quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Dossier Nanotecnologia: nanopatologia, nanoética e transumanismo

ATENÇÃO © Copyleft - É permitida a partilha do dossiê exclusivamente para fins não comerciais e desde que o autor e o BioTerra sejam citados.




Não esqueças de visitar regularmente este espaço para manteres-te actualizado

Instituições / Universidades / Laboratórios
Development of an Integrated Platform for Nanoparticles Analysis(DIPNA)
European Action Plan for Nanosciences and Nanotechnologies(Cordis)
Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia
Nanodiagnostics
Nanopathology

ONG / Sítios
Lifeboat Foundation: Safeguarding Humanity
NanoethicsNanologuePortal Nanowerk
Nanotech Wire
Renanosoma
World Care

Artigos/ Leituras
A Journey into the World of Atoms and Molecules
A nanotecnologia e os impactes ambientais- por João Soares
Carta Aberta à Biologia Sintética
Ethics in Nanotechnology: Starting from Scratch?
Nanofood: lessons to be learnt from the debate on GM crops?
Nanomedicine - Techniques, Potentials and Ethical Implications
Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente - 1º Seminário Internacional
Nanotecnologia, Sociedade e Meio Ambiente - 2º Seminário Internacional
Nanotechnologies: A Preliminary Risk Analysis Organized by the European Commission
Neutralidade da Ciência, desencantamento do Mundo e Controle da Natureza
Principles for the Oversight of Nanotechnologies and Nanomaterials
Pequeno Glossário de nanotecnologia
What can nanotechnology learn from the ethical and societal implications of biotechnology?

Livros em linha (online) gratuitos
Engines of Creation - The Coming Era of Nanotechnology
Nanomedicine
Unbounding the Future: the Nanotechnology Revolution

Investigadores em Nanotecnologia
Antonietta Gatti
Gary Marchant
J. Storrs Hall
Justin Hall-Tipping
Mette Ebbesen
Nadrian Seeman
Ralph Merkle
Vicki Chandler

Dossiês do BioTerra Relacionados
Alterações Climáticas
Artes
Austericídio
Bioética
Biologia
Blogosfera
Ciência
Corporações
Eco-Activismo
Ecofeminismo
Ensino
Filosofia
Física
Liberdade
Paz
Permacultura
Publicidade
Saúde Ambiental

Blogues
Blog~Nano

Nano Bot (Howard Lovy)
Nanoethics
Nanohype
Responsible Nanotecnology
Stefano Montanari
Transumanismo Portugal

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Dia Escolar da Não Violência e da Paz!

Mahatma Gandhi - Nove Horas Até a Eternidade (Nine Hours to Rama - 1963) - Legendado



A comemoração do dia 30 de Janeiro, a partir de 1964, teve como objectivo chamar a atenção para a necessidade de uma educação permanente pela Não-Violência e pela Paz. Nesta data (dia da morte de Mahatma Gandhi), procura-se igualmente sensibilizar para a tolerância, solidariedade e respeito pelos direitos humanos junto das escolas de todo o mundo.
Iniciativa pioneira, independente e não-governamental, levada avante pelo pedagogo e poeta catalão Llorenç Vidal

Volto a divulgar o meu dossiê Planificando a Paz [Dossiê]
 Para os jovens: a esperança. Para os idosos: a sabedoria! 
Paz. 
Porque estar em paz é sinal franco de felicidade! 
A melhor sensação, grátis  e livre de Felicidade, é construir a Paz!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Duas faces, uma realidade: urgência de medidas drásticas para a mitigação das alterações climáticas antropogénicas até 2012 (IPCC)




1. No Plano Internacional


Save Our Environment ONG sediada nos EUA, contesta os media de não questionarem os candidatos presidenciais sobre questões ambientais, solicitando todo o nosso apoio internacional

Oxalá que os jornalistas e os media portugueses não repitam esta tragicomédia dos media multinacionais dos EUA quando decorrerem as eleições para o próximo governo em 2009...

