segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Ecojustiça, Químicos, Monsanto, Banca, Multinacionais, Amianto, Lei, Biodiversidade...Harmonia Mundi...




Este artigo do Ecologist [1], relatando a impotência e angústia dos habitantes de dezenas de vilas escocesas cujos rios foram contaminados com químicos da Monsanto e não viram a Justiça reconhecer o princípio poluidor-pagador...levanta muitas questões e inquietações...
Pois...vamos por aí vamos: as empresas fazerem-se de vítimas quando vemos privatizações à força e à bruta [2], instituições públicas a nível europeu a assinarem protocolos verdes com empresas que reincidem com atentados ao ambiente [3] e concorrem aos certificados ambientais apenas para lucros provenientes de engenharia de marketing (como adoptarem a cor verde nas siglas ou mostrarem carros a desfazerem-se em peixinhos numa curva).As empresas e a banca, cada vez mais multinacionalizadas, irão mesmo apoiar projectos de conservação da natureza, dos Parques e Reservas Naturais [3.1]? Irão mesmo substituir o Estado e a Europa naquilo que se propôem fazer no Direito Ambiental de cada estado-membro Europeu [3.2] ou asssistiremos à flexibilidade dos seus projectos financeiros e menor segurança ambiental? Se não criarmos mecanismos de ética profunda nos mercados...onde iremos parar?

Com esta postagem solidarizo-me com os escoceses que se viram derrotados pela Justiça [1], solidarizo-me com os povos que lhes foram retiradas as terras, os lagos, a língua e cultura e que vêm-se forçados à extinção [vídeo Dead Can Dance-Yulunga], solidarizo-me com os povos e pessoas em que as multinacionais do agronegócio lhes retiram a agricultura de sustento [4],solidarizo-me com os jornalistas que exigem informação transparente [5]. Solidarizo-me com as nossas gentes que não querem antenas de muita alta tensão, solidarizo-me com as nossas gentes que querem escolas sem amianto (em há uma lei que diz que é proíbido o amianto [6] e o Estado não quer retirar o fibrocimento com amianto nas nossas escolas). Solidarizo-me com todos os que defendem que BIODIVERSIDADE há só uma e não bidiversidade de primeira e de segunda (vulgo espécies cinegéticas, caça e sobrepesca) e estão no terreno zelando pela biossegurança, pela conservação dos rios, campos, mares e ar e por esse meio anseiam por um mundo livre de conflitos amrmados [7].


[1] The Ecologist- Has the Environment Agency obstructed the course of justice?

[2] Privatização: benefícios duvidosos, riscos concretos

[3] Iniciativa Business e Biodiversity (BB) da União Europeia; BB original (em inglês)

[3.1] Só 10% de empresas preencheram 1 relatório de sustentabilidade em 2005; 65% até reconhecem que houve benefícios operacionais e 81 % das empresas referem a Reputação e Marca como a causa principal para preenchimento desses relatórios

[3.2] Ainda há um longo caminho a percorrer- BCSD Portugal e Empresas associadas

[4] Documentário de 1 h, mostrando o fiasco de campos de algodão transgénico na Índia e de contaminação de produções de agricultura orgânica e convencional

[5] Notícia do The Independent, domingo, 28 de Outubro, informa que vários documentos, obtidos por meio da lei sobre a liberdade de informação britânica, demonstram que o Governo conluiu com uma empresa de biotecnologia definindo as condições de ensaio batatas GM e oferece dezenas de milhões de libras por ano para impulsionar investigação sobre culturas e alimentos modificados.

[6] O Dec. Lei n.º 101/2005, de 23-6 que proíbe a colocação no mercado e a utilização de produtos contendo amianto

[7] Petição Greenpeace para Nobel da Paz 2008

Sítio da semana

Pesticide Watch

Documentário da Semana- O Silêncio das Abelhas (em Francês)



Havia uma versão legendada em Português, mas foi bloqueada.


Os cientistas dizem que podemos estar enfrentando uma catástrofe global. Nos últimos seis meses (2012) até 80% das abelhas norte-americanas simplesmente desapareceram. Agora o pesadelo se espalhou para a Europa. Será que isto é o primeiro sinal de um colapso ecológico gigantesco? Fantásticas fotografias macroscópicas nos darão uma visão mais detalhada do papel crucial que as abelhas desempenham em nosso ecossistema. Exploraremos as teorias divergentes sobre as causas por trás de seu rápido desaparecimento.

sábado, 27 de outubro de 2007

Unnatural Selection - documentário sobre os perigos dos OGM



Premiado Best Film (CineEco, Portugal), Best Long Production, (IEFF, Brazil)e Best Journalistic Achievement (IEFF, Germany).

Este documentário europeu revela as principais consequências da engenharia genética em todo o mundo. Uma falhad acampanha de algodão transgénico deu origem a suicídios de agricultores na Índia. Canola transgénica tem contaminado as produções orgâncas e convencionais no Canadá.

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Sítio da CARTA DA TERRA em português



Recebido por correio electrónico

Prezad@s,

é com grande alegria que anuncio que o sítio da CARTA DA TERRA está no ar e já estamos recebendo muitas visitas e contatos. Conheçam e divulguem.

Ali temos informações, textos e documentos sobre a Carta da Terra em português e espanhol, além de textos básicos na área de educação e sustentabilidade.Nossa biblioteca está em construção e esperamos receber suas contribuições. Por favor, mandem textos.Agradecemos muitos a tod@s que autorizaram a publicação de seus textos em nossa biblioteca. VALEU MESMO!!

Fizemos menção a todos os representantes brasileiros da CARTA DA TERRA, colocando o nome, instituição, link e contato.

Neste e-mail receberemos os links dos sites de vocês para divulgar em nosso espaço e também textos e demais contribuições.

Eu gostaria de pedir que o link do site da CARTA DA TERRA fosse divulgado em suas homepages para aumentar nossa divulgação e atingir uma população maior.

Muito obrigada,

Abraços para tod@s,

Valéria Viana Labrea

Coordenadora Distrital do Programa Escola Aberta Universidade de Brasília

Mais dois sítios muito interessantes:

ACME- An International E-Journal for Critical Geographies- Uma abordagem inovadora da Geografia

Population Reference Bureau Com imensa informação, actualizada e vários documentos disponíveis gratuitamente;PPT para apresentar nas aulas, etc...




Video musical capturado durante um Verão numa manhã 2004.Misturei usando Vegas Video - Gravado usando o meu gravador mini - dv e instantâneos de uma base 1mg camera.Musica Oomingmak por The Cocteau Twins (Tradução daqui).

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Cultura, o elo perdido da sustentabilidade

Entenda a economia criativa e o seu potencial para construção de um futuro sustentável.

Imagine um mundo onde a marca pode representar mais de 75% do valor de uma empresa, enquanto que os recursos naturais se tornam cada vez mais escassos. Diante desse quadro, a desmaterialização da economia passa a ser o foco da estratégia de desenvolvimento dos negócios e governos.

O cenário descrito acima se enquadraria perfeitamente aos dias atuais não fosse pelo último aspecto. O Google, um dos maiores casos de sucesso da atualidade, tem na sua marca, cujo valor estimado é de US$ 100 bilhões, o maior fator de desempenho, superando até mesmo seus próprios produtos e serviços. No entanto, a economia continua seguindo a lógica de gestão de recursos escassos. Como resultado disso, já ultrapassamos em 20% a capacidade de suporte e reposição da biosfera.

Esses dados, já bastante difundidos, reforçam a importância de buscar estratégias de desenvolvimento sustentável, acelerando a desmaterialização da economia. No entanto, a grande dúvida continua sendo como vialibizar essa transição de modelos econômicos e de pensamento. Uma das novidades nesse debate está na constatação de que, se a sustentabilidade é o fim, a cultura pode ser o meio para construir esse futuro desejado. Esse foi um dos focos de discussão da rodada de diálogo sobre economia criativa, que integrou a programação do FILE 2010, em São Paulo.

A mesa, coordenada por Lala De Heinzelin, assessora do Programa de Economia Criativa da South-South Cooperation, unidade do PNUD, contou com a participação de Liliana Magalhães, superintendente do Santander Cultural, Luciane Gorgulho, chefe do departamento de cultura, entretenimento e turismo do BNDES e Maria Arlete Gonçalves, diretora de cultura do Oi Futuro.

De acordo com a ONU, a economia criativa é responsável por 10% do PIB mundial. No relatório Creative Economy, a UNCTAD divulga que, entre 2000 e 2005, os produtos e serviços criativos mundiais cresceram a uma taxa média anual de 8,7%. Duas vezes mais do que o setor de manufaturas e quatro vezes mais do que a indústria.

O conceito ainda em formação, foi criado para designar um setor que inclui, porém extrapola a cultura e as indústrias criativas. De forma muito simplificada, podemos dizer que reúne as atividades que têm na cultura e na criatividade a sua matéria prima. É um conceito amplo o suficiente para incluir a diversidade, tanto de linguagem quanto de modelos de negócios, englobando uma vasta gama de atividades que vai do indivíduo que trabalha educação complementar por meio da música a uma grife de automóveis de luxo.

Segundo Lala, estamos vivendo uma mudança de época, talvez, comparável apenas ao renascimento. Esse período é caracterizado pela transição de uma centralidade - que existiu durante décadas, em que todos os recursos eram tangíveis e, portanto, finitos - para um momento em que aquilo que tem mais valor está ligado ao intangível. Nesse contexto, temos um recurso que é como se fosse a galinha dos ovos de ouro porque tudo aquilo que está ligado ao intangível conhecimento, criatividade e cultura além de não se esgotar, se multiplica e renova, explica.

Não sem razão alguns países já elegeram a economia criativa como estratégia número 1 de desenvolvimento. É o caso do Reino Unido e, mais recentemente da China. A potência asiática adentra a era de pós-industrialização, em que a integração global e o consumo cultural estão exercendo um impacto crescente, sobretudo no ambiente urbano.

