sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Michel Onfray- Uma escola libertária e elitista para todos




Entrevista com o filósofo Michel Onfray

[texto retirado da e-revista Brasileira Escola Pública]

Demissionário do sistema de educação do Ministério da Educação Nacional Francês e colocando-se explicitamente dentro da tradição do século 19, o filósofo Michel Onfray fundou, em 2002, uma universidade popular em Caen, com o objetivo de democratizar a cultura, proporcionando gratuitamente o saber para o maior número possível de pessoas - um novo Jardim de Epicuro, mas fora das paredes, lançando as bases para uma autêntica "comunidade filosófica" contra o mercantilismo dos saberes. Outros antes dele haviam pensado em fazer isso, mas sem tomar uma atitude efetiva-principalmente os militantes da ONG Droits Devant! (Direitos em Frente!) quando estes ocupavam o prédio da rua du Dragon, em Paris, em 1994. Dentro da lógica de Michel Onfray, a universidade popular se inspira na universidade tradicional (qualidade das informações, progressão pessoal, transmissão de um conteúdo antes de todo debate).
Contudo, ela conserva do café filosófico à abertura para todos os públicos, a utilização crítica dos saberes e a prática do diálogo. A fórmula precisa respeitar determinados critérios: os docentes são benévolos; as aulas são gratuitas; os participantes totalmente livres. Participa quem quer, sem precisar se inscrever previamente, sem condições de idade ou de diploma, e sem precisar submeter-se a um controle dos conhecimentos. Os curso articulam-se entre uma exposição e uma discussão entre o professor e a plateia. Desde 2003, Michel Onfray oferece, a partir do mesmo modelo, uma universidade popular de verão no Lazaret de Ajaccio (na Córsega). Iguais a estas, outras surgiram, contando, em muitos casos, com o apoio das coletividades locais: perto de Arras (Pas-de-Calais, norte) e em Narbonne (Aude, sudoeste), sendo agora a vez de Lyon.
Nesta entrevista Michel Onfray defende o poder emancipador da pedagogia libertária. A miséria social e moral das nossas sociedades impõe a necessidade de ensinar a todos um saber alternativo e crítico, até porque muitos intelectuais deixaram de se preocupar em tornar popular o saber filosófico.

Le Monde de L'Éducation - Na sua obra La Communauté philosophique (Galilée, 2004) você escreve que "o pedagogo libertário trabalha para o seu apagamento pessoal, e cultiva o poder interrogativo de toda a subjectividade". Por que é que este poder se encontra esgotado no aparelho escolar, quando ainda existem certos professores que conseguem despertar e responder ao desejo de saber dos alunos?

Michel Onfray - A instituição escolar é esquizofrênica: ela tem um discurso, mas leva a cabo uma prática nos antípodas daquele discurso. O discurso é este: a escola forma a inteligência, constrói indivíduos cultivados cujo saber lhes permitiria desenvolver juízos esclarecidos, ensina a ler, a escrever, a fazer contas, a pensar, ela formaria o cidadão ao educá-lo para a liberdade. Mas, a verdade, é que na prática ela negligencia a inteligência para privilegiar o exercício da memória e da repetição calibrado em função de um programa feito para isso. A educação nacional ensina, sobretudo a submissão, a docilidade, a hipocrisia, o artificial. Só assim se pode explicar que num curso de 7 anos de inglês se consiga fazer tão poucos jovens bilíngues. O que é que se aprende durante aquelas intermináveis horas de aprendizagem de línguas senão a arte de bem funcionar dentro da máquina que permita a passagem para o ensino superior, e a produção de diplomas úteis para o mundo da integração social.

Le Monde de L'Éducation - Qual é a genealogia dessa pedagogia libertária que você defende? Estaria no prosseguimento de uma linha que vai de Epicuro a Freinet?

Michel Onfray- Se o termo libertário significar "o que educa a liberdade", ou "o que faz da liberdade o bem supremo", sem dúvida, que poderíamos começar com Sócrates e a sua maiêutica, a sua arte de desenvolver as potencialidades de cada qual e torná-las em realidades tangíveis, podemos depois continuar com Diógenes e os filósofos cínicos que usam um bastão para mandar embora os que procuram um mestre e a submissão. Prosseguimos com Erasmo, o grande e imenso Erasmo, e, certamente, Montaigne, que tanto lhe deve, para falar de várias matérias, como a Educação e tantas outras. Passamos depois para Nietzsche que ensina que um bom mestre é aquele que aprende aquilo que se desprende de si. Seria preciso ainda falar, com certeza, dos autores libertários, que a história conheceu, como Max Stirner e o seu "Falso Princípio da Nossa Educação", Sébastien Faure, que aplicou o seu método em La Ruche, mas ainda A.S. Neill e os seus "Jovens livres de Summerhill" que me fizeram desejar tornar-me professor antes de me desiludir na Escola Superior de Educação. Seria ainda preciso acrescentar o excelente livro "Advertência aos estudantes e liceais" de Raoul Vaneigem.

Le Monde de L'Éducation - Uma certa concepção da pedagogia libertária - nomeadamente a que defende a espontaneidade do aluno - não fará o jogo do "novo espírito do capitalismo" que pretende apoiar a participação dos "atores"? Não contribuirá ela para o idiota útil do "neoliberalismo"?

