segunda-feira, 23 de abril de 2018

Thich Nhat Hanh- We Need a Revolution: It Starts with Falling in Love with the Earth


We and the Earth are One

The Earth is our mother, nourishing and protecting us in every moment–giving us air to breathe, fresh water to drink, food to eat and healing herbs to cure us when we are sick. Every breath we inhale contains our planet’s nitrogen, oxygen, water vapor and trace elements. When we breathe with mindfulness, we can experience our interbeing with the Earth’s delicate atmosphere, with all the plants, and even with the sun, whose light makes possible the miracle of photosynthesis. With every breath, we can experience communion. With every breath, we can savor the wonders of life.

We need to change our way of thinking and seeing things. We need to realise that the Earth is not just our environment. The Earth is not something outside of us. Breathing with mindfulness and contemplating your body, you realise that you are the Earth. You realise that your consciousness is also the consciousness of the Earth. Look around you–what you see is not your environment, it is you.

Great Mother Earth

Whatever nationality or culture we belong to, whatever religion we follow, whether we’re Buddhists, Christians, Muslims, Jews, or atheists, we can all see that the Earth is not inert matter. She is a great being, who has herself given birth to many other great beings–including Buddhas and bodhisattvas, prophets and saints, sons and daughters of God and humankind. The Earth is a loving mother, nurturing and protecting all peoples and all species without discrimination.

When you realise the Earth is so much more than simply your environment, you’ll be moved to protect her in the same way as you would yourself. This is the kind of awareness, the kind of awakening that we need, and the future of the planet depends on whether we’re able to cultivate this insight or not. The Earth and all species on Earth are in real danger. Yet if we can develop a deep relationship with the Earth, we’ll have enough love, strength and awakening in order to change our way of life.

Falling in Love

We can all experience a feeling of deep admiration and love when we see the great harmony, elegance and beauty of the Earth. A simple branch of a cherry blossom, the shell of a snail or the wing of a bat–all bear witness to the Earth’s masterful creativity. Every advance in our scientific understanding deepens our admiration and love for this wondrous planet. When we can truly see and understand the Earth, love is born in our hearts. We feel connected. That is the meaning of love: To be at one.

Only when we’ve truly fallen back in love with the Earth will our actions spring from reverence, and the insight of our interconnectedness. Yet many of us have become alienated from the Earth. We are lost, isolated and lonely. We work too hard, our lives are too busy, and we are restless and distracted, losing ourselves in consumption. But the Earth is always there for us, offering us everything we need for our nourishment and healing: The miraculous grain of corn, the refreshing stream, the fragrant forest, the majestic snow-capped mountain peak, and the joyful birdsong at dawn.

True Happiness is Made of Love

Many of us think we need more money, more power or more status before we can be happy. We’re so busy spending our lives chasing after money, power and status that we ignore all the conditions for happiness already available. At the same time, we lose ourselves in buying and consuming things we don’t need, putting a heavy strain on both our bodies and the planet. Yet much of what we drink, eat, watch, read or listen to, is toxic and is polluting our bodies and minds with violence, anger, fear and despair.

As well as the carbon dioxide pollution of our physical environment, we can speak of the spiritual pollution of our human environment: The toxic and destructive atmosphere we’re creating with our way of consuming. We need to consume in such a way that truly sustains our peace and happiness. Only when we’re sustainable as humans will our civilization become sustainable. It is possible to be happy in the here and the now.

We don’t need to consume a lot to be happy; in fact, we can live very simply. With mindfulness, any moment can become a happy moment. Savoring one simple breath, taking a moment to stop and contemplate the bright blue sky, or to fully enjoy the presence of a loved one, can be more than enough to make us happy. Each one of us needs to come back to reconnect with ourselves, with our loved ones and with the Earth. It’s not money, power or consuming that can make us happy, but having love and understanding in our heart.