Segundo a consultoria chinesa CCID Consulting, a indústria criativa e cultural já movimenta cerca de 170 bilhões de yuans, representando "uma tendência de crescimento reverso" para a crise financeira global com potencial de revitalizar a economia chinesa. O país conta com um Plano de Revitalização da Indústria Cultural, aprovado pelo Comitê Permanente do Conselho de Estado, cujo objetivo é orientar o desenvolvimento futuro desse setor. Em cidades como Beijing, a economia criativa cresce a uma taxa anual de 50%. (Confira mais dados no box abaixo).

Construção de capital social

Além de apresentar um grande potencial econômico, a economia criativa contempla atividades que atuam como fator de interação social, fortalecendo os valores, diferenciais e credibilidade de comunidades e empresas.

A cultura representa o quarto pilar da sustentabilidade. É o que traz o nosso diferencial, pois permite que se agreguem valores. Ela vai ao encontro da nova sociedade do conhecimento, em que o poder está na troca, afirma Liliana Magalhães, superintendente do Santander Cultural.

Possuidor de uma das diversidades biológicas e culturais mais ricas do planeta, o Brasil proporciona um ambiente propício para o avanço de um modelo de desenvolvimento baseado nos pilares econômico, ambiental social e cultural. Não são raros os exemplos de negócios que já trabalham nessa perspectiva, mas devido a falta de indicadores e mecanismos de incentivo adequados eles continuam a margem da economia.

O BNDES, um dos maiores bancos de fomento do mundo com um livro de desembolso de R$ 130 bilhões, tem se dedicado a desenvolver métodos para mensurar esse valor e que também possam embasar o financiamento às atividades criativas. Desde 2006, conta com um departamento de cultura, entretenimento e turismo, que disponibiliza linhas de crédito e fundos de investimento para esses setores. Esses recursos estão sob o guarda-chuva do Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura estruturado em três subprogramas: BNDES Procult Financiamento, BNDES Procult Renda Variável e BNDES Procult Não Reembolsável.

Segundo Luciane Gorgulho, do BNDES, há recursos para fomentar a economia criativa, o que falta é dar visibilidade a esse setor, uma vez que ainda não existem muitas estatísticas sobre o tema. É importante disseminar suas histórias de sucesso da economia criativa, setor que hoje enfrenta dificuldades semelhantes das empresas de software, muitas delas surgidas em garagens, destaca. Esse segmento de tecnologia ganhou credibilidade a partir da repercussão de casos de sucesso e se consolidou apesar da bolha da internet.

E como sair dos limites que estamos acostumados a atuar?, provoca Lala. Segundo ela a solução que uma empresa está buscando pode estar em um trabalho desenvolvida por um garoto na periferia. Os negócios têm um papel importante para o fomento da economia criativa porque podem conferir acesso e credibilidade. Se o mesmo menino lançar determinada solução poderá enfrentar resistência em alguns setores. Mas essa dificuldade pode ser minimizada se uma grande empresa identificar seu projeto e de alguma maneira apoiá-lo.

Essa integração é fundamental, pois ajuda a construir confiança, um ativos mais comprometidos desde a última crise financeira global. É preciso haver um entendimento que o desenvolvimento resulta de um processo coletivo e que é essencial se conectar a outros para ter força de reverberação, afirma Liliana, do Santander.

Ainda segundo Lala, o principal fator que impede o País de transformar em realidade seus potenciais e recursos consiste na falta de capital social, resultado da articulação de diferentes setores. As potências endógenas só vão se concretizar se houver um processo capaz de elevar a auto-estima e, ao fazê-lo, reforçar os laços e a identidade, estimulando a cidadania. Tendemos a achar que a semente é a maçã e tentamos vender a torta. Mas antes é necessário preparar o terreno para essa semente germinar e tornar essa torta desejável, reforça.

Quem é quem na economia criativa

Reino Unido

As indústrias criativas britânicas geram £67 bilhões em receitas e crescem duas vezes mais do que o restante da economia.

Esse setor também tem um papel vital na construção de um futuro sustentável

Formalmente definidas como as artes cênicas, antiguidades, artesanato, arquitetura, design, moda, publicidade, rádio e TV, cinema e vídeo, música, publicações, jogos de vídeo e software, a inovação, as indústrias criativas terão um papel fundamental no enfrentamento dos grandes desafios do nosso tempo - a escassez de recursos, mudanças climáticas, resíduos, poluição, uma população em crescimento e pobreza.

Alguns exemplos já existentes:

O movimento Bauhaus defendeu uma filosofia de design da justiça e utilidade, para fornecer o acesso universal a um bom design, melhor habitação e uma vida melhor para todos.

Nos últimos 20 anos, o marketing social ajudou a educar, sensibilizar e comunicar, questões tão amplas como o comportamento anti-social em trens, estilos de vida mais saudáveis e os malefícios do cigarro.

Novas formas de mídia social habilitadas por software de TI e plataformas como o Twitter, kiva ou NetSquared estão diminuindo distâncias geográficas e sociais, proporcionando que as pessoas se mobilizem na busca de soluções para problemas que lhes são comuns.

A arquitetura verde agora é mainstream e já há exemplos emblemáticos de excelência de construção seguindo princípios de sustentabilidade, como o Eden Project, a vila dos Jogos Olímpicos, entre outros.

Adaptado de artigo publicado no Forum for the Future

China

A indústria criativa movimenta cerca de 170 bilhões de yuans, representando uma alternativa ao modelo de desenvolvimento centrado na rápida urbanização que trouxe uma série de problemas sociais e ambientais.

A economia criativa já é foco de investimento e políticas públicas. O país conta com um Plano de Revitalização da Indústria Cultural, aprovado pelo Comitê Permanente do Conselho de Estado, cujo objetivo é orientar o desenvolvimento futuro desse setor.

Em Beijing, Shanghai and Shenzhen, as indústrias criativas crescem cerca de 12.3%, 13.3% e 15.0%, respectivamente, enquanto que o PIB dessas cidades cresce 19.4%, 22.8% e 25.9%, respectivamente. Em 2008, o valor acrescentado no setor cultural criativo em Pequim superou os 100 bilhões de yuans, representando 9% do PIB da cidade. E, esse número ainda está crescendo a uma taxa anual de mais de 50%.

Adaptado de artigo publicado originalmente na Bloomberg

Brasil

A indústria criativa movimenta R$ 381 bilhões e emprega 35,2 milhões de pessoas. O setor representa 16,4% PIB brasileiro:

2,6 % - 12 áreas principais: artes visuais, publicidade, expressões culturais, televisão, música, artes cênicas, filme e vídeo, mercado editorial, software, moda, arquitetura e design)

5,4% - atividades relacionadas a essas áreas: material de artesanato, publicidade, instrumentos musicais, registro de marcas e patentes, dentre outras)

8,4% - atividades de apoio: consultoria especializada, insumos, maquinários)

Autor: Envolverde/Idéia Socioambiental

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Nesta era da globalização falta globalizar a ecossolidariedade...



10 Princípios do Condomínio da Terra
Por
Paulo Magalhães

1. Temos de encarar a crise ambiental mundial, não como um problema do ambiente, mas como um problema da Comunidade dos Homens.

2. Para resolver a crise ambiental mundial, temos de resolver o problema jurídico da coordenação duma multitude de soberanias (Estados) exercidas sobre um bem materialmente indiviso (Terra), conformado por componentes insusceptíveis de divisão jurídica, mas dos quais todas as soberanias são funcionalmente dependentes.

3. Só na definição e prossecução do interesse comum (Terra), será possível continuar a garantir, a cada Estado, os seus direitos - sob pena de estes brevemente deixarem de ter objecto.

4. Um projecto Condomínio da Terra tem que distinguir as fracções estaduais das partes comuns: cada condómino é soberano dentro do seu território e, ao mesmo tempo, detentor de uma soberania partilhada das partes comuns do planeta.

5. As partes comuns são constituídas pelas partes que, de um ponto de vista ambiental, são: a) necessariamente comuns (a Atmosfera e Hidrosfera), e b) presumidamente comuns (a Biodiversidade).

6. Existirá um regulamento do Condomínio da Terra que disciplina o uso, fruição e conservação das partes comuns, e uma Administração que será eleita em Assembleia de Condóminos (Estados).

7. Existe um direito/dever igual per capita no uso/conservação dos bens comuns; logo a votação relativa de cada condómino deverá ser aferida em função do número de habitantes de cada soberania.

8. Cada condómino comparticipará nas despesas necessárias à conservação ou fruição das partes comuns, de forma equitativa, em função do número de habitantes ou do uso efectivamente realizado de partes comuns, quando este for determinável, no sentido de garantir a coincidência entre o óptimo social e o óptimo ecológico.

9. Competirá ao Administrador do Condomínio receber todas as verbas provenientes dos Condóminos e promover projectos de conservação e melhoramento das partes comuns, bem como, compensar todos os condóminos que no seio dos seus estados contribuam para a sua manutenção e melhoramento.

10. Compete ao Condomínio da Terra descobrir formas de compatibilizar os sistemas jurídico e económico com o Sistema Natural Terrestre.

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Frente do Algarve Livre de Transgénicos - Abelhas estão a Morrer


Abelhas estão a morrer

Texto publicado na Revista O Apicultor Jul/Set 07

Recentemente a União Europeia e Portugal autorizam a instalação de culturas agrícolas transgénicas, nomeadamente o milho, que se juntou à colza transgénica já anteriormente cultivada em França.

Muito embora os benefícios económicos da sementeira do milho transgénico em território nacional sejam ainda questionáveis, na realidade o interesse por parte dos agricultores Portugueses tem aumentado como se verifica pelo aumento dos pedidos de licenças de sementeira.