Michel Onfray- Tem razão.Eu sou um ardente defensor de Maio de 68 e do espírito de Maio, que se definia por uma revolução metafísica antiautoritária. Os dominados punham em causa os dominantes. Os pares tradicionais - mulheres/homens, jovens/velhos, empregados/patrões, esposas/maridos - deixaram de ter um estatuto divino. E tudo isso foi uma coisa boa. Mas à negação dos velhos valores não se seguiu uma positividade. Destruir é bom se, e somente se, propusermos a seguir uma reconstrução. Os valores libertários, por exemplo, mereceriam mais que os simples elogios da indolência, da espontaneidade, do natural, do porreirismo generalizado por via da desvalorização do rigor que se mostrou tão pouco democrático quanto demagógico. Porque esta renúncia à memória, ao esforço, ao trabalho, à cronologia, e todas essas categorias consideradas reacionárias fizeram efetivamente o jogo do poder, que prefere ter um rebanho de inculto embrutecidos que indivíduos apetrechados com o saber e a cultura. A pedagogia libertária não é a pedagogia liberal pós-anos 1960 que deixa o jovem livre na turma, e que dá plenos poderes à competição entre classes sociais, e que é, ela própria, geradora de reprodução social.

Le Monde de L'Éducation - "Passamos de um ensino autoritário a um ensino clientelar", escreve Raoul Vaneigem num texto recente sob o título Modeste Propositions aux Grévistes ( Verticales,2004). "O endoutrinamento suscitava, ao menos, a revolta, a propaganda estimulava o seu oposto, o desejo de pensar de outra forma. O feiticismo do dinheiro enfraqueceu o pensamento que ruge e incomoda." Concorda com esta análise?

Michel Onfray- Vaneigem é um amigo que me estimula - ele acaba por me ultrapassar pela esquerda! - mas não partilho o seu otimismo que está, de resto, na gênese do seu radicalismo político: no meu entender, a autoridade produz uma submissão massiva, pois o medo, o temor e o desejo de servidão voluntária são grandes. A revolta não é gerada pela ditadura - se assim fosse, seria preciso desejarmos a ditadura enquanto momento dialético das revoltas lógicas - mas por temperamentos rebeldes, revoltados, insubmissos gerados por razões existenciais que só uma psicanálise à maneira sartriana - descobrir o projeto original - permitiria compreender. Conheci períodos da minha vida - nomeadamente os sete anos de pensionato, quatro dos quais no orfanato dos salesianos - que fizeram de mim aquilo que sou hoje, mas que também fizeram uma multidão de indivíduos castrados da vida e orgulhosos de o ser. Uma mesma causa não produz felizmente os mesmos efeitos em todos nós. É preciso levar em consideração o prazer de estar submetido, tal como existe com tantas pessoas.

Le Monde de L'Éducation - É procurando retomar o que há de melhor nos cafés-filosóficos e nas Universidades (a liberdade dos primeiros e a seriedade da segunda), ao mesmo tempo em que rejeita o que há de pior em cada qual (o extravasamento de um lado e a secura do outro), que você decidiu fundar a Universidade Popular de Caen. Mas também com o objetivo de retomar e prosseguir o ideal nascido no tempo da questão Dreyfus. Em que medida é ela um meio de lutar contra a situação de crise por que a França atravessa: miséria social, racismo, bloqueios nacionais-populistas etc?

Michel Onfray- O saber é um poder. Posto isto, é preciso um saber específico suscetível de permitir a libertação e não a alienação. A filosofia não é de fato um instrumento de libertação: ensinar as ideias platônicas, falar da Cidade de Deus de S. Agostinho, das teses tomistas, da aposta de Pascal, do ocasionalismo de Malebranche, da angústia de Kierkegaard e de tantas outras matérias da história da filosofia ajudam mais a manter o poder instalado e permitir o domínio do cristianismo do que a emancipar o aprendiz em filosofia. Daí o interesse em ensinar quer um saber alternativo, quer um saber clássico, mas de maneira alternativa, isto é, crítica. A subversão cínica, o hedonismo cirenaico, a libertação epicurista, a alegria gnóstica, só para ficar na Antiguidade, são ilustrações de saberes alternativos; ou então, falar dos saberes clássicos, mas de maneira alternativa: mostrar que o conceito errôneo de pré-socrático, desvalorizando os predecessores socráticos, pressupõe uma escrita platônica da história da filosofia, explicar as razões da evicção do materialismo de Demócrito (cuja obra completa Platão queria queimar em auto-de-fé). Estes saberes permitem construir uma inteligência crítica, mas também realizar um trabalho sobre outras matérias, nomeadamente as que estão associadas a essa crise que referiu.

Le Monde de L'Éducation - Você costuma recordar que intelectuais como Alain, Péguy, Bergson e tantos outros, frequentaram e animaram cursos de educação popular, lançados pelo tipógrafo anarquista Georges Deherme. Os intelectuais dos anos 2000 esqueceram o seu papel de educadores e a ideia de tornar popular, a filosofia?

Michel Onfray- A nossa época midiática produziu dois tipos de intelectuais: o primeiro, especializou-se na miséria limpa, uma miséria longínqua que permita uma postura declamatória à maneira teatral, reproduzida logo de imediato pelos mídia. Tendente a ser midiatizada, e não precisando de nenhum outro compromisso que não seja o verbo, a carta postal ou a consulta de um livro, ela permite tocar o trompete dos grandes princípios maiúsculos: Humanidade, Liberdade, Direitos do Homem etc. O segundo, ocupa-se antes da miséria suja, a que envolve os explorados, os operários, os miseráveis e os excluídos do sistema, as vítimas e outros dejetos do liberalismo, a ideologia defendida pela maior parte dos primeiros. Os intelectuais dos anos 2000 não cuidam da educação popular nem de tornar popular a filosofia: o seu saber é utilizado para fins financeiros, traduzíveis em moedas reais ou simbólicas, mas nunca com o objetivo de uma crítica social.