2. A Nível Nacional

Importante Evento

No âmbito do concurso Agir Ambiente do programa Gulbenkian Ambiente, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, o Núcleo de Ciências da Terra da Universidade do Minho está a organizar o I Congresso VIVER AMBIENTE, que se realizará nos dias 10 e 11 de Abril de 2008, no auditório principal do Complexo Pedagógico II da Universidade do Minho, em Braga.

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Morre Humberto da Cruz

1. Acabo de enterarme del fallecimiento de Humberto da Cruz, un referente en la historia del ecologismo español. Fundador de Amigos de la Tierra (quienes desgraciadamente no le han dedicado ni una sola línea en su página), llegó a ser director general del ICONA poco antes de la disolución de este polémico organismo, aunque tuvo tiempo para lograr la necesaria ampliación del Parque Nacional de Picos de Europa. Con aciertos y errores, como todos, nadie pudo negarle nunca el entusiasmo por lograr un mundo mejor.
Personalmente le debo su visión moderna de la protección de la Naturaleza, cuando durante largas veladas en su casa nos hablaba, ilusos jovenzuelos, de cómo avanzaban en este campo en Alemania, Suecia, Francia o el Reino Unido, seguro de que algún día también nosotros lo lograríamos aquí. Nos parecía un sueño maravilloso por el que valía la pena luchar. Él lo hizo toda su vida. Muchas gracias Humberto.
(Fonte: Caderno Verde).



2. Humberto da Cruz, um velho amigo, talvez pouco mais haja para dizer. Hoje sou informado por um velho camarada de muitas lutas, Mário Alves, do falecimento aos 12 de Janeiro deste incontornável referente das lutas ecologistas na Peninsula e pelo mundo.Com ele comparti muitos momentos, com ele partilhei convergências e divergências, visitei inúmeros locais por este mundo, de castelos na Escócia às florestas tropicais, de bares de jazz que ele também cultava em Madrid aos batuques africanos.Conheci-o em Evora há talvez trinta anos e desde então, acompanhei-o com a inseparável Mari Carmem e os dois pestinhas, na altura era a luta contra Ferrel, a central nuclear aí, e com ele também estive várias vezes nas Caldas.Fundador dos Amigos da Terra em Espanha dizem-me desta associação ignorado na hora do passamento. A reconstituição do passado tem costas largas. Aqui deixo a memória do tempo que vivemos e o registo, solitário, da dor com que nos deixa. Hoje uma vela ilumina o meu céu.( Fonte: Insignificante).

3.E o BIOTERRA também presta uma homenagem singela.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

O prisma da conversação

Clica na imagem para ampliares

Brian Solis has released the new Conversation Prism 4.0, with updated companies and categories for 2013.  This project series has been a favorite on Cool Infographics since version 1.0 was released in 2008, and we haven’t seen an update since version 3.0 was released in 2010.

WHAT IS THE CONVERSATION PRISM?

Developed in 2008 by Brian Solis, The Conversation Prism is a visual map of the social media landscape. It’s an ongoing study in digital ethnography that tracks dominant and promising social networks and organizes them by how they’re used in everyday life.
Version 4.0 brings about some of the most significant changes since the beginning. In this round, we moved away from the flower-like motif to simplify and focus the landscape. With all of the changes in social media, it would have been easier to expand the lens. Instead, we narrowed the view to focus on those that are on a path to mainstream understanding or acceptance. The result was the removal of 122 services while only adding 111. This introduces an opportunity for a series of industry or vertical-specific Prisms to be introduced so stay tuned.
The design highlights the major companies in 26 different categories of social networking services.  This update loses the flower-like design style of the last three versions, and changes to a more straightforward circle with equal sized pie slices.
The inner circles have always been a little confusing for readers and marketers because the intent is that the inner labels can be adjusted depending on the user.  They don’t necessarily relate specifically to the services they are located near in the outer slices.
As a snapshot of the current social media landscape, this is a fantastic tool for marketers to consider the tools and services they want to engage for any particular campaign.  Three years was too long to wait for an update, since this landscape is changing and evolving very quickly.  That’s why 122 individual services were removed and 111 services were added. 