O genoma do milho transgénico foi artificialmente modificado de modo a sintetizar proteínas com acção pesticida idênticas às presentes na bactéria Bacillus thuringiensis, usado desde há vários anos no combate a diversas lagartas, não só do milho mas de outras culturas. Este pesticida, que é especifico só para lepidópteros (borboletas e as suas lagartas), não produz , aparentemente, qualquer efeito prejudicial nos restantes insectos de outras famílias, nomeadamente himenópteros (abelhas).

Pela aparente segurança que o milho transgénico garante os ambientalistas não têm conseguido convencer totalmente os governantes a restringir o seu cultivo. As abelhas em particular não mostram grande interesse pelos campos de milho quando existem outras plantas boas fontes de pólen próximas e que garantem a sua subsistência. Porém, as abelhas chegam a alimentar-se quase exclusivamente de pólen de milho quando em caso de carência alimentar ou quando os apiários se situam em áreas de grandes plantações deste cereal, como provou Louveaux nos celebres trabalhos da década de 60. Este investigador encontrou apiários na zona de Landes, em França, a satisfazer cerca de 90% das suas necessidades em pólen com as flores milho, prolongando-se esta situação durante quase um mês até ao inicio da floração da Caluna vulgaris no final de Agosto.

Num estudo das cargas polinicas das abelhas que conduzimos, durante um período de 3 anos (2002-2004), verificou-se, na freguesia de Cesar (distrito de Aveiro, concelho de Oliveira de Azeméis), que o pólen de milho chegou a satisfazer, em algumas semanas, 17% das necessidades das abelhas(figura 1) o que representou nas colónias estudadas aproximadamente 0,5 kg. Actualmente, graças ao recurso a modernas tecnologias, concluiu-se que as abelhas podem fazer colheitas até 10km e forragear em média num raio de 6km (e não 3 como se acreditava), o que significa que a area util de uma colmeia anda em torno de cerca de 113km2.

Quanto à dispersão pelo vento o alcance do fluxo de pólen de milho tem vindo a ser subestimado pois algumas entidades oficiais, embora reforçadas por trabalhos científicos consideram que uma distancia de 300 a 1000m em relação a outras culturas não transgénicas é suficiente para evitar o cruzamento entre plantas porém, como foi observado no nosso trabalho, mesmo numa zona onde a área cultivada com milho disponível, mesmo transgénico, este será colhido pelas abelhas em grandes quantidades, muito superiores ás distancias de segurança geralmente estabelecidas, sendo, por consequência, possível que seja transportado até longas distancias.

Deste modo o pólen de culturas transgénicas, como o milho, algodão e colza, pode chegar a polinizar plantações bastante afastadas ou ser armazenado nos favos das abelhas. No ano 2000 a opinião pública dos Estados Unidos da América foi abalada por uma serie de trabalhos científicos afirmando que as lagartas da borboleta monarca (Danaus plexippus), uma da “bandeiras dos ecologistas norte americanos, podiam ser afectadas indirectamente se ingerissem, mesmo em pequenas quantidades, o pólen oriundo de milho transgénico depositado em ervas daninhas nas borboletas dos campos.

De facto, o impacto desta noticia abalou, embora momentaneamente, a credibilidade da alegada segurança das plantas modificadas geneticamente. O argumento utilizado para defender a plantação de milho transgénico foi de que quando o milho se encontrava em floração a maioria das lagartas já se tinham transformado em borboletas e por conseguinte o risco para esta população seria muito baixo.

A abelha (Apis mellifera) e outros polinizadores trabalham activamente esta planta, usando-a como fonte de pólen, apesar do seu conteúdo em proteína (cerca de 15%) ser considerado relativamente baixo. Como o milho é uma das últimas plantas a florir antes do período invernal o seu pólen poderá ficar na colmeia por vários meses até ser totalmente consumido.

Nas colmeias é frequente existirem, em autentica simbiose com as abelhas, pequenas borboletas a que chamamos traças da cera, geralmente das espécies Achroia grisella e Galeria mellonella. Como é sabido as traças só são encontradas nas colmeias quando as colónias estão fracas e em circunstância alguma são directamente prejudiciais às abelhas.

Embora sejam geralmente consideradas como pragas dos favos armazenados a sua presença na colmeia torna-se benéfica uma vez que não só favos velhos e inutilizados (principalmente em colónias selvagens) como, em caso de morte, destroem toda a cera restante que tenha contido larvas e pólen. Deste modo desempenham um papel importante no controlo de diversas doenças microbianas que afectam as abelhas e outros insectos.

Caso assim não fosse, se os favos ficassem por períodos muito longos no ambiente, seriam inexoravelmente um foco de doenças, pelo que as traças da cera são, sem dúvida, insectos úteis para as abelhas e por conseguinte para o homem.

Muitas vezes as epidemias de podridão loque americana e europeia poderiam ser evitadas caso os apicultores não insistissem em usar a cera das colónias mortas quer misturando com cera novas quer reutilizando os seus quadros. Deste modo a doença em vez de se restringir à colónia afectada, como sucede na natureza alastrará às demais colónias pois a acção limpadora das traças foi impedida.

Com a introdução de culturas transgénicas, e sem estarmos conscientes disso, estamos a desequilibrar o sistema ecológico ainda existente entre os polinizadores e particularmente as abelhas e as traças da cera.

As traças da cera são sensíveis, como os demais insectos da sua família, ao pólen de milho transgénico, chegando a 100% de mortalidade quando o ingerem, mesmo em pequena quantidade.

Surge portanto como natural que sempre que houver pólen de milho transgénico armazenado na colmeia as traças da cera sejam incapazes de a decompor e deste modo ficará por longos períodos no ambiente representado, assim, além de um distúrbio ecológico, um problema para a apicultura e para as populações de insectos polinizadores em geral.

O futuro o dirá!

Os nossos agradecimentos pelo apoio da Estação Experimental de Hortofloricultura da DRAEM, em particular ao Srº Eng.º Henrique Arteiro e à Fundação para a Ciência e Tecnologia (bolsa BD/7049).

O presente texto constitui uma adaptação do artigo Bt transgenic maize pollen and the silent poisoning of the hive publicado pelos mesmos autores no Journal of Apicultural Research 46: 57 – 58 (2007).

Frente do Algarve Livre de Transgénicos Telf. e Fax 282 459 242

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Sair do Nuclear é possível!



A. Do mais recente para o mais antigo

1. Durão Barroso apela à Europa para se empenhar numa terceira revolução industrial, a do nuclear. Mas países como a Austria, a Alemanha, a Irlanda, a Letónia, a Noruega e a Itália mostram-se reticentes, alegando o aumento dos perigos da proliferação nuclear

2. Na Itália, as autoridades investigam um clã mafioso suspeito de alegado contrabando de lixo nuclear para a Somália para produção de plutónio.

3. Combustível radioactivo da central nuclear de Almaraz vai ser transportado de camião para a Bélgica. Só a segurança representa 297 milhões de euros.

4. Há 30 grupos interessado na construção da central nuclear de Cernavoda, na Roménia.

5. A Letónia, a Estónia, a Lituânia e a Polónia vão assinar acordo de construção de central nuclear que substituirá a de Ignalina. (via blogue Ondas)

B. Ver e ler aqui a lista dos 10 locais mais poluídos do Mundo Relatório 2007 do Blacksmith Institute, publicado em Setembro deste ano, CHERNOBYL, UKRAINE, mantém-se, bem como locais onde existem fábricas de exploração mineira de metais pesados.

C. Sobre o ITER , Stephane Lhomme, da organização ambientalista francesa Sortir du Nucléaire (Sair do Nuclear), disse à IPS que o reactor apresenta uma tecnologia muito perigosa e sem futuro. Lhomme considera provável que o ITER nunca produza energia, o que o converteria num novo fracasso do governo. O Estado francês investiu quase US$ 9 bilhões no reactor nuclear Superphénix antes de fechá-lo em 1998 porque não chegou a gerar um único watt de energia, recordou o cientista. (Julho de 2005)

Como sair do Nuclear?

Impulsionar políticas e práticas de eficiência energética, reestruturação de entidades políticas-chave como a ONU (não haver direito a veto, por exemplo), reestruturação da CEE (reforço de participação cívica, orçamentos participativos, etc...), paradigmas socio-culturais mais equilibrados (regulação da população humana a nível do planeta), de planos nacionais e regionais de Educação Ambiental, Alimentar, de Mobilidade e de Saúde Ambiental transversais em todas as sociedades, produção sustentável de energia e medidas de remediação para as consequências que as alterações climáticas previsivelmente terão a prazo (menos barragens, mais reabilitação do imobiliário construído, agricultura biológica, etc...)

domingo, 14 de outubro de 2007

Destruir a Escola Rural... ou refundá-la?

Uma boa causa - crónica de António Pina sobre o novo Estatuto do Deputado publicado em Julho no DR, informação obtida via Sardera

De regresso à escola- análise mordaz e bem-humorada, via Ponte do Sor

Venda de livros escolares usados- informação via Kaska&Deskaska.Os meus parabéns a Patric Figueiredo, jovem de 16 anos, pela excelente iniciativa!

