quarta-feira, 25 de maio de 2016

Biografia de Mokiti Okada

"Buscar a própria felicidade com o sacrifício alheio é criar infelicidade para si mesmo." - M.Okada
Mokiti Okada nasceu no Japão, no bairro de Hashiba, extremo leste de Tóquio, em 23 de Dezembro de 1882. Faleceu em 10 de Fevereiro de 1955, deixando prontas as bases para a construção de um mundo espiritual e materialmente evoluído, denominado por ele “Paraíso Terrestre”, expressão que significa a concretização do mundo ideal. Um mundo onde o pensamento, as palavras e as ações do ser humano se fundamentam na Verdade da Lei da Natureza, ou seja, no Grande Ordenamento Jurídico Universal, que submete, regula e harmoniza toda a Criação.

Ele realizou estudos sobre diversas áreas do conhecimento humano, como política, medicina, educação, filosofia, economia, entre outras, mas, sobretudo, dedicou-se ao estudo da religião, das artes e da agricultura, apresentando propostas viáveis para um desenvolvimento social integrado. [ler com mais detalhe a postagem "Agricultura Orgânica e Biológica- principais mentores"]

Incentivou a prática do altruísmo e a apreciação do Belo, como formas para a elevação da sensibilidade e a aplicação de um método agrícola sustentável, que preserva o meio ambiente e promove a saúde de produtores e consumidores, oferecendo alimentos puros e saborosos.

Toda sua filosofia foi estabelecida com base nas Leis da Natureza, alicerçada nos princípios da Verdade, Bem e Belo. Embora tenha sido escrita nas décadas de 30 a 50 do século passado, parece ter sido feita para os dias actuais, pela sua perfeita aplicabilidade na vida quotidiana do homem contemporâneo.

Mokiti Okada faleceu em 1955, deixando para a humanidade três grandes obras como protótipos do mundo ideal nas cidades de Hakone, Atami e Kyoto, Japão, e dois museus de arte (nas cidades de Atami e Hakone), conceituados internacionalmente, e ainda, dos arranjos florais que ele mesmo fazia, nasceu o estilo Ikebana Sanguetsu, divulgado pela Fundação que leva o nome de seu patrono.

Para saber mais
Meishu-sama

terça-feira, 17 de maio de 2016

Homenagem à minha mulher Teresa Freitas

À minha família e amigos comunico que esposa e mãe Teresa Freitas já não se encontra entre nós desde dia 4 de Maio.

A Teresa tinha uma paixão enorme em amar, uma dedicação e carinho e uma força de vontade em ser esposa e mãe, unindo a nossa família. 

O nosso filho foi muito desejado e amado pela mãe. Ele continuará a sua caminhada com as lembranças e os valores humanos e artísticos que a mãe lhe transmitiu, bem como a paixão pelos animais. 

A Teresa era de excepcional sensibilidade artística e naturalista, amiga de jardinar, plantar árvores e principalmente olaria e escultura cerâmica. Foi uma professora combativa, de grande capacidade de trabalho e muita curiosidade por todas as terras que andou. Fez amigos pelas escolas por onde lecionou.

Resumo Biográfico
Maria Teresa Santos Freitas nasceu no Porto, 14 de Janeiro de 1962, tendo residido em Matosinhos.
Licenciada em História- variante História da Arte.
Sempre se interessou por cerâmica (a sua maior paixão) mas foi uma artista multiforme produzindo trabalhos e realizando cursos de fotografia, fusão de vidro (fez um curso na Fundação de Serralves, orientado pela Professora Cristina Camargo) e pintura e especializou-se em Cerâmica Artística, Vidrados de Grés e Raku, na Cooperativa Árvore, Porto sob a orientação do Ceramista Jorge Carqueijeiro.

Tem  quadros a carvão e acrílico em colecções privadas.
O Gato, por Teresa Freitas

Editou durante três anos o blogue Terras de Argila.