Le Monde de L'Éducation - Um curso magistral pode ser libertário?

Michel Onfray- Sim, se o magistério do curso magistral for aquele que indiquei ainda há pouco: um mestre libertário que cuida antes de tudo em cartografar e de identificar o conjunto das situações que estão em jogo, fornecendo depois uma bússola e o seu modo de emprego, isto é, convidar cada qual a fazer a sua própria viagem.

Le Monde de L'Éducation - A Universidade popular histórica acabou por desaparecer antes da Primeira Guerra Mundial em razão de causas e desinteligências internas. A Universidade popular tem tido um grande sucesso. Como evitar os perigos?

Michel Onfray- A Universidade popular é um organismo vivo e, como tal, mortal. Os três anos da sua existência já permitem identificar alguns vírus, erros e ataques. Tudo normal. A Universidade popular tem tido efetivamente um grande sucesso público e popular, gerou uma verdadeira energia alternativa, propõe um intelectual coletivo - para usar a fórmula de Bourdieu - eficaz, que logo perturba e incomoda. É normal que a nossa aventura atraia invejas e revele os medíocres, os invejosos, e outras figuras de ressentimento que não existem e não vivem senão por e para a destruição. Mas nós somos uma comunidade de amigos, no sentido epicurista, que vamos experimentando o verdadeiro poder da amizade epicurista. E, depois, sejamos nietzscheanos, o que não mata fortalece-nos. Para o resto, só o Deus das universidades populares poderá dizer se a experiência desaparecerá - sim, porque ela sempre desaparecerá -, seja como vítima da síndrome do recém-nascido ou do catarro dos velhos, seja por suicídio próprio na flor da idade ou por um esgotamento centenário.

Le Monde de L'Éducation - Uma educação "elitista para todos". Esta fórmula do dramaturgo Antoine Vitez adaptada à educação mantém-se atual?

Michel Onfray- Mais atual do que nunca. Gosto mesmo do oxímoro, uma figura de estilo que, associando dois termos aparentemente contraditórios, gera um sentido novo: universidade popular é realmente um oxímoro espantoso! O elitismo para todos, também. Percebe-se que, para além da pura e simples justaposição verbal, para além do simples jogo de palavras, uma nova significação emerge à luz do dia. A expressão elitismo para todos supõe uma outra definição de cada um dos termos; trata-se de dar o melhor ao maior número, porque o melhor existe, sem dúvida, mas normalmente só é dado aos melhores, pelos menos, aqueles que assim são qualificados pela máquina social. Quando é destinado a todos, ao maior número - é essa a minha definição de popular, e também a de Michelet - o elitismo brilha com outra clareza, que muitos se têm esquecido, e que é a da luz do iluminismo.






Ecogastronomia: Biodiversidade em Palavras, Imagens e Música




Missão do movimento Slow Food ou Ecogastronomia

1.Defesa da biodiversidade
Pretende-se desfrutar de excelentes alimentos e bebidas em conjunto com esforços para proteger os diversos grãos, vegetais, frutas e produtos animais tradicionais que estão desaparecendo em prevalência dos alimentos produzidos por agro-negócios. Slow Food pretende proteger o património culinário e criou uma fundação voltada para a biodiversidade.

2.Educação do sabor

Slow Food ajuda as pessoas a redescobrirem o prazer de alimentar-se e compreenderem a importância de entender de onde a sua comida é proveniente, quem faz e como é feita.

3.Ligação entre produtores e co-produtores

Slow Food organiza feiras, mercados e eventos locais e internacionais onde consumidores podem encontrar os produtores, além de provar alimentos de excelente qualidade.

Criticismo
Críticos da organização alegam que este é um movimento elitista, visto que desencoraja maneiras alternativas baratas de preparar os alimentos. Slow Food responde que trabalha em prol da produção e consumo locais que no final tornariam-se mais baratos por depender menos de transporte e de tecnologia e produtos químicos para conservação dos alimentos. O Slow Food discute de modo mais aprofundado qual é o real custo do alimento, questionando por exemplo, qual o custo ambiental dos alimentos produzidos em escala industrial, e defendendo que os agricultores e produtores devem ser bem remunerados pelo seu trabalho.
[Tradução e ler mais em Slow Food]


quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Estado da Arte sobre o ICE e Covas do Monte

Pedi novas informações mais actualizadas sobre o estado de arte do ICE à minha Amiga Maria José Tovar. Transcrevo a sua mensagem. Felizmente o ICE ainda continua vivo.

Caro João Soares,
Sou um leitor atento sobre aquilo que vai publicando no seu blog.
Também sou professor, há muitos anos que trabalho no ICE e tenho uma relação de amizade com a Zé Tovar que me fez chegar o seu mail.

Queria aqui, esclarecer duas imprecisões. Uma é que o ICE continua a resistir mesmo com todoas as dificuldades que a falta de recursos lhe causam.

Outra é mais uma clarificação. Por trás da visibilidade de Covas do Monte está um trabalho desenvolvido pelo ICE.
No âmbito do Criar Raízes,projecto financiado pelo programa Progride, o ICE é responsável pela dinamização da acção Ecoaldeia onde se insere o trabalho em Covas Do Monte.

O filme Névoa no Vale foi uma oportunidade de promoção de Covas do Monte que surgiu após algumas notícias na comunicação social sobre outros acontecimentos ali efectuados.

