as when one parent gives a copy of one of their genes to several of their children. Second, he assumed that a process of replication and mutation over the eons may modify these proteins from their ancestral versions. These two factors, then, should have created the differences in the modern versions of these proteins we see throughout life today. Lastly, he assumed that genetic changes in one species don't affect mutations in another species—for example, genetic mutations in kangaroos don't affect those in humans.

What Theobald did not assume, however, was how far back these processes go in linking organisms genealogically. It is clear, say, that these processes are able to link the shared proteins found in all humans to each other genetically. But do the processes in these assumptions link humans to other animals? Do these processes link animals to other eukaryotes? Do these processes link eukaryotes to the other domains of life, bacteria and archaea? The answer to each of these questions turns out to be a resounding yes.

Just what did this universal common ancestor look like and where did it live? Theobald's study doesn't answer this question. Nevertheless, he speculated, "to us, it would most likely look like some sort of froth, perhaps living at the edge of the ocean, or deep in the ocean on a geothermal vent. At the molecular level, I'm sure it would have looked as complex and beautiful as modern life."

Provided by Brandeis University (news : lab)

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Crise Financeira Oportunidade para a Economia Ecológica: Palestra por Richard Douthwaite


Richard Douthwaite, the author of The Growth Illusion, looked at the problems created by the availability of cheap energy. He believes it shaped capitalism and our monetary systems, led manufacturers and farmers to adopt unsustainable technologies, and permitted a six-fold increase in the human population while creating a concentration of power and wealth in very few hands.

Recorded on day three of New Emergency Conference: Managing Risk and Building Resilience in a Resource Constrained World. Held on 10-12 June 2009, All Hallows College, Drumcondra, Dublin 9, Ireland
This conference was organised by Feasta, the Foundation for the Economics of Sustainability.

Apologies for the poor sound quality for the first 13 minutes.

Por José Carlos Marques

Pôr em causa o papel do sistema bancário, apontar as suas falhas, problematizar a forma como se tornam «mecenas» ou apoiantes aparentes de causas ambientais, é tomado por alguns defensores do ambiente como uma perseguição injustificada ao grande capital. Ou, segundo outros, um subjectivo desgosto pelos bancos, igualmente sem fundamento.

A questão não parece ser gostar ou não gostar de bancos, mas sim o papel que eles têm na actual configuração económica, financeira, política, social e até cultural.

Esse papel possivelmente terá que mudar, ou melhor essa é a discussão mundial hoje mais importante em termos de sistema económico, e bem acesa, de que a imprensa portuguesa não se dá conta de modo satisfatório. Que tem que mudar, é o que se vê expresso na pena de muitos que nada têm de revolucionário ou de inconformista. Analistas consagrados de jornais como o The Economist, representante insuspeito do pensamento económico dominante antes da crise financeira, não dizem outra coisa. Chegam a exigir mudanças «radicais» e uma intervenção das autoridades ditas «reguladores» impensável nos tempos, ainda tão próximos e não de facto desaparecidos, do thatcherismo omnipresente. Não é mudar o que se discute, mas o grau, a profundidade, o sentido e o alcance da mudança.

As críticas rejeitadas por alguns como decorrentes de uma mania ideológica anti-grande capital ou anti-bancos passariam por moderadas perante o que dizem e escrevem grandes mestres práticos da finança, inclusive um George Soros, que foi o inventor de um dos esquemas hoje mais criticados, os hedge funds, e que fez fortuna num ataque especulativo em forma contra a libra. Mas, a lê-lo, os financeiros dessa sua época aliás recentíssima são anjinhos com asinhas ao lado dos jogadores de póquer atuais.

Que há que mudar, raros são os que o negam. Mas mudar para onde?

A oportunidade que pode agora haver, mediante a desorientação e abanão que grassa nos meios dos economistas teóricos e práticos, é que possam emergir finalmente o pensamento e as obras de economistas e cientistas sociais até agora marginais ou desprezados, nalguns dos quais se encontra o fundamento para uma economia que tenha em verdadeira conta a base real da economia «real», base essa que é ecológica-energética.

Georgescu-Roegen e Jeremy Rifkin, por exemplo, e ainda a economia de base cultural como a que segue as pisadas de Karl Polanyi, e toda a chamada economia ecológica (Herman Daly, Joan Martinez Allier, Serge Latouche e o «decrescimento económico»), já largamente presente nalgumas universidades e publicações académicas sem ter no entanto ainda sido escutada por quem tem os cordões da bolsa, metafórica e literal. Também a economia solidária, entre nós representada, entre outros, pela rede de associações de desenvolvimento de base local Animar, pelos Professores Roque Amaro e Luís Moreno, por exemplo, deveria ganhar uma nova visibilidade e importância, se os desatentos políticos e comentadores vierem a aprender com as turbulências actuais.

Richard Douthwaite, James Robertson e outros autores da corrente inspirada em E. F. Schumacher completam e aprofundam esse quadro. A banca é uma instituição humana, e como tal passível de mudança. O papel que vier a desempenhar para uma sociedade que queira resolver os problemas da destruição ecológica, da guerra, da fome e da injustiça social terá forçosamente que ser muito diferente do que hoje predomina.

Existem já numerosas instituições financeiras que apontam o caminho nesse sentido, embora a sua dimensão não seja comparável ao mainstream ou sistema dominante. Mas é bem possível, e já desde 1977 se poderia sabê-lo pelo êxito que teve a famosa obra de E. F. Schumacher, Small is Beautiful mesmo quando rejeitada (por exemplo, pelos que escreviam e escrevem no The Economist!!!), é pois bem possível que o gigantismo do mainstream, inclusive bancário como mostra a atual crise e como já se discute, não seja a solução mas o problema.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Ciência e Gatos


Ao longo da história, os seres humanos e os gatos partilham uma relação especial. Cientistas Portugueses e de todo o mundo utilizam as técnicas mais modernas para conhecer exactamente como e quando os primeiros gatos foram domesticados.








1. Técnicas modernas para conhecer a origem do gato doméstico



2. Testes de DNA







A série completa e em Português!!


[LISTA DE REPRODUÇÃO]

[PARTE 1] [PARTE 2]
[PARTE 3] [PARTE 4]


segunda-feira, 10 de maio de 2010

Nuclear e Europa - Destino dos lixos radioactivos - Consulta Pública (até 31 de Maio)


A Comissão Europeia lançou uma consulta para a elaboração de um nova Directiva Euratom relativa aos resíduos nucleares. O objectivo desta directiva é basicamente tentar convencer os cidadãos da Europa que o problema radioactivo dos resíduos será resolvido, a fim de fazer um grande grupo daqueles que se opõem à energia nuclear mudar sua mente. Pedimos a sua ajuda para impedir que isto aconteça. Para ser claro: nós entendemos que uma directiva da UE sobre Gestão de resíduos nucleares pode ser benéfico -, mas não deve ser usado como uma ferramenta de manipulação nuclear. Por isso, vimos pedir-lhe para participar nesta consulta.

Preencher o questionário e enviar uma cópia para jan.haverkamp@greenpeace.org



Sítio da Consulta Pública

Energy Public Consultation