"Já não se encantarão os meus olhos nos teus olhos,
já não se adoçará junto a ti a minha dor.
Mas para onde vá levarei o teu olhar
e para onde caminhes levarás a minha dor.
Fui teu, foste minha. O que mais? Juntos fizemos
uma curva na rota por onde o amor passou.
Fui teu, foste minha. Tu serás daquele que te ame,
daquele que corte na tua chácara o que semeei eu.
Vou-me embora. Estou triste: mas sempre estou triste.
Venho dos teus braços. Não sei para onde vou.
...Do teu coração me diz adeus uma criança.
E eu lhe digo adeus"

-Pablo Neruda

terça-feira, 3 de maio de 2016

Vergílio Ferreira- Inventa a eternidade na simples comoção de olhar uma estrela

Zdzisław Beksiński
Inventa a eternidade na simples comoção de olhar uma estrela. Basta que a olhes pela primeira vez, depois de a teres olhado inúmeras vezes. E, então, não precisarás de nenhum deus que te ponha a mão no ombro e diga estou aqui. Uma estrela espera-te desde toda a eternidade. Procura-a. E vê se a não perdes durante a vida inteira. A tua estrela pode não estar no céu. Põe-na lá."

Vergílio Ferreira, in "Pensar"

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Documentário- O Lado Negro do Chocolate (Shady Chocolate)



O chocolate que consumimos é produzido com o uso de trabalho infantil e tráfico de crianças?

O premiado jornalista dinamarquês, Miki Mistrati, decide investigar os boatos. Sua busca atrás de respostas o leva até Mali, na África Ocidental, onde câmaras ocultas revelam o tráfico de crianças para as plantações de cacau da vizinha Costa do Marfim. A Costa do Marfim é o maior produtor de cacau, respondendo por cerca de 40% da produção mundial. Empresas como a Nestlé, Barry Callebaut e Mars assinaram em 2001 o Protocolo do Cacau, comprometendo-se a erradicar totalmente o trabalho infantil no sector até 2008. Será que o seu chocolate tem um gosto amargo? Acompanhe Miki até a África para expor "O Lado Negro do Chocolate".

As 7 marcas de chocolate que utilizam cacau proveniente de trabalho escravo infantil são:

Hershey
Mars
Nestlé
ADM Cocoa
Godiva
Fowler’s Chocolate
Kraft

domingo, 1 de maio de 2016

Mais de 22 mil espécies em todo o mundo em risco de desaparecer


Publicado em 17/11/2014 por Renata Silva

Foto: Stephen Zozaya
 O atum vermelho do Pacífico (Thunnus orientalis) e um tipo de camaleão gigante (Kinyongia matschiei) estão entre as 22.413 espécies a nível mundial em risco de extinção, de acordo com a versão atualizada da Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas. O documento foi hoje apresentado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) numa conferência sobre parques naturais em Sidney na Austrália.

A sobre-exploração humana de recursos marinhos e agrícolas está entre as causas apontadas pelos especialistas. De acordo com o documento, Portugal é o quarto país da Europa com mais espécies em risco de extinção, num total de 254 espécies ameaçadas, das 1223 analisadas. Espanha tem um total de 552 e está em primeiro lugar a nível europeu.

Moluscos e peixes estão entre os grupos de animais mais afetados em território nacional, com 76 e 54 espécies ameaçadas, respetivamente. "Os peixes e moluscos ocupam áreas de distribuição muito reduzidas em Portugal, são espécies endémicas que vivem em pequenos cursos de água e ribeiros, que afetados por uma descarga de desinfetante, por exemplo, são dizimados e não há recuperação possível", explica ao Ciência 2.0, Paulo Santos, presidente do Fundo para a Proteção dos Animais Selvagens (FAPAS). A nível mundial, os peixes e os anfíbios são os grupos taxonómicos com maior número de exemplares em perigo.

Os especialistas da IUCN referem, em comunicado, que há uma necessidade de fazer uma boa gestão das áreas protegidas. Das 76.199 espécies avaliadas, metade estão nestas áreas. "Apenas 25% são geridas de forma eficaz e isso é preocupante", alerta Jane Smart, responsável na instituição pela área da biodiversidade.

Paulo Santos denota preocupação com estes dados e alerta que nem "todos os ecossistemas estão cobertos por áreas protegidas". "Há muitas espécies perto da extinção nestas áreas. Estes espaços não são suficientes e apenas retardam o desaparecimento dos seres vivos", acrescenta.

Pouco financiamento existente na conservação da biodiversidade

A maior espécie de "tesourinha" do mundo, um inseto cujas patas se assemelham a uma tesoura (Labidura herculeana), foi considerada extinta devido à destruição do seu habitat, adiciona o comunicado da instituição.