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

* 2008 - Ano Internacional Planeta Terra *

* Planeta Oceano *



Vídeo BioTerra pela Conservação dos Mares e Oceanos



Os oceanos necessitam da tua ajuda:

1.Organização que certifica pescado com base em critérios ambientais:Marine Stewardship Council


2. Campanha Greenpeace PortugalQue peixe temos nos supermercados?

3. Petição da ONG Defenders of Wildlife Action Fund , ainda com cerca 2000 assinaturas, quando o objectivo (que é proteger o habitat de muitas espécies do Árctico) é primordial, quer seja a nível EUA, como de todos nós: Urge Congress to Permanently Protect the Arctic Refuge!

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

APELO - Escola Republicana em risco

Por Luís Mateus


PORQUE AS ESCOLAS PÚBLICAS SÃO DE TODOS NÓS,
RECUSAMOS A SUA TRANSFORMAÇÂO EM ESCOLAS PAROQUIAIS ; QUEREMOS ESCOLAS PÚBLICAS (REPUBLICANAS E LAICAS) QUE FORMEM CIDADÃOS PARA O NOSSO MUNDO E O NOSSO TEMPO !
Por iniciativa do Ministério da Educação (ME), está presentemente em debate público um novo projecto de governação das Escolas Públicas.


Em meu entender, contudo, o referido propósito legislativo do ME não cuida de explicitar qualquer avaliação crítica, sistemática e aprofundada das muitas e incoerentes pseudo-reformas que, nos últimos anos, em sucessivos processos sobrepostos e mal articulados, foram sendo impostas à nossa Escola Pública; limitando-se a alterar, para pior, aspectos não especialmente controversos, sem visar resolver qualquer dos efectivos e graves problemas existentes no nosso Sistema de Ensino.
Na verdade, recorrendo ao discurso da abertura das escolas ao exterior e da sua integração nas comunidades locais, servindo-se dos chavões (populistas) da descentralização e da autonomia, através da implementação daquele normativo, o ME propõe-se agora abdicar de um modelo de gestão – com aspectos, sem dúvida, discutíveis – assente em docentes por si directamente tutelados, para reforçar a participação, em regime de liderança forte, das famílias e das comunidades na governação dos estabelecimentos de ensino público. Trata-se, objectivamente, de semi-privatizar a Escola Pública (entregar parte significativa da sua gestão a entidades semi-privadas, ainda que mantendo o seu financiamento público) e de, muito previsivelmente, fazer dela mais um palco para manobras de influência dos pequenos poderes locais, quando não para os jogos e os negócios dos seus estreitos e imediatos interesses.
Em suma, presentemente, o Governo prepara-se para acabar com a Escola Pública (republicana e laica) - o instrumento estatal (ie: de todos nós) de formação de novos cidadãos para perspectivas humanistas e universalistas do mundo e da vida -, semi-privatizando-a e correndo, com esse processo, sérios riscos de a deixar fechar em lógicas acanhadas, paroquiais e provincianas.
Objectivamente, trata-se de atomizar o Sistema de Ensino e de comunitarizar a Escola Pública, alijando para autarquias locais e para mãos particulares (pais e outros encarregados de educação, párocos, notáveis locais, etc.), ou seja, para entidades e pessoas pouco ou nada preparadas para promover e tutelar uma gestão fundamentalmente pautada por critérios técnicos, científicos e pedagógicos, as responsabilidades (constitucionais republicanas) do Estado em matéria de Ensino e Educação.
Presentemente, estão já disponíveis (na Internet) duas petições:


1. Petição elaborada por um grupo de cidadãos : A SOCIEDADE PORTUGUESA E AS NOVAS GERAÇÕES MERECEM UMA ESCOLA PÚBLICA MELHOR

2. Petição elaborada pela FENPROF : POR UM REGIME DE DIRECÇÃO E GESTÃO QUE DEFENDA A DEMOCRACIA NA ESCOLA PÚBLICA E RESPEITE A PROFISSÃO DOCENTE

É muito importante que estas petições colham um apoio significativo no curto prazo da corrente fase de debate público.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

GATO FEDORENTO - Petróleo no Alentejo



Memorável!