The Bread in Your Hand is the Body of the Cosmos

We need to consume in such a way that keeps our compassion alive. And yet many of us consume in a way that is very violent. Forests are cut down to raise cattle for beef, or to grow grain for liquor, while millions in the world are dying of starvation. Reducing the amount of meat we eat and alcohol we consume by 50% is a true act of love for ourselves, for the Earth and for one another. Eating with compassion can already help transform the situation our planet is facing, and restore balance to ourselves and the Earth.

Nothing is More Important than Brotherhood and Sisterhood

There’s a revolution that needs to happen and it starts from inside each one of us. We need to wake up and fall in love with Earth. We’ve been homo sapiens for a long time. Now it’s time to become homo conscious. Our love and admiration for the Earth has the power to unite us and remove all boundaries, separation and discrimination. Centuries of individualism and competition have brought about tremendous destruction and alienation. We need to re-establish true communication–true communion–with ourselves, with the Earth, and with one another, as children of the same mother. We need more than new technology to protect the planet. We need real community and co-operation.

All civilisations are impermanent and must come to an end one day. But if we continue on our current course, there’s no doubt that our civilisation will be destroyed sooner than we think. The Earth may need millions of years to heal, to retrieve her balance and restore her beauty. She will be able to recover, but we humans and many other species will disappear, until the Earth can generate conditions to bring us forth again in new forms. Once we can accept the impermanence of our civilization with peace, we will be liberated from our fear. Only then will we have the strength, awakening and love we need to bring us together. Cherishing our precious Earth–falling in love with the Earth–is not an obligation. It is a matter of personal and collective happiness and survival.

Fonte:Up Lift Connect

domingo, 22 de abril de 2018

Gosto das belas coisas claras e simples, por Florbela Espanca

Gerhard Richter

"Gosto das belas coisas claras e simples, das grandes ternuras perfeitas, das doces compreensões silenciosas, gosto de tudo, enfim, onde encontro um pouco de Beleza e de verdade ...Porque há ainda no mundo, graças a Deus, almas-astros onde eu gosto de me refletir, almas de sinceridade e de pureza sobre as quais adoro debruçar a minha..."


Florbela Espanca

sábado, 21 de abril de 2018

A verdadeira bondade humana, por Milan Kundera


“A verdadeira bondade humana, em toda a sua pureza e liberdade, mostra-se apenas quando o seu receptor não tem qualquer poder. O verdadeiro teste moral da humanidade, o seu fundamental teste [...], consiste na sua atitude em relação àqueles que estão à sua mercê: os animais. E, a este respeito, a humanidade sofreu um fundamental desastre, um desastre tão fundamental que todos os outros [desastres] decorrem dele.”


Milan Kundera in "A Insustentável Leveza do Ser"

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Eco Summit 2018 em Torres Vedras resultou numa carta de compromisso

Escuteiros organizaram evento sobre sustentabilidade ambiental


Organizado pelo agrupamento 496 da Freiria do Corpo Nacional de Escutas, em conjunto com a Câmara Municipal, o evento teve como tema “Problemas Globais exigem Ações Locais”. Durante a manhã houve intervenções sobre vários temas e à tarde os participantes constituíram-se em grupos de discussão sobre os cinco temas das intervenções. No final foi elaborada uma carta de compromisso, que as cerca de 90 pessoas presentes assinaram.

Eco Summit 2018

A sessão de abertura do Eco Summit 2018 contou com as intervenções do presidente da Câmara, Carlos Bernardes, e Diana Peralta, da organização. Seguiram-se as intervenções dos oradores convidados. José Machado, engenheiro electrotécnico, falou sobre fontes de energia alternativas. José Carlos Ferreira, também engenheiro mas agrónomo, especialista em agricultura biológica, falou sobre produção e hábitos alimentares sustentáveis.

Empresas como motor de sustentabilidade ambiental” foi o tema exposto por Simão Marçal, especialista em práticas sustentáveis enquanto sócio-gerente de várias empresas. José Henriques, médico oftalmologista e escuteiro há 40 anos, utilizador de veículos eléctricos, referiu-se à sua experiência na área da mobilidade sustentável. A psicóloga Margarida Fialho, também escuteira, focou a sua intervenção no indivíduo: “Eu” como motos de sustentabilidade ambiental.