E já agora indico-lhe este link de um projecto que envolve uma forma de turismo que penso que devidamente aproveitado poderia dar alguma sustentabilidade a espaços como Covas do Monte, que tem vindo a beneficiar disso, ou a pequenos produtores que se encontram espalhados pelo interior do país sem ter qualquer tipo de visibilidade.
Votos de muita resiliência

Um abraço
Vítor Andrade

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Instituto Contra o Cancro adverte sobre os riscos dos telemóveis

Imagem e artigo retirado de Ecoscraps

Dr. Ronald B. Herberman, diretor do Instituto de investigação do cancro da Universidade de Pittsburgh publicou uma advertência sem precedentes aos membros do seu corpo docente: limite o uso de telemóveis, devido a possíveis riscos cancerígenos.
Dr. Herberman disse que a sua advertência foi baseado em dados ainda não publicado. Ele argumentou que as acções devem ser tomadas agora, especialmente no que se refere às crianças.


Na verdade, eu acho que não devemos esperar pela publicação de um estudo final, pois é pois e preferivel enganarmo-nos por excesso de seguranca do que lamentar depois (disse Herberman).





Artigo original: USA Today

Artigos relacionados (em castelhano)
1.
Expertos reavivan el debate sobre teléfonos celulares y cáncer
2.
Usar teléfonos celulares durante el embarazo puede dañar seriamente a su bebé
3. Teléfonos celulares: ¿más peligrosos que fumar?
4.
Los niños NO deberían usar teléfonos celulares






segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Transportes permanecem a principal fonte de poluentes prejudiciais à saúde


O relatório mostra que o transporte rodoviário continua a ser a única fonte principal de óxidos de azoto (NOx), monóxido de carbono (CO) e não-metano compostos orgânicos voláteis (COV-NM), bem como o segundo mais importante fonte de emissões de partículas finas (PM10 e PM2. 5) na UE-27. Este relatório contém os dados essenciais que ajuda a compreender a evolução das emissões de poluentes atmosféricos, desde 1990. Este relatório-inventário acompanha a apresentação do inventário anual de emissões a Comunidade Europeia a Convenção da UNECE sobre Long- Poluição Atmosférica Transfronteiriças.Ele apresenta uma visão global de emissão de poluentes atmosféricos dos dados reportados pelos Estados-Membros da UE-27 entre os anos de 1990 a 2006. Em particular, o relatório destaca a significativa contribuição para a poluição do ar feitas pelo sector dos transportes- neste sector é a fonte mais significativa de NOx, CO e NMVOCs ea segunda mais importante fonte de emissões de partículas (PM10 e PM2.5). Na UE-27, ocorreram reduções significativas das emissões de vários poluentes do ar desde 1990- o relatado emissões de óxidos de azoto em 2006 foram reduzidas em mais de 35%, e dióxido de enxofre por quase 70%. As reduções de emissões têm tido lugar em muitos dos sectores económicos relatados por países.

Saber mais:

Relatório completo (pdf, 28 Jul 2008)





domingo, 25 de janeiro de 2009

Agro-Urbanismo


imagem via NY Times

O fenómeno da agricultura no meio urbano foi quase sempre entendido como actividade subsidiária, marginal, da vida das cidades. Espécie de ocupação errática dos baldios, apropriações avulsas das classes desfavorecidas em espaços sobrantes de pouco valor e fraca qualificação, ao abrigo de transposições bucólicas da vida do campo.
Começamos hoje a compreender o preconceito por detrás destes juízos, entendendo o agro-urbanismo como uma categoria importante na designação do todo urbano. Assistimos ao aumento continuado dos preços de bens alimentares em consequência de um fenómeno de escassez à escala global. As preocupações perante esta nova realidade começam a tomar forma em diversas propostas de modelos de exploração agrícola no território das cidades. De dimensão local ou expressão utópica, vale a pena conhecer o fruto de algumas destas investigações em dois artigos , a descobrir no Landscape+Urbanism e no URB.



sábado, 24 de janeiro de 2009

Bilderberg e Portugueses Bilderberg- novo Dossiê Bioterra

ATENÇÃO © Copyleft - É permitida a partilha do dossiê exclusivamente para fins não comerciais e desde que o autor e o BioTerra sejam citados.


Entrevista a Daniel Estulin

Não esqueças de visitar regularmente este espaço para manteres-te actualizado

A técnica do Clube Bilderberg consiste em submeter a população e levar a sociedade a uma forte situação de insegurança, angústia e terror, de maneira que as pessoas cheguem a sentir-se tão exaltadas que peçam, aos gritos, uma solução, qualquer que seja. Essa técnica tem sido aplicada aos gangues de rua, às crises financeiras, às drogas e ao actual sistema educacional e prisional. Em relação ao sistema educacional é necessário dar a conhecer que os estudos realizados pelo Clube Bilderberg demonstram que conseguiram diminuir o coeficiente intelectual médio da população. Para conseguir isso não só manipulam as escolas e as empresas, mas também têm se apoiado na arma mais letal que possuem: a televisão e seus programas de baixo nível, para afastar a população de situações estimulantes e conseguir assim entorpecê-la. (in livro Clube Bilderberg, Os Senhores do Mundo. Edição Brasileira )

Autores /Investigadores

Daniel Estulin
David Icke

Portugueses Bilderberg
Excelente página da American Free Express, onde saltam nomes de Portugueses, além de Pinto Balsemão (presente desde 1988)
Pedro M. Santana Lopes, José Sócrates e António Vitorino em 2004
Augusto Santos Silva, presente na reunião de 2006
Leonor Beleza, em 2007
António Costa
e Rui Rio, em 2008 
Manuela Ferreira Leite e Manuel Pinho em 2009

Leituras
Outra postagem do Bioterra relacionada com o Clube Bilderberg
These 13 Families Rule the World: The Shadow Forces Behind the NWO

Páginas Internacionais
Bilderberg Org
Bilderberg Book
Bilderberg Group (wiki)
Trilateral Commission
Prision Planet
Infowars
The Truth Seeker