A realidade Portuguesa longe do belo filme Ser e Ter, 2002

As imagens da inauguração em Resende não mostraram o exterior da Escola....foi pena, porque quase aposto que não tem fonte de energia fototérmica e que se ignoraram outros requisitos de uma ecoconstrução, prevenindo gastos de energia.A descentralização energética a todos os níveis é possível e permitiria até vender à rede nacional.Noutro plano, te(re)mos o avanço de hiperprojectos imobiliários e hoteleiros em nome dos PIN (vide o que se passa em relação ao Alqueva), ou junto a (novas) barragens desnecessárias(Rio Sabor), com a criação de mais campos de golfe....e deste modo, além de um Allgarve,teremos um ALLinterior. Como José Marques refere no seu texto, que reproduzo abaixo,a escola rural é o núcleo central de ligação de famílias à aldeia, se queremos o interior vivo, preservado nas suas componentes socioambientais, sem vedar às populações rurais o mesmo conforto e o mesmo plano tecnológico.Por tudo atrás exposto, entendo que é urgente refundar a escola rural.
Destruir a Escola Rural... ou refundá-la?
Por: José Carlos Marques
Qua, 12 de Set de 2007
Os nossos governantes lançam foguetes porque, em vez de umas quantas escolas más que fecharam (maldades que cabia ao poder ter evitado ou reparar), abrem agora uma com mais de vinte salas e mais de duzentas crianças da idade primária.Mas continuará a ser uma escola... ou irá a caminho de ser uma caserna? Não bastaria o exemplo das escolas secundárias com dois e três mil alunos que destroem qualquer possibilidade de uma comunidade escolar real? Ora, mais de duzentos alunos em idades que incluem muitas crianças de apenas 6 ou 7 anos é, creio, mais do que aconselha uma transição gradual do ambiente da família para o ambiente social alargado, que caberia fazer aos primeiros anos de escolaridade obrigatória.Com excepção dos casos mais extremos, as justificações pedagógicas para o encerramento de milhares de escolas rurais são poeira para os olhos.Distribuído pelo jornal Público neste Inverno, o filme Ser e Ter (Être et Avoir, na versão original), que teve retumbante êxito em França, e que é real e não ficção, mostra bem como uma escola rural de 13-14 crianças com idades desde os 4 aos 10-11 anos, pode ser uma excelente escola.O poder está apostado em destruir a escola rural, em muitos lugares ainda a única âncora que segura tenuemente as famílias à terra. Esse fecho, como aliás o de outros serviços, é uma clara opção política na concentração da população, na sua expulsão subreptícia dos lugares rurais ainda não inteiramente urbanizados. Hoje Resende, amanhã o Porto, Aveiro ou Lisboa,depois de Amanhã a Espanha, a Suíça, a Austrália.

Numa política de revalorização do espaço rural seria a viabilização e não a destruição da escola rural a opção. Há décadas que em

França existe um movimento no sentido da refundação e valorização da escola rural, que bem preciso seria em Portugal.

Outros sítios

Le Collectif pour la Défense de l'École Publique de Proximité
Conférence des Écoles




A todos os professores,alunos, encarregados de educação e funcionários desejo um bom início de ano!

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Os Poluidores das Hidroeléctricas


Aviso de Consulta Pública
Plano Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroelétrico
Início - 1 de Outubro - 30 dias. PROTESTE!
Numa entrevista ao
Público, o Professor Catedrático de Hidrobiologia na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Rui Cortes, criticou a explosão de barragens no Nordeste (das dez previstas, seis concentram-se nas bacias do Tâmega e do Tua).
Não se consegue compreender como é que surgem estas decisões de construção de grandes barragens antes dos planos de ordenamento das regiões hidrográficas. Devia ser ao contrário, disse Rui Cortes.Indignado, informou ainda que não fazia sentido avançar com barragens que irão pôr em causa o ordenamento sustentável das regiões hidrográficas.
Para Rui Cortes, as sete barragens previstas para o Tâmega (cinco), Tua (uma) e Sabor (uma) vão alterar substancialmente as características da bacia do Douro. Entre os impactos negativos, o Professor destacou a acumulação de poluição nas albufeiras, responsável pela libertação de metano, um dos principais gases com efeito estufa.
O Tâmega está altamente poluído. A albufeira de Fridão vai aumentar ainda mais essa poluição, afirmou, destacando a necessidade de implementação de sistemas de controlo e tratamento das águas retidas nas albufeiras. Em alternativa, Rui Cortes defendeu a adopção de medidas que melhorem a eficiência energética, área em que Portugal apresenta os piores níveis da Europa.Não se está a fazer nada. Não há planos para procurar melhorar a eficiência energética. Os gastos de energia estão a aumentar em Portugal muito mais do que o PIB, quando noutros países estes dois crescimentos surgem associados.


Também Jaime Prata, biólogo da Estação Litoral da Aguda e membro da associação ecologista Campo Aberto, criticou a opção pela produção de mais energia em vez do fomento da eficiência e poupança energéticas. Portugal poderia reduzir em cerca de um terço o consumo de energia se aplicasse estratégias de eficiência em áreas como a construção de edifícios,indústria e agricultura, disse.
Jaime Prata acusou a EDP de instrumentalização das populações da zona do Baixo Sabor, frisando que a criação de emprego é uma falácia e a promessa de desenvolvimento do turismo é irreal.
A construção de barragens é feita sobretudo por emigrantes, salientou Jaime Prata, acrescentando que as barragens, hoje em dia, operam com um funcionário e já há algumas sem nenhum, operadas à distância. Jaime Prata sublinhou ainda que o país está cheio de albufeiras desertas, existindo turistas apenas nalgumas situadas junto a grandes aglomerados populacionais, nomeadamente próximo de Lisboa e do Porto.
As albufeiras no interior não atraem turistas. São sítios muito quentes no Verão e frios no Inverno. Actualmente, as pessoas preferem desportos, como a canoagem, que só podem ser praticados em rios sem barragens.

Cientistas brasileiros demonstraram que as barragens já construídas na Amazónia poluem dez vez mais que o carvão!!...
E ainda este artigo da prestigiada Revista Newscientist já denunciava esses efeitos em 2005!!!


Actualização 24 de Outubro
O Deputado Pedro Quartin Graça dirigiu hoje ao Primeiro - Ministro e ao Ministro da Administração Interna dois requerimentos relativos ao incidente occorrido em Lisboa com os dirigentes da COAGRET - Portugal

Ler ainda na secção do grupo GAIA: COAGRET-Pt: denúncia de intimidação a activistas da causa ecológica
Sobre a barragem das Três Gargantas, da China - Natureza morta....

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Cientistas afirmam que biotecnologia OGM não garante segurança alimentar, nem protege o ambiente nem reduzirá a pobreza no terceiro mundo

Documentário de 4 min., mostrando o fiasco de campos de algodão transgénico na Índia, com entrevista a Vandan Shiva




ARTIGO CIENTÍFICO 1
Um estudo mais compreensivo mostra que a afirmação muito comum que a agricultura biológica não pode alimentar o mundo, porque tem produtividade baixa e existe insuficiente fertilizante orgânico, é uma mentira.
Por Dr. Mae-Wan Ho, 06/09/07 (traduzido por António Dinis e Ambra Sedlmayr.Muito obrigado e abraços.)

  Duas objecções são comuns à proposta de que a agricultura biológica pode alimentar o mundo. A agricultura biológica, segundo os oponentes, é pouco produtiva e não existe fertilizante orgânico suficiente para aumentar a produção suficientemente.
  Um grupo de cientistas encabeçado por Catherine Badgley da Universidade Ann Arbor de Michigan nos Estados Unidos refutou agora estas concepções erróneas sobre a agricultura biológica.
A agricultura biológica é aproximadamente tão produtiva como a agricultura convencional nos países desenvolvidos e bastante mais produtiva nos países em vias de desenvolvimento; e mais do que suficiente azoto pode ser fixado no solo através da adubação verde.
   O grupo de investigação comparou a produtividade da agricultura biológica e convencional (incluindo produção pouco intensiva de alimentos) em 293 casos, e estimou a produtividade média calculando um índice (produtividade biológica vs convencional) de diferentes tipos de alimentos e para países desenvolvidos e subdesenvolvidos. Os resultados obtidos indicam que os métodos biológicos poderiam produzir alimentos suficientes para sustentar a população humana actual, e, potencialmente, uma população superior, sem necessitar de um aumento da área de cultivo.
  A quantidade de azoto passível de ser fixada por leguminosas como culturas de cobertura também foi estimada. Dados oriundos de agro-ecossistemas temperados e tropicais sugerem que leguminosas poderiam fixar nitrogénio suficiente para substituir todos os fertilizantes sintéticos actualmente em uso.
  O estudo concluiu que estes resultados indicam que a agricultura biológica tem o potencial de contribuir substancialmente para a oferta global de alimentos, minimizando os impactes ambientais associados à produção convencional.
O preço da Revolução Verde
  Os investigadores assumiram desde logo que a revolução verde trouxe avanços tecnológicos importantes; pois apesar da duplicação da população humana nos últimos 50 anos mais do que suficientes alimentos foram produzidos para satisfazer as necessidades calóricas de todos, caso os alimentos fossem distribuídos mais equitativamente.
  No entanto, existe uma grande incerteza em relação ao futuro, dadas as projecções de a população humana ascender a 9 a 10 biliões em 2050 e a tendência global de aumento do consumo de carne (necessitando mais cereais), enquanto a colheita de cereais está a diminuir.
  Além disso, esqueceram-se de mencionar a pressão adicional da produção agrícola para a procura crescente de biocombustíveis, que já criou uma crise alimentar à porta a nível mundial, segundo o artigo de John Vidal no The Guardian. Os extremos climáticos – secas e inundações – trazidas pelas alterações climáticas, certamente tornam o cenário pior do que melhor. Grande parte das reduções actuais das colheitas de cereais deve-se à degradação ambiental que são consequência de décadas de práticas agrícolas insustentáveis resultantes da Revolução Verde, tais como erosão massiva do solo, perda de fertilidade do solo, perda de terrenos agrícolas devido a salinização, depleção de aquíferos e aumento da resistência de pragas. Outros custos derivados da Revolução Verde incluem a contaminação dos aquíferos, libertação de gases efeito estufa para a atmosfera (especialmente devido à desflorestação e conversão em terrenos agrícolas) e a perda da biodiversidade.
  Muitas pessoas têm insistido que métodos mais sustentáveis de produção de alimentos são essenciais. Notavelmente, o Painel Científico Independente, constituído por dezenas de cientistas de todo o mundo, publicou um documento em 2003, chamando atenção para a necessidade de mudar para uma agricultura sustentável e biológica.
  Não é coincidência que aqueles que são os mais ferventes opositores da agricultura biológica são também os apoiantes mais fortes dos organismos geneticamente modificados, e são eles que vêem a recente procura de biocombustíveis como mais uma oportunidade para promover uma tecnologia que falhou miseravelmente em cumprir as suas promessas em 30 anos, enquanto evidências de sérios riscos para a saúde continuam a ser reveladas.
A grande diversidade de agricultura biológica
  Os exemplos de agricultura biológica considerados pelo grupo da universidade de Michigan cobrem um leque grande de diferentes sistemas agrícolas, seguindo conceitos de agroecologia, agricultura sustentável ou ecológica, mas não necessariamente agricultura biológica certificada.
  Estes sistemas recorrem a processos naturais de reciclagem de nutrientes, excluem ou raramente usam pesticidas sintéticos, sustentando e regenerando a qualidade do solo. Práticas agrícolas incluem culturas de coberto, aplicação de estrume, compostagem, rotação de culturas, associação de cultivares e controlo biológico de pragas.
  Os 293 estudos revistos consistiram em 160 estudos que compararam a agricultura biológica com a agricultura convencional e 133 estudos que compararam a agricultura biológica com métodos convencionais pouco intensivos. A maioria dos estudos são da literatura científica revista por pares e uma minoria resulta de conferências científicas, documentos técnicos ou websites de estações de investigação agrícola. Os estudos variam entre análises de uma estação de cultivo até 20 anos. Alguns estudos usam dados de antes e após a conversão para agricultura biológica.
  Para estimar a oferta global de agricultura biológica, é aplicada a média da razão entre produtividade em regime biológico e em regime convencional aos valores correntes de produção alimentar, menos as percas pós colheita, a partir dos dados da UN FAO de 2001.