No final saiu uma carta de compromisso subscrita pelos presentes, com cinco tópicos relacionados com os cinco temas apresentados no evento. No que se refere às fontes de energia alternativas, o documento sugere a redução o IVA para aquisição de sistemas fotovoltaicos, sensibilização da população para reduzir os resíduos sólidos e algumas sugestões à Câmara Municipal para tornar o concelho mais sustentável.

Mudança de hábitos

No capítulo dos hábitos alimentares sustentáveis, as propostas indicam sobretudo a educação e a formação dos cidadãos, para além da mudança de hábitos. As empresas têm também um papel importante na sustentabilidade ambiental e a carta de compromisso do Eco Summit enumera várias medidas a tomar. Nomeadamente, a criação de rankings de empresas e o ajuste da taxa da derrama municipal em função da classificação ambiental obtida anualmente pelas empresas.

Nos outros dois pontos da carta de compromisso é referida a necessidade de promover a mobilidade sustentável através de vários incentivos e, por outro lado, é indicada uma lista do que é que cada indivíduo pode fazer para ser actor da mudança. Designadamente diminuir a utilização de sacos de plástico nas compras, organizar acções de formação para ensinar as pessoas a produzirem desodorizantes e cosméticos caseiros, instalação de pontos de compostagem públicos e sensibilizar os alunos das escolas para hábitos alimentares mais sustentáveis, entre outras propostas.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Lisboa finalista a Capital Europeia Verde em 2020, Guimarães de fora

Largo do Carmo, Lisboa

Capital portuguesa vai concorrer com Gent (Bélgica) e Lahti (Finlândia).

Lisboa é novamente finalista na corrida ao título de Capital Europeia Verde de 2020, que vai disputar com as cidades de Gent (Bélgica) e Lahti (Finlândia), e ao qual também concorria Guimarães, anunciou hoje a Comissão Europeia.

As três cidades repetem a condição de finalista na categoria de cidades com mais de 100 mil habitantes, que no ano passado disputaram juntamente com Talin (Estónia) e Oslo (Noruega), que acabou por vencer.

Segundo a Comissão Europeia, este prémio é atribuído anualmente com o objetivo de reconhecer os esforços das cidades com um plano para se tornarem amigas do ambiente e que envolvam a sua população na sustentabilidade ambiental, social e económica.

O presidente da Câmara de Guimarães já lamentou que a cidade não seja finalista na corrida ao prémio , prometendo que voltará a ser candidata àquela distinção.

"Estamos orgulhosos do trabalho feito e dos resultados já conquistados, vamos intensificar o nosso esforço e o nosso trabalho para apresentar uma nova candidatura, convictos da forte esperança que temos para aspirar a ser Capital Europeia Verde", afirmou, em declarações à Lusa, Domingos Bragança, que felicitou ainda a cidade de Lisboa.

Domingos Bragança deixou ainda um apelo: "Convoco todos os vimaranenses para trilharem este caminho do desenvolvimento sustentável, na certeza que a força que emana da nossa comunidade será o garante do sucesso que desejamos conquistar", disse.

Até à data, dez cidades receberam o título de Capital Europeia Verde: Estocolmo (Suécia, 2010), Hamburgo (Alemanha, 2011), Vitoria-Gasteiz (Espanha, 2012), Nantes (França, 2013), Copenhaga (Dinamarca, 2014), Bristol (Reino Unido, 2015), Ljubljana (Eslovénia, 2016), Essen (Alemanha, 2017), Nijmegen (Holanda, 2018) e Oslo (Noruega, 2019).

Ao Prémio Europeu Folha Verde 2019 (cidades entre 20 mil e 100 mil habitantes) são finalistas Cornellà de Llobregat (Espanha), Gabrovo (Bulgária), Horst aan de Maas (Holanda), Joensuu (Finlândia) e Mechelen (Bélgica).