Teorias da Conspiração (atenção: são menos credíveis)
Conspiracy Archive
Free Masonry Watch
NOGW

Livros
Daniel Estulin (2008)


Vídeos/Documentários
Bilderberg Group 
Goldman Sachs- o banco que dirige o mundo
Se­cret Ru­lers of the World; The Bil­der­berg Group a BBC Docummentary
Queda da República (Fall of the Republic)

Entrevista a David Icke, crítico do Bilderberg Group


Dossiês BioTera relacionados
G8



NOVA ATENÇÃO © COPYRIGHT-  Ao partilhar, agradeço atempadamente a indicação do autor e do meu blogue Bioterra. Estes dossiês resultam de um apurado trabalho de pesquisa, selecção de qualidade e organização.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Para Lamento *: António Inseguro, duas faces de João Vergado, SS e o actor Alberto Tristins


Imagem retirada do blogue Porque Me Dizem .

Porque sou uma pessoa do Norte.Do frio, do granito, do mineral, do orvalho, da frescura agreste, sadia e homem novo, aberto, franco, directo. Vertical como as araucárias dos jardins do Palácio de Cristal ou suportando firme todos os ventos e Luz e sou as Palmeiras do Passeio Alegre.
Amo a Liberdade, ensino a Liberdade e respeito todos os amantes da Liberdade antes e depois de Abril!
Como avançar com carta de Atenas, Agenda 21 e outras matérias de interessa para a Educação Ambiental com representantes na AR que não amam a Liberdade e não amam os Docentes. Para já luto por dentro. Não sei o futuro. Mas enquanto dentro do sistema e enquanto Professor digo Não SS, NãoAntónio Inseguro, Não João Vergado e Não e Não Alberto Tristins!


*Para Lamento (autoria do Porque me Dizem)

Prezo o respeito da propriedade intelectual. Quem souber da autoria do SS, por favor informem-me , de ameira a corrigir e actualizar a postagem.
Obrigado.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Aliens in the Field - traduzido para Português




Graças ao esforço de uma série de pessoas, mas sobretudo devido à tradução e empenho da Rita Varela, está legendado em português um excelente documentário sobre transgénicos.

Trata-se do filme Aliens in the Field produzido pela Television Trust for the Environment (TVE ) britânica. [disponível também na Plataforma Transgénicos Fora]

Mais vídeos da TVE (que este ano celebra 25 anos) visite o seu portal, pois vale a pena:
Television Trust for the Environment



quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Vídeo Think


No âmbito do projecto Live Earth Film Projectforam criados um conjunto de curtas-metragens por realizadores premiados a nível internacional, com o objectivo de mostrar a criatividade e diversidade da resposta internacional ao problema da crise ambiental. Think (What does it take to change a habit), é um exemplo perfeitamente hilariante sobre a forma como podemos fazer escolhas mais responsáveis nos gestos mais simples do dia-a-dia.[Fonte textual: Sair da Casca]





terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Educação Abiental no Youtube: Earth Ship


Eartship Biotecture dá a conhecer a Bioconstrução de sonho para a realidade.

O canal youtube que mantêm, foi inaugurado em 7 de Julho de 2006, com um acervo de perto de 30 vídeos, mostrando a face positiva da ecoconstrução, respeitando a diversidade cultural e ambiental das regiões do Globo onde têm desenvolvido os seus projectos.



domingo, 18 de janeiro de 2009

Jan Svankmajer- Luz Escuridão Luz [Tma Svetlo Tma]


Visto como uma crítica ao antigo bloco da Europa do Leste, Luz Escuridão Luz é uma animação, que 20 anos depois, ganha em Portugal muita actualidade, sobretudo na Educação.

Com o reverso ou anti-verso da Escola, visiona-se no horizonte próximo o espelho de uma escola-empresa, que certamente não será benéfico para ninguém.

A mensagem deste vídeo é contra esse modelo empresarial que este Governo já tem avançado e pretende modificar a escola, subvertendo completamente os valores mais genuínos e universais do Ensinar, das relações Educador, Aluno, Educando e Jovens.

Em A Pedagogia da Autonomia, para Paulo Freire educar é construir, é libertar o ser humano das cadeias do determinismo neoliberal, reconhecendo que a História é um tempo de possibilidades.



Mais trabalhos de Jan Svakmajer


Sobre Paulo Freire aqui

sábado, 17 de janeiro de 2009

Estudo das Nações Unidas demonstra que a agricultura biológica é a melhor maneira de resolver a fome em África


  • ██ The five countries producing more than 95% of commercialized GMO

  • legend pattern orange:Other country producing commercialized GMO.
  • orange dot:Only experimental crops.
  • Mapa mundo da produção de OGM, em 2005 (imagem e mais informações em UrbnGreen)



Um importante relatório publicado no final do ano passado pela United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD) e pela United Nations Environment Programme (UNEP) é conclusivo a afirmar que a produção da agrícola biológica e de pequena escala é a melhor maneira de combater a fome em África. O principal responsável pela UNEP diz ainda que o contributo da agricultura biológica para alimentar o mundo pode ser potencialmente muito maior. Quando práticas agrícolas sustentáveis são implementadas há efectivamente um aumento significativo na produção e os custos também baixam porque deixa de haver despesas com os produtos sintéticos. Estamos também a falar de melhorias no meio ambiente a nível da fertilidade dos solos, gestão da água, controlo de inundações e preservação da biodiversidade. Perante estes factos é irónico que a agricultura biológica seja considerada por muitos como um luxo ocidental [texto retirado do Agitação]


sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Marchas de silêncio e silêncio nas escolas: o dom do silêncio