Colheitas biológicas superam colheitas convencionais
  As razões de produtividade sumariadas na tabela 1 são agrupadas em 10 categorias, cobrindo as componentes animais e vegetais mais importantes para a dieta humana.
  Como é possível verificar (ver tabela no artigo original, em inglês), as médias de produtividade de produtos biológicos e convencionais são aproximadamente iguais no mundo desenvolvido, mas nos países subdesenvolvidos (onde mais alimentos são necessários e onde os agricultores são menos capazes de pagar fertilizantes sintéticos caros e pesticidas) as mais valias da produção biológica são mais evidentes. Razões de produtividade produtos biológicos versus convencionais variam entre 1.6 a 4.0. A razão média para todos os produtos alimentares a nível mundial é 1.3.
Mais que alimentos suficientes para alimentar o mundo
  O grupo desenvolveu dois modelos para a produção global de alimentos. O modelo 1 é conservador e aplica razões de rendimento obtidas a partir de estudos feitos nos países desenvolvidos a toda a área agrícola do mundo. O modelo 2 é mais realista, aplica as razões de rendimento dos países desenvolvidos e dos países subdesenvolvidos em proporção à sua área agrícola. As calorias per capita são estimados com este modelo multiplicando os rendimentos médios por estimativas da FAO sobre o teor calórico da respectiva categoria alimentar.
  A quantidade de alimentos disponível segundo o modelo 1 é aproximadamente a mesma que existe actualmente. O ganho mais significativo corresponde ao decréscimo do uso de energia fóssil na produção de alimentos e na prevenção dos estragos resultantes da agricultura convencional. No modelo 2 existe um aumento real do rendimento de 1.3 a 2.9 vezes de várias categorias de alimentos que haveria adicionalmente.
  Ambos os modelos mostram que a agricultura biológica poderia sustentar a população humana actual. Em termos de ingestão calórica diária, a oferta mundial de bens alimentares, após perdas pós colheita, produz 2786 kcal/dia/pessoa. A média diária para uma vida saudável corresponde a 2200 a 2500 kcl/dia. O modelo 1 levaria a rendimentos de 2641 kcal/dia, ainda acima da ingestão diária recomendada. No modelo 2 o rendimento seria de 4381 kcal/dia, 157.3% acima das disponibilidades calóricas actuais. Portanto, a produção biológica tem o potencial de nutrir uma população humana bastante maior do que a actual.
Nitrogénio mais do que suficiente através de fixação biológica
  O macronutriente principal que limita a agricultura biológica em muitas regiões é o nitrogénio. Um valor mais vantajoso de nitrogénio na agricultura biológica deriva de resíduos de colheita, fertilizantes animais, compostagem e nitrogénio fixado por leguminosas (fertilizantes vegetais). Nos trópicos, as leguminosas plantadas no meio de outras culturas são capazes de fixar valores de nitrogénio consideráveis em apenas 40 a 60 dias.
  As estimativas de nitrogénio disponível globalmente são determinadas pelas razões da disponibilidade de nitrogénio ou fertilizantes sintéticos referidas em 77 estudos, 33 para regiões temperadas e 44 para regiões tropicais, incluindo 3 de regiões áridas e 18 sobre arroz com casca. A disponibilidade de nitrogénio em kg/ha é avaliada em estudos como o valor de substituição de fertilizantes (por exemplo, a quantidade de fertilizante sintético necessário para obter uma colheita equivalente a uma colheita que usa nitrogénio de culturas de cobertura) ou estimada em 66% do nitrogénio fixado por culturas de cobertura disponível para cultivos durante as estações de crescimento que seguem as culturas de cobertura. Em 2001 o uso global de fertilizantes sintéticos atingiu 82 mil toneladas. Estima-se que o nitrogénio fixado como fertilizante por culturas de leguminosas adicionais ronda as 140 mil toneladas, valor baseado na disponibilidade média de nitrogénio de 102,8 kg/ha (a disponibilidade média de nitrogénio em zonas temperadas e tropicais é de 95,1 kg/há e 108,6 kg/há, respectivamente). Corresponde a 171% do nitrogénio sintético usado actualmente no mundo, ou mais 58 mil toneladas. Até nos EUA, onde a agricultura convencional predomina, as estimativas apontam para um excedente de nitrogénio disponível através do uso adicional de culturas de cobertura de leguminosas intercaladas nos períodos normais de cultivo.
  Em regiões temperadas as culturas de cobertura de inverno desenvolvem-se bem em Outono após as colheitas e no princípio da Primavera antes do cultivo dos mais importantes alimentos. Investigações no Rodale Institute de Pennsylvania mostraram que o trevo-roxo e a ervilhaca-peluda como cobertura hibernal em campos de aveia/trigo e soja em rotação sem fertilizantes adicionais obtêm uma colheita comparável à de cultivos convencionais.
  A
Quinta Experimental do Rodale Institute usa culturas de cobertura de leguminosas nos principais campos de cultivo de três em três anos como única fonte de fertilizante à base de nitrogénio.
  Culturas de cobertura hibernais não-leguminosas são usadas noutros anos para manter a qualidade e fertilidade do solo e controlar as infestantes.
  Em regiões tropicais áridas e semi-áridas, onde a água é pouca entre os períodos de produção alimentar, fertilizantes vegetais resistentes à seca, como o guando ou amendoim, são capazes de fixar nitrogénio. O uso de culturas de cobertura em regiões áridas revelou-se eficiente no incremento da capacidade do solo de reter humidade.
  Estas estimativas de disponibilidade de nitrogénio não incluem outras práticas para o aumento da fixação biológica de nitrogénio, como a associação de culturas, cultivo misto de plantas e árvores, rotação de gado e plantações anuais e inoculação do solo com fixadores de nitrogénio de origem bio.
  Além disso, a rotação de leguminosas para alimentação, como soja ou amendoim, pode contribuir com no máximo 75 kg/ha de nitrogénio para o cultivo de cereais que seguem as leguminosas.
Promessas e desafios
  O estudo da Universidade de Michigan tem implicações vastas. Os resultados demonstram que mesmo atendendo a estimativas conservadoras não são necessárias mais áreas de cultivo para alimentar a população humana se mudássemos para a agricultura biológica; e há nitrogénio natural suficiente para substituir o uso actual de fertilizantes sintéticos.
Numerosas são ainda as vantagens da adopção da agricultura biológica que não foram referidas no trabalho, mas que estão documentadas num estudo do Painel Cientifico Independente e noutros [4]. Veja-se igualmente [7].
  O maior ganho que a agricultura biológica representa é possibilitar a redução dos custos com a Saúde Pública e o Ambiente, estimados em mais de 59,6$ biliões por ano nos EUA [6,8].
Outra questão fundamental é a segurança alimentar. Além disso, o Rodale Institute descobriu que a agricultura biológica mantém um valor mais elevado de nutrientes, carbono biológico e humidade no solo, o que contribui para uma maior resistência ao stress climático. Por isso não admira que em anos normais a colheita da agricultura biológica seja comparável à convencional, em anos de seca, no entanto, muito superior [6,8].
  Verificam-se reduções significativas na emissão de carbono e no gasto de combustíveis fósseis susceptíveis de abrandar as alterações climáticas ao evitar simplesmente o uso de pesticidas e fertilizantes sintéticos, para já não falar da quantidade adicional de carbono fixado no solo de campos biológicos.
  O estudo nem teve em consideração todas as opções existentes de energias renováveis ou métodos de agricultura que transformam lixo em recursos energéticos e de alimentos, tornando deste modo os combustíveis fósseis supérfluos. Tão pouco menciona as muitas vantagens sociais, económicas e para a saúde provenientes da agricultura biológica.
  As circunstâncias para uma mudança global para a agricultura biológica nunca foram tão imperiosas e urgentes. Apesar de ser prometedor, a equipa da Universidade de Michigan está consciente dos desafios da implementação à escala global da agricultura biológica. Uma prática da agricultura biológica mais alargada requer apoio por parte de instituições de investigação que se debruçam sobre métodos agroecologicos de fertilidade do solo e uso de pesticidas, um sistema extensivo forte e um público dedicado. Um empenho e apoio governativos também são importantes bem como alterações a nível de apólices que favoreçam uma mudança global para uma agricultora biológica e sustentável.
  Acima de tudo, chegou o momento de acabar com o debate se a agricultora biológica pode ou não contribuir substancialmente para o abastecimento de alimentos. Deveríamos discutir, pelo contrário, a alocução de fundos para fins de investigação sobre uma produção alimentar agroecológica, a criação de incentivos para agricultores e consumidores, e outro tipo de apólices à escala nacional e internacional afim de promover e facilitar uma mudança global.