A cidade de Santarém era uma das candidatas a esta distinção.

Cinco cidades já foram distinguidas com o Prémio Europeu Folha Verde: Mollet del Vallès (Espanha 2015), Torres Vedras (Portugal 2016), Galway (Irlanda, 2017) e empatadas Leuven (Bélgica) e Växjö (Suécia), em 2018.

As cidades finalistas aos dois prémios terão agora de comprovar junto de um júri internacional o seu compromisso com o desenvolvimento urbano sustentável, a sua capacidade de servirem de exemplo junto de outras cidades e também de envolverem os seus cidadãos nestas temáticas.

Os vencedores serão anunciados a 21 de junho na cidade holandesa de Nijmegen.

Fonte:tvi24

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Estudo de caso: A lagarta exótica Helicoverpa armigera (monocultura vs agrofloresta)


O Brasil vai exportar megapragas? A lagarta exótica Helicoverpa armigera vem assombrando as lavouras de soja, milho e algodão do país há vários anos, pressionando inclusive para a liberação brasileira de sucessivos agrotóxicos antes proibidos pela Anvisa  e pelo Ibama. Ano após ano, a lagarta que causa perdas econômicas para produtores é, também, a mesma a que causa uma receita bilionária às fabricantes estrangeiras de pesticidas. Em janeiro deste ano, mais um novo agrotóxico foi liberado  no Brasil, outro veneno para tentar conter a tal lagarta. Estudos sobre estas superpragas realizado por pesquisadores ingleses, americanos e australianos, tanto do PNAS e CSIRO, demonstram que a tal lagarta híbrida já é uma megapraga, com muitas mudanças genéticas resistentes a todos os pesticidas do mercado. Os cientistas alertam para o risco mundial. 


Saiba mais:

Fonte: Árvore, Ser Tecnológico, 11.04.08

terça-feira, 17 de abril de 2018

Fracturação hidráulica- Portugal considerado um mau exemplo ambiental




Uma vitória amarga. Portugal encabeça o pódio na lista dos piores apoios à exploração de combustíveis fósseis. O prémio é uma iniciativa da CAN Europe (Rede Europeia para a Ação Climática).

Em causa está a licença ao consórcio Galp/Eni para exploração de petróleo em grande profundidade ao largo de Aljezur. O projeto na Costa Vicentina está em consulta pública até esta segunda-feira e é contestado por autarcas da Região de Turismo do Algarve e dezenas de associações ambientalistas locais e nacionais.

Este prémio vem dar visibilidade internacional ao processo de exploração de petróleo ao largo de Aljezur. O presidente da ZERO, associação que integra a Rede Europeia para a Ação Climática, considera que, ao permitir esta licença, o Governo português entra em contradição com o discurso da Neutralidade Carbónica. Francisco Ferreira fala mesmo numa "esquizofrenia" na área das alterações climáticas.

"Por um lado, somos campeões das renováveis, o mundo conhece-nos pelos recordes que estamos a conseguir alcançar, muito ambiciosos na eficiência energética, com o roteiro a caminho da neutralidade carbónica em 2050; por outro lado, não temos a capacidade de assumir que iniciar agora a prospeção e eventual exploração de petróleo não é o caminho", defende.

Para Francisco Ferreira, "é inaceitável que o Governo continue a favorecer o acesso das companhias petrolíferas, quer nacionais, quer estrangeiras, à área de exploração marítima e de conservação marítima que deve ser preservada".