Estou a ler: O Mundo Sem Nós de Alan Weisman



Legenda em Português (Scientific American Brasil) do filme:

Imagine que em uma manhã o dia começou como qualquer outro, mas com uma grande diferença: todos os humanos desapareceram. Como seria a Terra sem pessoas? Obviamente, muito mais silenciosa. Mas o que realmente aconteceria? Poderia a natureza apagar todos os traços da nossa existência? Algumas coisas mudariam rapidamente. Primeiro, os serviços de energia começariam a desligar. Em uma cidade como Nova York, as bombas nos metrôs seriam desligadas e a água invadiria tudo. As ruas acima entrariam em erosão rapidamente e desabariam. Em alguns dias, a natureza começaria a espalhar-se.Sem a constante atenção dos humanos, o exterior dos edifícios e construções ficaria imundo, racharia, e a vegetação começaria a se enraizar. Passo a passo, um estranho e novo ecossistema urbano começaria a se desenvolver. E rápido.Dez anos depois e o Central Park está se tornando um vasto pântano, como era no começo.Cem anos passam e a infra-estrutura de aço de muitos prédios está sendo corroída. As fachadas estão se soltando. Alguns começam a cair. O que antes eram agitadas avenidas, agora são canyons. Mil anos depois e quem sabe? Com o aquecimento global e a proliferação de descendentes de animais de zoológico, o Central Park começaria talvez a se parecer com algum lugar da África. Dez mil anos se passam. Talvez algum traço da nossa civilização permaneça, e não apenas o lixo tóxico que geramos para termos combustível para nossa existência. Uma Terra sem pessoas provavelmente seria muito diferente. Mas quem saberia disso?

Imagem Ponte 25 de Abril e a cidade de Lisboa passados 300 anos (Fonte: Animação e Texto publicados no Expresso, Outubro 2007)


Aconselho vivamente a ler o livro e também a Reportagem (de 8 páginas) Uma Terra Sem Humanos,publicada em Agosto de 2007 pela Scientific American Brasil

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Mais um contributo para a divulgação da Carta da Terra para Crianças e Jovens

Agora em versão digital, esta apresentação com texto de Sílvia Gonçalves, ilustrações de Leandro Bierhals e a organização de Valéria Viana (ler uma entrevista publicada na revista Educacional ), foram inicialmente impressos no ano de 2002, graças ao apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul e UNICEF, uma tiragem de aproximadamente 15 mil exemplares, distribuídos, parte na Rede Estadual de Ensino, parte para as crianças que participaram do II FórumZINHO Social Mundial.
Mais informações no sítio Carta da Terra

Sítio da semana recomendado


Global Peacebuilders é uma rede internacional de trabalho de resolução de conflitos, de transformação de conflitos e de iniciativas de construção da paz. Através de organizações em conexão, profissionais liberais , pesquisadores e outros grupos em todos os cantos do mundo, oferecemos uma sólida plataforma para a aprendizagem, a troca de práticas inovadoras e o desenvolvimento de parcerias internacionais para a reconciliação e a construção da paz.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

O Social Conformismo - The Bystander Effect - Além do Poder dos Média



Quando houver só uma pessoa em torno de uma situação, as pessoas à sua volta  estão muito mais propensos a prestar assistência às pessoas necessitadas, se é para ajudar a pegar algo que eles têm caído ou algo mais importante, como ajudá-los quando eles estão feridos.

Quando há um grupo de pessoas, porém, ninguém age. Todos eles esperam que alguém vai fazê-lo, por isso ninguém é voluntário ou para para averiguar os se passa.

Os testes de conformidade Asch foram uma série de estudos publicados na década de 1950 que demonstrou o poder de conformidade nos grupos. Estes também são conhecidos como o "Paradigma de Asch" e provou que as pessoas vão estar de acordo com uma opinião de um grupo, mesmo que os seus próprios pensamentos e perspectivas críticas entre em conflitos.