Colegas
Organizem-se, juntem-se e no dia 19,dirijam-se a meio da manhã para o centro das vossas cidades e vivam a nossa presença e a vossa cidade, mas em silêncio.
9. Os membros dos órgãos de gestão podem aderir à Greve não comparecendo na escola?- SIM! A forma de aderir à Greve por parte dos membros dos órgãos de gestão é a mesma que foi referida para qualquer outro docente.
Dirijo-me aos indecisos, dirijo-me aos conformados, dirijo-me aos que Acreditam!!!
Hoje, sábado e domingo. Reflictam um pouco mais...creio que é uma chance única.
É chegada a hora!!! Não deixem de sonhar...
Colegas: vamos aceitar a divisão da carreira...uma avaliação com base nas quotas?
O silêncio por vezes é intenso e reactivo, tão duro ou mais que o aço da humilhação a que jamais temos assistido em toda a nossa vivência enquanto professores.
Como a Marcha do Sal de Gandhi...agora faríamos a marcha do Silêncio. Não percam a Esperança e vamos para a rua, mostrar a nossa indignação. Divulguem por TODOS os professores!




quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Dia 19 diz não ao medo


Fonte da imagem: Isabel Pedrosa Pires

Porquê a greve no dia 19 de Janeiro, a uma segunda-feira? Foi no dia 19 de Janeiro de 2007 que foi publicado o novo e famigerado Estatuto da Carreira Docente (ECD), que nos dividiu, que trouxe um clima de enorme desconforto nas Escolas, porque todos sabemos que os requisitos para concorrer a Professor Titular não são justos, nem visam o mérito entre professores. Este ECD trucidou, subverteu todo o Ensino em Portugal e vamos muito a tempo de o revogar. 2008 foi um ano de intensa labuta pela dignificação Docente e Defesa da Escola Pública.A Plataforma e os movimentos dos professores mantêm-se firmes,com mais negociações e novas medidas. Cabe a nós cumprir mais um dia de luta. É um dia simbólico e psicossocial. Não tenhamos medo, Colegas.A luta tem que continuar!





terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Moção e manifestações no Chile contra a realização do Rali Dakar Chile-Argentina 2009

Manifestação




Moção

Com a realização do chamado Rali Paris Dakar , desta vez nas áreas de Chile e Argentina, as organizações abaixo declaram:

1 .Hoje, a principal ameaça para a espécie humana é a destruição das condições de vida no planeta e em especial, as alterações climáticas causadas pelas emissões de gases de efeito estufa. Um dos sectores que geram mais emissões são veículos automóveis. Na verdade, muitos estão empregados em trabalho útil. Outros, infelizmente, muitos são simplesmente um luxo consumo, causando sérios danos. Perante este quadro, é um dever moral de primordial importância para as presentes e futuras gerações, mantendo padrões de consumo precisamente aqueles que são desnecessários e causam grande catástrofe universal ameaça para nós. Este tem sido declarado pelos governos da maioria dos países do mundo e líderes espirituais de diferentes tradições.

2 .Não obstante o acima exposto, vemos uma enorme lacuna entre o governo e declarações políticas que estão sendo promovidos. Esta diferença é devido à pressão de interesses económicos desses especuladores formas de produção e consumo mais nocivos. Um exemplo claro disto é o Rally Paris Dakar. Esta é, em essência, é uma grande publicidade que promove a utilização de veículos de exibir sua valentia nesta corrida. Isto cria o seu efeito sobre as mentes das pessoas, sem muita consciência, mas com carteiras volumosas adquirir esses veículos e, em seguida, atormentado com áreas naturais e ruas da cidade.

3 .Conduzir automóveis, motas ou 4x4, são os veículos que consomem maiores quantidades de combustível por passageiro / km / transporte, 40 vezes mais do que os transportes públicos e 20 vezes mais do que um veículo projectado para o ambiente urbano. Eles são também mais peso e volume e, portanto, constituir um risco maior para a segurança. Sem dúvida, eles são muito prejudiciais e brinquedos caros, que também são utilizados indevidamente em áreas onde não há nenhuma justificação para isso. Seu uso deve ser fortemente desencorajado. Mas infelizmente, por causa da irresponsabilidade, futilidade ou falta de valores ambientais de muitos governos, nós continuamos a permitir que grandes promoções, como por exemplo o Rally Paris Dakar.

4 .O Chile é um país muito vulnerável às ameaças da mudança climática. Sete das nove características internacionalmente como indicadores de vulnerabilidade a este fenómeno. Quase como países insulares, o nosso país pode sofrer impactos ingovernável. Como somos um país pequeno, a nossa contribuição para as mudanças climáticas principalmente tem a ver com ser um símbolo da mudança cultural necessária para fazê-lo. Temos o dever de ser um exemplo. Infelizmente, não somos, e do Chile é um dos maiores aumentos nas emissões de gases de efeito estufa tem sido em todo o mundo. Hoje, além disso, a futilidade das nossas autoridades torna o nosso território é dada à cena mundial da promoção de práticas destrutivas.

5 .Não podemos deixar de lamentar a notar também que o papel do governo francês em relação a destruição desta promoção. Os países industrializados têm as maiores responsabilidades históricas têm gerado no efeito estufa. Eles também têm mais recursos e tecnologia para lidar com isso. A liderança do presidente Sarkozy tinha dado sinais de compreensão da magnitude dos desafios que a mudança climática representa para a humanidade. Infelizmente, neste caso também mostra o quão fácil é capim para os interesses da indústria automotora e é o agente condutor do Rali Paris Dakar, já em território latino-americano.