Portugal leva o ouro nestes prémios que distinguem os piores desempenhos na exploração de combustíveis fósseis. É seguido pela Polónia, pelo incentivo a centrais de carvão obsoletas, e por Espanha, por subsidiar a utilização de carvão nas ilhas Baleares.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Aldo Leopold- A Estética da Terra


Resumo
A máxima leopoldiana, “Algo é bom quando preserva o equilíbrio, a integridade e a beleza da comunidade biótica”, constitui, em simultâneo, o corolário normativo da exposição do autor e a sua tese nuclear, guiando a escrita do ensaio, Sand County Almanac, no propósito demonstrativo de que a diversidade e a integridade ecológicas são inseparáveis da beleza natural, e, nesse sentido, afirmam-se como princípios da acção correcta, estruturadores da relação do humano com a terra

Palavras-chave: Leopold, ética da terra, estética da terra, valor estético, valor ecológico


1

Num ensaio crítico de 1966, o filósofo escocês Ronald Hepburn [2] apresenta as razões para o desprezo que a estética contemporânea dirige ao belo natural defendendo que tal desprezo é, ipsis verbis, algo muito mau. 

Se, de facto, a partir do século XIX, a vulgarização da beleza “pitoresca” do mundo natural o deixou de fora de uma teoria estética inteiramente devotada à reflexão sobre a arte, assinala-se, porém, que, em paralelo a esta tendência blasé e urbana da Estética, o tema do belo natural não deixou de ser declinado em conjunção com o bem numa linha de pensamento cujas raízes mergulham na antiguidade e que, ainda no século XIX, informou o pensamento dos pioneiros ambientalistas abrindo caminho para a compreensão da estética natural no contexto da acção preservacionista. Thoreau, Emerson e Muir exploraram no novo Mundo não só a riqueza incorrupta das suas múltiplas formas geológicas vegetais e faunísticas, como também as modalidades do pensamento que associa o belo natural ao agir, desbravando a via que viria em meados do século XX a impor um novo contexto à reflexão ética e estética - a natureza. 

Justamente neste contexto, a Estética Ambiental constitui um emergente campo reflexivo, recrudescente com a crise ecológica, que enfrenta, todavia, claras dificuldades em exprimir-se de forma coerente e eficaz na prática ambientalista. Com efeito, embora o belo natural se imponha em algumas abordagens de ética ambiental, nomeadamente na de Aldo Leopold, a argumentação que sustenta a acção de preservação de ecossistemas ou áreas naturais específicas, convoca, prioritariamente, os valores ecológicos (como o da biodiversidade, ou os da integridade e qualidade ecológicas), sendo, a maior parte das vezes, omissa em relação ao seu valor estético. Uma omissão que parece ignorar a história da acção ambientalista demonstrativa que a adesão, o sucesso e as decisões conservacionistas decorrem mais frequentemente pelo lado da estética natural do que pelo lado da ética, mais em função da beleza da natureza do que da obrigação moral dos agentes, como o filósofo ambiental Baird Callicott [3] testemunha: 
“No que toca à conservação e gestão de recursos, a estética natural tem sido historicamente, na verdade, muito mais relevante do que a ética ambiental. grande parte das decisões conservacionistas foram motivadas mais pela estética do que pelos valores éticos, mais pela beleza do que pelo dever.” Callicott, 2008:107. 

domingo, 15 de abril de 2018

Poema da Semana: Eco Lógico (autor desconhecido)


Eco lógico

Se aos pássaros perguntares.
Quem polui os nossos ares,
onde os pulmões se consomem,
o eco, lógico, responde:
... homem... homem... homem...

E o húmus de nosso chão,
que resta pro nosso pão
logo após uma queimada?
O eco, lógico, responde:
... quase nada... quase nada...

O que era o Saara?
A Amazônia o que será?
Um futuro muito incerto?
O eco, lógico, responde:
... só deserto... só deserto...

O que reta, desmatando,
o que sobra, devastando,
ao homem depredador?
O eco, lógico, responde:
... só a dor... a dor... a dor...

Que precisa a natureza
pra manter sua beleza
e amainar a sua dor?
O eco, lógico, responde:
... mais amor... amor... amor...