[1]],[3] O autor não identifica página electrónica
[9] Which Energy?, ISIS Report

Artigo Científico 2




 Las compañías biotecnológicas frecuentemente afirman que los organismos modificados genéticamente (OMG) - específicamente las semillas transformadas genéticamente - son descubrimientos científicos indispensables necesarios para alimentar el mundo, proteger el ambiente y reducir la pobreza en países en desarrollo. Esta opinión se apoya en dos suposiciones críticas las cuales cuestionamos. La primera es que el hambre se debe a una brecha entre la producción de alimentos y la densidad de la población humana o tasa de crecimiento. La segunda es que la ingeniería genética es la única o mejor forma de incrementar la producción agrícola y, por tanto, enfrentar las necesidades alimentarias futuras.
  Nuestro objetivo es objetar la noción de biotecnología como una solución de bala mágica a todos los males de la agricultura, mediante la aclaración de conceptos erróneos relacionados con estas suposiciones implícitas.
  No hay relación entre la ocurrencia frecuente de hambre en un país dado y su población. Para cada nación densamente poblada y hambrienta como Bangladesh o Haití, existe una nación escasamente poblada y hambrienta como Brasil e Indonesia. El mundo produce hoy más alimento por habitante que nunca antes. Existe suficiente para suministrar 4.3 libras por persona cada día: 2.5 libras de grano, frijoles y nueces, aproximadamente l libra de carne, leche y huevos y otra libra de frutas y vegetales. Las verdaderas causas del hambre son la pobreza, la desigualdad y la falta de acceso. Demasiadas personas son muy pobres para comprar el alimento que está disponible (pero frecuentemente pobremente distribuido) o carecen de la tierra y recursos para cultivarlos ellos mismos (Lappe, Collins and Rosset 1998).
  La mayoría de las innovaciones en biotecnología agrícola han sido dirigidas a obtener ganancias más bien que empujados por la necesidad. La verdadera fuerza propulsora de la industria de ingeniería genética no es hacer a la agricultura del tercer mundo más productiva, sino preferiblemente generar ganancias (Busch et al 1990). Esto se ilustra al revisar las principales tecnologías hoy en el mercado: a) cultivos resistentes a los herbicidas tales como los frijoles de soya Roundup Ready de Monsanto, semillas que son tolerantes al herbicida Roundup de Monsanto, y b) cultivos B1 las cuales son transformados por ingeniería genética para producir su propio insecticida. En el primer caso, la meta es ganar una mayor participación en el mercado para un producto patentado y en el segundo, promover las ventas de semillas al costo de dañar la utilidad de un producto clave en el manejo de una plaga (el insecticida microbiano basado en el Bacillus thuringiensis) en el que confían muchos granjeros, incluyendo la mayoría de los granjeros orgánicos, como una alternativa poderosa contra los insecticidas. Estas tecnologías responden a la necesidad de compañías biotecnológicas de intensificar la dependencia de los granjeros a las semillas protegidas por el llamado derechos de propiedad intelectual, los cuales se oponen a los derechos de antaño de los granjeros de reproducir, compartir o almacenar semillas (Hobbelink 1991). Cada vez que sea posible las corporaciones solicitarán a los granjeros comprar los suministros de la marca de su compañía y prohibirán a los granjeros guardar o vender semilla. Al controlar el germoplasma de la semilla para la venta y forzar a los granjeros a pagar precios inflados por paquetes de semillas químicas, las compañías están determinadas a extraer la mayor ganancia de su inversión (Krimsky y Wrubel 1996).
  La integración de las industrias de semillas y químicas parece destinada a acelerar incrementos en los gastos por acre de semillas más productos químicos, lo que procura significativamente menos utilidades a los cultivadores. Las compañías que desarrollan cultivos tolerantes a los herbicidas están tratando de cambiar tanto costo por acre como sea posible del herbicida hacia la semilla por la vía de los costos de la semilla y/o costos tecnológicos. Las reducciones crecientes en los precios de los herbicidas estarán limitadas a los cultivadores que compren paquetes tecnológicos. En Illinois, la adopción de cultivos resistentes a los herbicidas constituye el más caro sistema de semilla de frijol de soya más pesticida en la historia moderna - entre US$40.00 y US$60.00 por acre en dependencia de los precios, presión de infestación, etc. Tres años atrás, el promedio de los costos de semilla más control de plaga en fincas de Illinois era de US$26 por acre y representaba 23% de los costos variables: hoy representan 35-40% (Benbrook 1999). Muchos granjeros están dispuestos a pagar por la simplicidad y robustez del nuevo sistema de manejo de plagas, pero tales ventajas pueden tener corta duración ya que surgen problemas ecológicos.
Pruebas experimentales recientes han mostrado que las semillas fabricadas por ingeniería genética no aumentan el rendimiento de los cultivos. Un estudio reciente del USDA Servicio de Investigación Económica muestra que los rendimientos de 1998 no fueron significativamente diferentes en cultivos provenientes de la ingeniería genética contra los que no provenían de la ingeniería genética en 12 de las 18 combinaciones de cultivo/región. En las seis combinaciones de cultivos/región donde los cultivos Bt o HRCs OJO VER QUE SIGNIFICA EN INGLES LAS SIGLAS prosperaron mejor, exhibieron rendimientos crecientes entre 5-30%. El algodón tolerante al glifosfato no mostró aumento significativo del rendimiento en ninguna región donde fue encuestado. Esto fue confirmado en otro estudio que examinaba más de 8,000 pruebas de campo, donde se encontró que las semillas de soya Roundup Ready producían menos bushels de frijoles de soya que variedades similares producidas convencionalmente (USDA, 1999).
  Muchos científicos explican que la ingestión de alimentos construidos por ingeniería genética no es dañina. Sin embargo, la evidencia reciente muestra que existen riesgos potenciales al comer tales alimentos, ya que las nuevas proteínas producidas en dichos alimentos pueden: actuar ellas mismas como alergenos o toxinas, alterar el metabolismo de la planta o el animal que produce el alimento, lo que hace a éste producir nuevos alergenos o toxinas, o reducir su calidad o valor nutricional como en el caso de los frijoles de soya resistentes a los herbicidas que contenían menos isoflavones, un importante fitoestrógeno presente en los frijoles de soya, que se considera protegen a las mujeres de un número de cánceres. Actualmente, hay una situación en muchos países en desarrollo que importan frijol de soya y maíz de los EEUU, Argentina y Brasil, donde alimentos construidos genéticamente están comenzando a inundar los mercados, y nadie puede predecir todos sus efectos en la salud de los consumidores, la mayoría de ellos ignorantes de que están comiendo tal alimento. Debido a que el alimento fabricado por ingeniería genética se mantiene sin rótulo, los consumidores no pueden discriminar entre alimento por IG y no-IG, y de surgir serios problemas de salud, sería extremadamente difícil rastrearlos hasta su origen. La falta de etiqueta también ayuda a proteger a las corporaciones que pudieran ser potencialmente responsables de obligaciones (Lappe y Bailey, 1998).
  Las plantas transgénicas que producen sus propios insecticidas siguen estrechamente el paradigma de los pesticidas, el cual está fracasando rápidamente, debido a la resistencia de las plagas a los insecticidas. En lugar del fracasado modelo una plaga un producto químico, la ingeniería genética enfatiza una aproximación una plaga un gen, que ha mostrado fracasar una y otra vez en pruebas de laboratorio, ya que las especies de plagas se adaptan rápidamente y desarrollan resistencia al insecticida presente en la planta (Alstad y Andow 1995). No solamente fracasarán las nuevas variedades sobre las de corto a mediano plazo, a pesar de los llamados esquemas de manejo de la resistencia voluntaria (Mallet y Porter 1992), sino que en el proceso pudiera hacer ineficaz al pesticida natural Bt, en el cual confían los granjeros orgánicos y otros que desean reducir la dependencia de productos químicos. Los cultivos Bt violan el principio básico y ampliamente aceptado de manejo integrado de pesticidas (MIP), que es que la confianza en una tecnología particular de manejo de plagas tiende a provocar cambios en especies de plagas o la evolución de resistencia a través de uno o más mecanismos (NRC 1996). En general, mientras mayor sea la presión de selección en el tiempo y espacio, más rápida y más profunda la respuesta evolucionaria de las plagas. Una razón obvia para adoptar este principio es que reduce la exposición de la plaga a los pesticidas, lo que retarda la evolución de la resistencia. Pero cuando el producto es preparado por ingeniería genética dentro de la misma planta, la exposición de la plaga salta de mínima y ocasional a exposición masiva y continua, lo que acelera dramáticamente la resistencia (Gould 1994). El Bt será rápidamente inútil tanto como peculiaridad de las nuevas semillas al igual que como una vieja ayuda rociado cuando resultaba necesario por los granjeros que desean escapar de la rutina de los pesticidas (Pimentel et al 1989).
  La lucha global por participación en los mercados está llevando a las compañías a desplegar masivamente cultivos transgénicos en todo el mundo (más de 30 millones de hectáreas en 1998) sin el adecuado avance en la experimentación de impactos a corto o largo plazo en la salud humana y en los ecosistemas. En los EEUU, la presión del sector privado ha llevado a la Casa Blanca a decretar sin diferencia sustancial la comparación entre las semillas alteradas y las normales, evadiendo así la prueba normal del FDA y el EPA. Documentos confidenciales hechos públicos en un litigio por demanda en curso, reveló que los propios científicos del FDA no coinciden con esta determinación. Una razón es que muchos científicos están preocupados de que el uso en amplia escala de cultivos transgénicos plantea una serie de riesgos ambientales que amenazan la sustentabilidad de la agricultura (Goldberd, 1992: Paoletti y Pimentel, 1996: Snow y Moran 1997: Rissler y Mellon, 1996: Kendall et al 1997 y Royal Society, 1998):
  La tendencia a crear amplios mercados internacionales para productos particulares, está simplificando los sistemas de cultivo y creando uniformidad genética en los panoramas rurales. La historia ha mostrado que un área muy grande sembrada con una sola variedad de cultivo es muy vulnerable a nuevas parejas de cepas de patógenos o plagas de insectos. Además, el uso extendido de variedades transgénicas homogéneas llevará inevitablemente a la erosión genética, según las variedades locales utilizadas por miles de granjeros en el mundo en desarrollo sean reemplazadas por las nuevas semillas (Robinson, 1996).