6 .O nosso protesto é também motivada pelos impactos da promoção automotora local. Será uma verdadeira horda motorizadas, compreendendo cerca de 600 veículos na competição, incluindo camiões, e muitos outros tipos de apoio. Onde ir, não vai nunca deixar uma lâmina de grama. Um fenómeno tão maravilhoso como o nosso Spider, que mostra que a vida no areias estéril que muitos podem ser irremediavelmente danificada. O património arqueológico é também ameaçado. Na verdade, o risco directo com as pessoas durante a realização da corrida, como tem ocorrido em territórios Africanos, onde sempre choram mortes.

7 .Face ao exposto expressamos nossa vontade de protestar contra a destruição desta promoção denominada Rally Paris Dakar, quando entra em território chileno. Exortamos os nossos cidadãos conscientes de áreas para reflectir sobre o verdadeiro significado da corrida e também o nosso apelo ao Governo reconsidere e não permitir que nosso território nunca vai ser considerado um simples teste de campo para as indústrias predatória . Os Chilenos, sempre receberam de braços abertos para os visitantes. Amor para mostrar a beleza das nossas paisagens e a riqueza da nossa cultura. No entanto, não é da nossa própria dignidade que nossa natureza é vista como um simples obstáculo óbvio, a ser ultrapassado por máquinas que são precisamente as formas de consumo que a humanidade deve pôr de lado para sobreviver.
Vamos defender a Vida! Para enfrentar frívola irresponsabilidade e os governantes!
Vamos Parar Barbárie motorizado!

[Tradução de João Soares, a partir do blogue
EcoHumanismo]


segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

David Doubilet- fotógrafo do mundo submarino

Se ainda não está com os pés de molho em água salgada, aceite o nosso convite e mergulhe na página de um dos melhores fotógrafos subaquáticos do mundo. Em apneia ou com garrafa, a navegação neste sítio garante-lhe a visita a cenários deslumbrantes e a fotografias de rara qualidade, beleza e frescura.Detentor de uma extensa obra sobre as riquezas e a diversidade do mundo subaquático, o fotógrafo e mergulhador norte-americano David Doubilet é fotógrafo-residente da National Geographic Society desde 2001, embora a sua colaboração remonte ao início dos anos 70.Ao serviço desta revista, Doubilet publicou mais de 60 reportagens que o levaram a percorrer os grandes Oceanos da Terra e a imortalizar com a sua objectiva a fauna e a flora subaquática do Pacífico Sul ao Mar Vermelho.Autor de um trabalho que é admirado um pouco por todo o mundo, a fotografia subaquática é a sua maior paixão e o seu site oficial espelha isso mesmo.O site apresenta uma galeria de imagens dividida por categorias e uma colecção de livros e postais assinados pelo fotógrafo, que podem ser adquiridos online.A preto e branco ou a cores, são muitas as imagens que revelam a riqueza dos oceanos. Na secção Fine Art Prints estão arrumadas as mais artísticas, com acabamentos especiais.Antes de finalizar a sua visita não se esqueça de passar pelo portefólio de Doubilet, onde estão imortalizados alguns dos predadores mais famosos dos Oceanos.[Fonte: Ciberia]



domingo, 11 de janeiro de 2009

Os vencedores dos Prémios Piores Lobistas da UE 2008 (Worst EU Lobbying Awards)



Os vencedores do Worst UE Lobbying Awards 2008 foram revelados durante uma cerimónia em Bruxelas, dia 9 de Dezembro à noite, apesar de uma tentativa de última hora para amordaçar os organizadores com uma acção judicial por parte de um dos candidatos. Mais de 8500 pessoas tomaram parte na votação pública em linha.

Um dos candidatos ao Prémio Piores Conflito de Interesses, Fritz-Harald Wenig, funcionário da Comissão, tentou sem sucesso impedir a organização, através de uma acção judicial no Tribunal de Primeira Instância de Bruxelas para ter seu nome retirado da candidaturas e não ser mencionado o seu nome durante a cerimónia Worst Lobbying Awards. O tribunal decidiu que a liberdade de expressão foi mais importante neste caso.

Este prémio para os Piores Lobistas da UE 2008, com mais de 50% dos votos, vai para uma candidatura conjunta para os lobistas dos agrocombustíveis, o Conselho Malaysian Palm Oil, os barões do açúcar brasileiro UNICA empresa de energia Abengoa Bioenergia por utilização de informação enganosa e lavagem verde (greenwash). Estes lobistas tentaram influência decisiva nos debates do Parlamento e do Conselho Europeus, afirmando que os agrocombustíveis (culturas utilizadas para o combustível para automóveis e camiões) são sustentáveis.

O prémio para o Pior Conflito de Interesse 2008 vai para a eurodeputada finlandesa Piia-Noora Kauppi, com 26% dos votos expressos. MEP Kauppi tem vindo a promover os interesses de seu futuro empregador, um grupo lobista bancário , enquanto ainda membro activo do Parlamento Europeu. Kauppi tem repetidamente instado regulação light touch para o sector bancário e em Janeiro de 2009 será oficialmente contratada pela Federação Finlandesa de Serviços Financeiros.
Os Piores Lobistas da UE é organizado pela Corporate Europe Observatory, Friends of the Earth Europa, Lobbycontrol e Spinwatch.

Mais detalhes e lista completa:
Corporate Europe Observatory




sábado, 10 de janeiro de 2009

Plataforma No Gracias - plataforma pelo bom governo dos medicamentos


No Gracias, trata-se de uma plataforma para influenciar - e mudar - as relações entre a indústria farmacêutica, governo e profissionais da saúde.