"O número de animais em perigo de extinção está sempre a aumentar. A situação não melhora porque há pouco financiamento para a biodiversidade", aponta o presidente do FAPAS, acrescentando que, no global, não é uma área de prioridade para os governos. "Não é só com decretos e palavras bonitas, é preciso financiar projetos de conservação e de proteção dos ecossistemas".

A versão atualizada desta lista revela ainda algumas espécies cuja situação melhorou, descendo no escalão atribuído. De recordar que os escalões vão de "Pouco Preocupante" a "Extinto". A rã venenosa pontilhada (Andinobates dorisswansonae) é um desses animais. Passou de estado "criticamente ameaçado" para "vulnerável" devido a uma declaração na área protegida onde reside e que permitiu reduzir a perda de habitat.

Este ano a Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas completa 50 anos de existência. O relatório apresentado anualmente é o mais completo no que diz respeito ao estado de conservação da biodiversidade.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Sementes Livres no Biosfera



Sou agricultor e jardineiro, há mais de 15 anos que produzo as minhas próprias sementes, tal como os meus antepassados. Tenho em produção centenas de espécies de plantas, algumas das quais fomos melhorando através de selecção massal, ou seja, escolhendo ao longo do tempo os indivíduos mais fortes e mais aptos. Estas sementes são regularmente trocadas com inúmeras pessoas e instituições. Aquilo que sou hoje seria impossível sem que esta troca existisse. 

Os problemas de fome e miséria nunca se resolverão homogeneizando as sementes, afunilando a biodiversidade alimentar, há outros caminhos, que talvez por não valerem dinheiro, optámos por não seguir. Combater o desperdício alimentar tem que ser uma prioridade para os seres humanos, produzir alimentos localmente e de forma sustentável também. E já agora, falar menos de sustentabilidade e praticar mais sustentabilidade é urgente. E aqui refiro-me, está claro, a todos nós.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Hokusai Says, read by Mark Williams for the Mindfulness Summit


Conheça o The Global Consciousness Project, (also called the EGG Project), is an international, multidisciplinary collaboration of scientists, engineers, artists and others.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Documentário- "Nascidas em 1948" (Born in 48) - versão original, com legendas em Inglês

 
Born in 48 - Al Jazeera World from António Morais on Vimeo.

The creation of the state of Israel in May 1948 is referred to by Palestinians as Al Nakba, the Catastrophe.

The five characters in this film, two Israeli and three Palestinian women, were all born in 1948. But few events in history have determined such sharply contrasting outcomes for people who might otherwise have much in common as the founding of Israel has.

For Rena Rejev, an Israeli of Ukrainian origin, who lives in Rishon LeZion there’s the joy of being born on 14th May, Independence Day. “At school, for friends and relatives, I was the one and only ‘Independence Girl’,” she says, and feels that the day’s celebratory flags and fireworks also mark her birthday. “Independence Day has become a part of me,” she says. By contrast, Latifa Yousef, a Palestinian living in Cairo, finds difficulty expressing how she feels on her birthday in August, which reminds her that her country was “violated”. “The occupation is closely linked to my life and it just increases my pain,” she says.

Madlen Abergel Vanunu, an Israeli of Moroccan origin, has a strong conviction that God only brought her into the world once the state of Israel had been founded. But Fayrouz Arafa, who was born in Gaza on the 8th October 1948, recalls: “I was a refugee. We were poor, hungry and lived in a tent. It haunts me.” Equally, for Khadija Zoraiqi, a Palestinian living in the Occupied West Bank, her birthday just makes her sons’ imprisonment in Israeli jails harder to bear and signifies that, for her, the Nakba continues today. “Every birthday I feel this catastrophe twice over,” she says.

These are the dramatic human stories of life after 1948, made all the more powerful through the inter-cutting of the intimate interviews with these five women. Born in ’48 explores how 67 years on, starkly contrasting narratives persist, with very little, if any, common ground between them.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

25 de Abril sempre.


"Vivemos numa sociedade teleguiada de longe por qualquer FMI, por qualquer deus banqueiro, que é imposta aos jovens de hoje..." José Afonso - 1984

sábado, 23 de abril de 2016

Documentário: "Fractured Country - An Unconventional Invasion"


"Fractured Country: an Unconventional Invasion" is a new film from Lock the Gate Alliance (Australia) about the risks to communities from invasive gasfields. This is the full version of the documentary.