  El uso de cultivos resistentes a los herbicidas debilita paulatinamente las posibilidades de diversificación de cultivos y reduce así la agrobiodiversidad en tiempo y espacio (Altieri 1994).
La transferencia potencial a través del flujo de genes de los genes de cultivos resistentes a los herbicidas hacia parientes salvajes o semidomesticados puede llevar a la creación de supermalezas (Lutman, 1999).
Existe un potencial para las variedades resistentes a los herbicidas de convertirse en serias malezas en otros cultivos (Duke, 1996, Holst y Le baron 1990).
  El uso masivo de cultivos Bt afecta a los organismos que no son objetivo y a los procesos ecológicos. Evidencia reciente muestra que la toxina Bt puede afectar a los insectos beneficiosos depredadores que se alimentan de las plagas de insectos presentes en los cultivos Bt (Hilbeck et al, 1998), y que el polen movido por el viento de los cultivos Bt encontrado en la vegetación natural que rodea los campos transgénicos puede matar a los insectos no objetivo tales como la mariposa grande de alas anaranjadas con borde y venas negras (Losey et al, 1999). Es más, la toxina Bt presente en el follaje de los cultivos enterrados después de la cosecha puede adherirse a los coloides del suelo por hasta 3 meses, lo que afecta negativamente las poblaciones de invertebrados del suelo que descomponen la materia orgánica y desempeñan otros papeles ecológicos (Donnegan et al, 1995 y Palm et al, 1996).
Existe potencial para la recombinación de vectores para generar nuevas cepas virulentas de virus, especialmente en plantas transgénicas producidas por ingeniería genética para la resistencia viral con genes virales. En plantas que contienen genes con cubierta de proteína, existe una posibilidad de que tales genes sean absorbidos por virus no emparentados lo que infecta la planta. En tales situaciones, el gen extraño cambia la estructura de la cubierta de los virus y puede conferir propiedades tales como método cambiado de transmisión entre plantas.  El segundo riesgo potencial es que la recombinación entre los virus ARN y un viral ARN dentro del cultivo transgénico puede producir un nuevo patógeno que conduce a más severos problemas de enfermedad. Algunos investigadores han mostrado que la recombinación ocurre en plantas transgénicas y que bajo ciertas condiciones produce una nueva cepa viral con un rango hospedero alterado (Steinbrecher, 1996).
La teoría ecológica predice que el panorama de homogenización a larga escala con cultivos transgénicos agravará los problemas ecológicos ya asociados con el monocultivo en la agricultura. La expansión incuestionable de esta tecnología en los países en desarrollo pudiera no ser prudente o deseable. Hay fortaleza en la diversidad agrícola de muchos de esos países, y no debe ser inhibida o reducida por el monocultivo extensivo, especialmente cuando las consecuencias de hacerlo así resulta en serios problemas sociales y ambientales (Altieri, 1996).
Aunque la consecuencia de los riesgos ecológicos ha recibido alguna discusión en círculos gubernamentales, internacionales y científicos, las discusiones frecuentemente se han practicado desde una perspectiva estrecha que ha rebajado la seriedad de los riesgos (Kendall et al. 1997: Royal Society 1998). De hecho los métodos para la evaluación de los riegos de cultivos transgénicos no están bien desarrollados (Kjellsson y Simmsen, 1994) y existe una preocupación justificable de que el actual campo de pruebas de bioseguridad dice poco acerca de los riesgos potenciales ambientales asociados con la producción a escala comercial de cultivos transgénicos. Una preocupación principal es que las presiones internacionales para ganar mercados y ganancias está resultando en compañías que liberan cultivos transgénicos demasiado rápido, sin la apropiada consideración por los impactos a largo plazo en las personas o el ecosistema.
Existen muchas preguntas ecológicas sin respuesta con relación al impacto de cultivos transgénicos. Muchos grupos ambientalistas han indicado la creación de una regulación apropiada que medie entre la experimentación y la liberación de cultivos transgénicos para compensar los riesgos ambientales y demandar una mejor evaluación y comprensión de las consecuencias ecológicas asociadas con la ingeniería genética. Esto es crucial ya que muchos resultados que surgen del comportamiento ambiental de los cultivos transgénicos liberados sugieren que en el desarrollo de cultivos resistentes, no hay solamente la necesidad de probar los efectos directos en el insecto objetivo o maleza, sino también los efectos indirectos en la planta (por ej. crecimiento, contenido nutritivo, cambios metabólicos), suelo y organismos que no son objetivo. Desafortunadamente, los fondos para la investigación sobre evaluación del riesgo ambiental son muy limitados. Por ejemplo, el USDA gasta solamente 1% de los fondos asignados a la investigación biotecnológica sobre evaluación de riegos, alrededor de US$1-2 millones por año. Dado el actual nivel de despliegue de plantas de ingeniería genética, tales recursos no son suficientes para incluso descubrir la "punta del iceberg". Es una tragedia en desarrollo que tantos millones de hectáreas hayan sido plantadas sin adecuados patrones de bioseguridad. Mundialmente, tal área (en acres) se expandió considerablemente en 1998 con el algodón transgénico que alcanzó 6.3 millones de acres, maíz transgénico: 20.8 millones de acres y frijol de soya: 36.3 millones de acres, ayudados por convenios de mercado y distribución en los que participan corporaciones y distribuidores (por ej. Ciba Seeds con Growmark y Mycogen Plant Sciences con Cargill) en ausencia de regulaciones en muchos países en desarrollo. La polución genética, a diferencia de los derrames de aceite, no puede ser controlada arrojando un botalón en su derredor, y por tanto sus efectos no son recuperables y pueden ser permanentes. Como en el caso de los pesticidas prohibidos en los países nórdicos y aplicados en el sur, no hay razón para asumir que las corporaciones biotecnológicas asumirán los costos ambientales y de salud asociadas con el uso masivo de cultivos transgénicos en el sur.
Como el sector privado ha ejercido más y más dominio en promover nuevas biotecnologías, el sector público ha tenido que invertir una cuota creciente de sus escasos recursos en incrementar las capacidades biotecnológicas en instituciones públicas incluyendo el CGIAR y en evaluar y responder a los retos planteados al incorporar tecnologías del sector privado en los sistemas agrícolas existentes.Tales fondos serían mucho mejor utilizados para extender el apoyo a la investigación basada en la agricultura ecológica, ya que todos los problemas biológicos que la biotecnología se propone pueden ser solucionados utilizando aproximaciones agroecológicas. Los efectos dramáticos de las rotaciones y el intercalamiento en la salud y productividad de la cosecha, al igual que el uso de agentes de control biológicos en la regulación de plagas han sido repetidamente confirmados por la investigación científica. El problema es que la investigación en instituciones públicas refleja cada vez más los intereses de las instituciones financieras privadas a expensas de la investigación de bien público tales como control biológico, sistemas de producción orgánicos y técnicas generales agroecológicas. La sociedad civil debe solicitar más investigación sobre las alternativas a la biotecnología por universidades y otras organizaciones públicas (Krimsky y Wrubel, 1996). Existe también una necesidad urgente de desafiar al sistema de patentes y derechos de propiedad intelectual intrínseco al la cual no solamente provee a las corporaciones multinacionales del derecho de tomar y patentar recursos genéticos, sino también acelerarán la tasa a la cual las fuerzas del mercado ya alientan el monocultivo con variedades transgénicas genéticamente uniformes. Basados en la historia y la teoría ecológica, no es difícil predecir los impactos negativos de tal simplificación ambiental en la salud de la agricultura moderna (Altieri, 1996).
Aunque pudiera haber algunas aplicaciones útiles de la biotecnología (por ej. las variedades resistentes a la sequía o cultivos resistentes a la competencia de malezas), porque estos rasgos deseables son poligénicos y difíciles de construir por ingeniería, estas innovaciones tomarían por lo menos 10 años para estar listas para uso en el campo. Una vez disponibles y si los granjeros pueden afrontarlos, la contribución al fortalecimiento del rendimiento de tales variedades serían entre 20-35%; el resto de los aumentos del rendimiento debe provenir del manejo agrícola. Mucho del alimento necesario puede ser producido por los pequeños agricultores localizados en el mundo utilizando tecnologías agroecológicas (Uphoff y Altieri, 1999). De hecho, nuevas aproximaciones de desarrollo rural y tecnologías de bajo insumo encabezados por granjeros y ONGs en el mundo están haciendo ya una contribución significativa a la seguridad alimentaria a los niveles familiar, nacional y regional en Africa, Asia y Latino América (Pretty, 1995). Se han alcanzado aumentos de rendimiento al utilizar aproximaciones tecnológicas, basadas en principios agroecológicos que enfatizan la diversidad, sinergismo, reciclaje e integración; y los procesos sociales que destacan la participación y autorización de la comunidad (Rosset, 1999). Cuando tales características son optimizadas, se logra el incremento del rendimiento y la estabilidad de la producción, al igual que una serie de servicios ecológicos tales como la conservación de la biodiversidad, la rehabilitación y conservación del suelo y agua, mecanismos mejorados de la regulación natural de las plagas, etc. (Altieri et al, 1998). Estos resultados son un punto de partida para lograr la seguridad alimentaria y la preservación ambiental en el mundo en desarrollo, pero su potencial y futura extensión depende de inversiones, políticas, apoyo institucional y cambios de actitud por parte de los que hacen la política y la comunidad científica, especialmente el CGIAR el cual debe dedicar mucho de sus esfuerzos para ayudar a los 320 millones de granjeros pobres en ambientes marginales. El dejar de estimular a las personas dedicadas a la investigación agrícola y al desarrollo, debido a la desviación de los fondos y la práctica hacia la biotecnología, desperdiciará una oportunidad histórica de elevar la productividad agrícola a formas de mejoramiento social económicamente viables y ambientalmente benignas.