Por iniciativa da Federação das Associações de Defesa da Saúde Pública (FADSP) é uma plataforma integrada no movimento internacional No Free Lunch e de suas subsidiárias nos E.U.A., Reino Unido, No Gracie, Pago Io (Itália) ...

A plataforma pretende sensibilizar a sociedade e em particular o sector da saúde - governo, profissionais e pacientes - para mudar o relacionamento, agora distorcido, com a indústria farmacêutica. A plataforma é reconhecido por iniciativa da OMS da boa governação para Medicamentos: um novo quadro ético de pôr em prática o valor, uso racional de medicamentos e de boa governação das instituições públicas.
e assina o Manifesto e divulga as nossas actividades.

Ver também


sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Compilações de e-livros, artigos e textos sobre biotecnologia, cancro, nutrição e energias renováveis


Encontrei há tempos um conjunto de pastas onde constam diversos e-livros, artigos e textos sobre biotecnologia, cancro, nutrição e energias renováveis. Atenção que dispões de três ou mais línguas (espanhol, francês, alemão e italiano) e que não são apenas traduções dos documentos em inglês, isto é, podem ser trabalhos desses países.É só descarregar.Boas leituras e melhores práticas.
Doc Biotechnology
Doc Cancers
Doc Nutrition
Doc Renewable Energy



quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Terras Luso-Galegas - novo vídeo BioTerra





O mesmo povo
Uma língua antiga
A mesma memória mineral, vegetal, animal e ecológica
Igual diversidade
Caminhos sem fronteiras

Um vídeo que também dedico em especial a uma amiga minha, Teresa Pereira, que faz anos hoje, Dia de Natal e que preza muito o conhecimento de ambas as culturas e um maior relacionamento dos Portugueses com os Galegos.




quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Fronteiras e Controvérsias em Astrofísica - curso ministrado por Charles Bailyn

Prof. Charles Bailyn faz uma visita guiada ao Kitt Peak National Observatory, onde explica a evolução tecnológica dos telescópios (vídeo cerca de 50 min.)


O ano 2009 é dedicado à Astronomia.
A Yale University tem produzido vários cursos gratuitos (designados por OpenYale) desde 2005 e que depois ficam disponíveis para consulta e possíveis de descarregar para o seu PC. Escolhi um que me parece particularmente importante para a Educação Ambiental e versa sobre a Astrofísica. A crise ecológica que vivemos passa também por compreendermos e avaliarmos a nossa posição no Cosmos. Compreendê-lo melhor, ajudará a nossa forma de viver. Este curso é ministrado por Charles Bailyn, cientista e investigador da matéria negra e dos buracos negros no Universo.
Toda a estrutura do curso, recursos, vídeos e anotações estão disponíveis nesta página.



terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Cidades hiperindustriais ou efeitos da desindustrialização


As cidades hiperindustriais não podem viver para sempre
(Eram) bons sonhos, mesmo delirantes e pouco despertos- exemplo a cidade Detroit(artigos em anexo).
1.Death of Detroit:Harbinger of Collapse of Deindustrialized America
2. Social crisis in Detroit—An investigative report



segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

As nossas Crianças nos acusarão (Nos Enfants nous accuseront)- um filme de Jean-Paul Jaud


Trailer


Entrevista ao realizador

O filme conta a corajosa iniciativa dum município do Gard, Barjac, em França, que decidiu oferecer refeições biológicas na cantina da escola. Os diversos intervenientes do filme, crianças, pais, professores, pessoal do serviço de saúde, jornalistas, agricultores, eleitos, investigadores relatam as suas sensações, as suas análises, as suas angústias, a sua ira, o fruto do seus trabalhos. Cada um conta a sua experiência, denuncia os abusos, coloca os problemas mas todos propõem soluções, se os diversos órgãos de decisão tomarem as suas responsabilidades. O filme começa na UNESCO aquando dum colóquio reunindo sumidades mundiais da medicina e signatários do Appel de Paris[Tradução de Je vois la Vie en Vert]
Mais informações na Página Oficial

sábado, 3 de janeiro de 2009

Fonte [tipo de letra] ecológica


Uma empresa Holandesa criou uma fonte informática que poupa 15 por cento de tinta na altura de imprimir. A ideia é reduzir os custos ambientais da impressão. Foi por isto que a Spranq desenvolveu a Ecofont, que inclui buracos minúsculos nos caracteres. Este pormenor faz com que seja usada menos tinta na altura de imprimir, pelo que se poupa até 15 por cento em toner ou cartuchos de tinta. Clica na imagem.
Apesar de os responsáveis admitirem que a fonte não é bonita, dizem que é adequada para uso privado ou interno numa empresa.
A fonte é oferecida de forma gratuita no sítio da empresa [Fonte: Exame Informática]



sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Jogo Reciclavidro (Reciclavidrio)



Cliquem na imagem para jogar!!


No rescaldo das festividades do Fim de Ano e com muitas garrafas de vidro inutilizadas, pode e deve servir de mote para falar, quem tem crianças em férias, sobre a importância da reciclagem do vidro e reutilização. Proponho um jogo para todas as idades.Reciclavidro é um jogo sobre a reciclagem de vidro com um visual muito atraente, fazendo uma abordagem simultaneamente educativa e divertida. Tem uma secção de jogos (quatro diferentes). Além dos produtos típicos de jogos Memória (Memory) traz uma opção virtual de músicas com garrafas.

[Tradução de João Soares. Fonte: Manos a la Tierra]




quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Facto

A leitura que Fernando Pessoa fez do mundo é a análise da crise que está em todas as crises.

Continuas a aceitar a merkeldoria? Já leram este texto de Robert Kurz - Eutanásia Económica?