Isto tem um efeito profundo quando se trata de opinião pública sobre questões como a guerra, a corrupção da conspiração, (fato) teorias e até mesmo o que aconteceu em 11/09, uma vez que a maioria das pessoas segue o principal relógio de  fluxo de média televisiva, ea conformidade social será com base no que eles vêem no noticiário, muitas vezes ignorando as suas próprias opiniões de forma a não ser o proscrito e issso cria inacção e demissão do papel cívico.

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

ASAE - cidadão comum vs elite ; comércio local vs mercado global; produtos biológicos vs OGM; saúde ambiental vs tabaco

Imagem retirada do blogue Edições Pirata.

Para que o cidadão comum respeite as leis sobre actividade económica, surgiu a ASAE.
De acordo que algo tem que regular a pirataria, proteger os direitos de autor e a forma e higiene de apresentação dos produtos existentes na restauração e regular os mercados e feiras pelo nosso País fora, ...Contudo se for tudo embalado a plástico, corrremos o risco de desaparecer os produtos regionais e locais e a ASAE directa ou indirectamente transformar as nossas feiras a vender produtos embalados de França, Equador,vender também marcas brancas tipo é...como se fossem os Continentes, Pingo-Doces ao ar livre!!! Além disso todos sabemos as implicações ecológicas dos plásticos....Haja bom senso!!
Em relação ao tabaco, mete-me tristeza ver como a sociedade está tão obediente e cumpridora, quando se vê mais uma vez que há excepções gritantes, como o episódio do próprio Presidente da ASAE que foi fotografado a fumar um charuto no interior de um casino...
Há muito a fazer em relação à protecção da Saúde Ambiental de todos nós e não apenas o combate ao tabaco e tabagismo...
Não devia a ASAE também estar preocupada com a rotulagem dos produtos OGM? Não devia a ASAE regular os stands de automóveis e as lojas de venda de electrodomésticos, por forma a proteger o consumidor e cidadão na verificação da rotulagem ecológica, nomeadamente em eficiência energética e emissões de CO2?
Por fim, onde estão as verdadeiras medidas de Saúde Ambiental, a protecção do comércio local (mitigando os efeitos das alterações climáticas e protegendo bens alimentares regionais), o combate à Publicidade, a Redução de Resíduos e parar com politicas de excepção???

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Preservemos a água...JÁ!



Ao fim de quase três meses de um Inverno pouco chuvoso sem nenhuma acção de sensibilização pública de poupança da água, eis que nesta semana chuveu alguma coisa e os nossos políticos sentiram-se aliviados. Contudo estaremos mesmo a salvo de uma seca?? Não era importante ter sido feita uma campanha insistindo na conservação da água???

AVISOS DE ESPANHA
Navios poderão fornecer água a Barcelona
(JN, 4 de Janeiro)

O Governo da Catalunha (Espanha) está a estudar a possibilidade de abastecer de água potável a cidade de Barcelona a partir de navios, como medida para colmatar a falta de água nas reservas da região (...)Os dados do Governo indicam que 2007 foi o ano com piores níveis de precipitação da última década, obrigando a activar situações de excepção nas bacias dos rios Ter, Muga e Llobregat, com restrições ao consumo em várias zonas e que poderão chegar à própria zona metropolitana de Barcelona.



Sítio Seleccionado

Water Science for School (da
U.S. Geological Survey's )

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Flashmob do dia: reciclar uma garrafa de plástico PET- felizmente ainda existem excelentes pessoas!!




Leiam os comentários (parvos) e até agressivos sobre esta (educativa/formativa e excelente) iniciativa...não é só em Portugal que mais de 80% das pessoas se dizem preocupadas com o ambiente, mas apenas 16% (serão menos, pois eu estou a fazer estimativas  do que leio em estudos noutros países) estão mesmo empenhadas no crescimento sustentável e com um sentimento ecocêntrico nas suas práticas diárias.