REFERENCIAS
Alstad, D.N. and D.A. Andow (1995) Managing the Evolution of Insect Resistance to Transgenic Plants. Science 268, 1894-1896.
Altieri, M.A. (1994) Biodiversity and Pest Management in Agroecosystems. Haworth Press, New York.
Altieri, M.A. (1996) Agroecology: the science of sustainable agriculture. Westview Press, Boulder.
Altieri, M.A., P.Rosset and L.A. Thrupp. 1998 . The potential of agroecology to combat hunger in the developing world. 2020 Brief 55. International Food policy research Institute. Washington DC.
Benbrook, C. l999 World food system challenges and opportunities: GMOs, biodiversity and lessons from America's heartland (unpub. manuscript).
Busch, L., W.B. Lacey, J. Burkhardt and L. Lacey (1990) Plants, Power and Profit. Basil Blackwell, Oxford.
Casper, R. and J Landsmann (1992) The biosafety results of field tests of genetically modified plants and microorganisms. Proceedings of the Second International Symposium Goslar, Germany, p. 296.
Donnegan, K.K., C.J. Palm, V.J. Fieland, L.A. Porteous, L.M. Ganis, D.L. Scheller and R.J. Seidler (1995) Changes in levels, species, and DNA fingerprints of soil micro organisms associated with cotton expressing the Bacillus thuringiensis var. Kurstaki endotoxin. Applied Soil Ecology 2, 111-124.
Duke, S.O. (1996) Herbicide resistant crops: agricultural, environmental, economic, regulatory, and technical aspects, p. 420. Lewis Publishers, Boca Raton.
Goldberg, R.J. (1992). Environmental Concerns with the Development of Herbicide-Tolerant Plants. Weed Technology 6, 647-652.
Gould, F. (1994) Potential and Problems with High- Dose Strategies for Pesticidal Engineered Crops. Biocontrol Science and Technology 4, 451-461.
Hilbeck, A., M. Baumgartner, P.M. Fried, and F. Bigler (1998) Effects of transgenic Bacillus thuringiensis corn fed prey on mortality and development time of immature Chrysoperla carnea Neuroptera:Chrysopidae). Environmental Entomology 27, 460-487.
Hobbelink, H. (1991) Biotechnology and the future of world agriculture. Zed Books, Ltd., London. p. 159.
Holt, J.S. and H.M. Le Baron (1990) Significance and distribution of herbicide resistance. Weed Technol. 4, 141-149.
James, C. (1997). Global Status of Transgenic Crops in 1997. International Service for the Acquisition of Agri-Biotech Application. p. 30. ISSA Briefs, Ithaca.
Kendall, H.W., R. Beachy, T. Eismer, F. Gould, R. Herdt, P.H. Ravon, J Schell and M.S. Swaminathan (1997) Bioengineering of crops. Report of the World Bank Panel on Transgenic Crops, World Bank, Washington, D.C. p. 30.
Kennedy, G.G. and M.E. Whalon (1995) Managing Pest Resistance to Bacillus thuringiensis Endotoxins: constraints and incentives to implementation. Journal of Economic Entomology 88, 454-460.
Kjellsson, G and V. Simonsen (1994) Methods for risk assessment of transgenic plants, p. 214. Birkhauser Verlag, Basil.
Krimsky, S. and R.P. Wrubel (1996) Agricultural Biotechnology and the Environment: science, policy and social issues. University of Illinois Press, Urbana.
Lappe, F.M., J. Collins and P. Rosset (1998). World Hunger: twelve myths, p. 270. Grove Press, NY.
Lappe, M and B. Bailey l998. Agaisnt the grain: biotechnology and the corporate takeover of food. Common Courage Press, Monroe, Maine.
Liu, Y.B., B.E. Tabashnik, T.J. Dennehy, A.L. Patin, and A.C. Bartlett (1999) Development time and resistance to Bt crops. Nature 400, 519.
Losey, J.J.E., L.S. Rayor and M.E. Carter (1999) Transgenic pollen harms monarch larvae. Nature 399, 214.
Lutman, P.J.W. (ed.) (1999) Gene flow and agriculture: relevance for transgenic crops. British Crop Protection Council Symposium Proceedings No. 72. Stafordshire, England.
Mallet, J. and P. Porter (1992) Preventing insect adaptations to insect resistant crops: are seed mixtures or refugia the best strategy? Proc. R. Soc. London Ser. B. Biol. Sci. 250. 165-169
National Research Council (1996) Ecologically Based Pest Management. National Academy of Sciences, Washington DC.
Palm, C.J., D.L. Schaller, K.K. Donegan and R.J. Seidler (1996) Persistence in Soil of Transgenic Plant Produced Bacillus thuringiensis var. Kustaki (-endotoxin. Canadian Journal of Microbiology (in press).
Paoletti, M.G. and D. Pimentel (1996) Genetic Engineering in Agriculture and the Environment: assessing risks and benefits. BioScience 46, 665-671.
Pimentel, D., M.S. Hunter, J.A. LaGro, R.A. Efroymson, J.C. Landers, F.T. Mervis, C.A. McCarthy and A.E. Boyd (1989) Benefits and Risks of genetic Engineering in Agriculture.BioScience 39, 606-614.
Pretty, J. Regenerating agriculture: Policies and practices for sustainability and self-relieance. Earthscan., London.
Rissler, J. and M. Mellon (1996) The Ecological Risks of Engineered Crops. MIT Press, Cambridge.
Robinson, R.A. (1996) Return to Resistance:breeding crops to reduce pesticide resistance. AgAccess, Davis.
Rosset, P. l999 The multiple functions and benefits of small farm agriculture in the context of global trade negotiations. Institute for Food and Development Policy, Food First Policy Brief No.4.
Royal Society (1998) Genetically modified plants for food use. Statement 2/98, p. 16. London.
Snow, A.A. and P. Moran (1997) Commercialization of transgenic plants: potential ecological risks. BioScience 47, 86-96.
Steinbrecher, R.A. (1996) From Green to Gene Revolution: the environmental risks of genetically engineered crops. The Ecologist 26, 273-282.
United States Department of Agriculture (1999) Genetically Engineered Crops for Pest Management. USDA Economic Research Service, Washington, DC.
Uphoff, N and Altieri, M.A. l999 Alternatives to conventional modern agriculture for meeting world food needs in the next century. Report of a Bellagio Conference. Cornell International Institute for Food, Agriculture and Development. Ithaca, NY.

3. Mais artigos científicos e um livro gratuito do Prof. Miguel Altieri já publicados no Bioterra e que podem encontrar
aqui.

4. Lista de publicações científicas do
Centre for Sustainable Agriculture, Suécia

Approaches to Social Sustainability in Alternative Food Systems. Sumelius, J. & Vesala, K.M. (eds.) December 2005. Ekologiskt lantbruk nr 47.

Environmental impacts of eco-local food systems – final report from BERAS Work Package 2. Artur Granstedt, Olof Thomsson and Thomas Schneider (eds.). December 2005. Ekologiskt lantbruk nr 46.

Ecosystem services as a tool for production improvement in organic farming – the role and impact of biodiversity. Birgitta Rämert, Lennart Salomonsson, Paul Mäder (eds.). December 2005. Ekologiskt lantbruk nr 45.

Obstacles and Solutions in Use of Local and Organic Food. Salla Kakriainen & Hans von Essen (eds.). December 2005. Ekologiskt lantbruk nr 44.

Possibilities for and Economic Consequences of Switching to Local Ecological Recycling Agriculture. John Sumelius (ed.). Oktober 2005. Ekologiskt lantbruk nr 43.
Effective recycling agriculture around the Baltic Sea. Granstedt, A., Seuri, P. and Thomsson, O. December 2004. Ekologiskt lantbruk nr 41.

Local and organic food and farming around the Batlic Sea Sepännen, Laura (ed.). Ekologiskt lantbruk nr 40 Juli 2004.



Ecosystem properties and principles of living systems as foundation for sustainable agriculture – Critical reviews of environmental assessment tools, key findings and questions from a course process Doherty, S., Rydberg, T. (editors), with Ekbladh, G., Grönlund, E., Ingemarson, F., Karlsson, L., Nilsson, S., Strid Eriksson, I. Ekologiskt lantbruk nr 32 Januari 2002.

Pilot studies in organic broiler production – management and cross-breeds Bassler, A. and Ciszuk, P. Ekologiskt lantbruk nr 34 Maj 2002.

5. E-Livros gratuitos



6. Mais um Artigo no Bioterra, 2006