Autor Desconhecido

sábado, 14 de abril de 2018

Petição: Reconhecimento dos Direitos Intrínsecos da Natureza e de Todos os Seres Vivos


Há hoje um amplo consenso em torno da gravidade do processo das alterações climáticas, fruto da modificação da estrutura química da atmosfera pelo Homem, pelo incremento da produção de gases com efeito de estufa, conforme evidenciam as conclusões do Quinto Relatório do Grupo II do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, da Organização das Nações Unidas, realizado entre 2013 e 2014. A velocidade e magnitude das mudanças climáticas em curso excedem a capacidade de adaptação dos organismos vivos e ameaçam a nossa existência interdependente. Alguns cientistas falam de uma nova era geológica, o Antropoceno, caracterizada pelo poder da acção humana alterar o frágil equilíbrio da rede de sistemas da estrutura do Planeta [Crutzen, P.J. e Stoermer, E.F. (2000) “The Antropocene”, Global Change Newsletter. 41, pp 17-18, citado por Viriato Soromenho-Marques no artigo “Entre a Crise e o Colapso. O Desafio Ontológico das Alterações Climáticas”, Dezembro de 2009]. 

Estudos científicos recentes demonstram que o aquecimento global da atmosfera e dos oceanos aumenta a uma velocidade maior do que se supunha; crescem as concentrações de CO2 e de metano, os mais importantes gases com efeito de estufa; o degelo polar continua; o nível das águas dos mares subiu; a erosão das zonas costeiras, a perda de biodiversidade e da floresta tropical são factos indesmentíveis, bem como o extermínio da vida nos oceanos; a maioria das mudanças observadas desde os anos 50 não tem precedentes na História da humanidade, tendo as Nações Unidas declarado que enfrentamos a maior catástrofe planetária jamais vista (The World Economic and Social Survey 2011: The Great Green Technological Transformation); 

Na verdade, a demanda da satisfação das necessidades básicas de uma população em crescimento, dentro da finitude dos recursos da Terra, torna necessário criar um modelo de produção e de consumo mais sustentável, pois o actual coloca-nos em rota de colisão com a Natureza. 

Desde a Revolução Industrial, a Natureza tem sido sempre tratada apenas como uma mercadoria (commodity) existente para benefício das pessoas no interior de uma economia de mercado e os problemas ambientais têm sido considerados passíveis de ser solucionados fragmentadamente e mediante o recurso à tecnociência. Contudo, tais sustentações devem ser reavaliadas e alteradas. 

O paradigma mecanicista e antropocêntrico, que regula o modo de fruição da Natureza - concebida como objecto de direitos - , provou ser inadequado para a protecção efectiva do ambiente e dos recursos naturais e para alcançar a sustentabilidade, permitindo, ao invés, a sua continuada degradação, antevendo-se sérias repercussões se nada for feito. 

Viver em harmonia com a Natureza é essencial à vida. A crise global do ambiente é o resultado da total desconsideração dos custos ambientais na tomada de decisões políticas e económicas. 

Assim: 

1) Considerando que todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender; que é tarefa fundamental do Estado defender a natureza e o ambiente e preservar os recursos naturais, bem como promover a efectivação dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, mediante a transformação das estruturas económicas e sociais (arts. 66.º e 9.º als. d) e e) da Constituição da República Portuguesa, doravante CRP); 


2) Considerando que a integração das exigências de protecção ambiental na definição e execução das demais políticas globais e sectoriais é essencial para a redução da pressão sobre o ambiente, sendo expressão do princípio da transversalidade e da integração, com acolhimento na al. a) do art. 4.º da Lei de Bases do Ambiente, aprovada pela Lei n.º 19/2014, de 14 de Abril (doravante, LBA), constituindo também uma incumbência do Estado com consagração constitucional, na al. f) do art. 66.º da CRP; 

3) Considerando que o princípio do conhecimento e da ciência, acolhido também no mesmo preceito da LBA, obriga a que o diagnóstico e as soluções dos problemas ambientais resultem da convergência dos saberes sociais com os conhecimentos científicos e tecnológicos provenientes de fontes fidedignas e isentas (al. c) do art. 4.º); 

4) Considerando a manifesta inadequação do acervo normativo ambiental vigente para fazer face à crise global do ambiente que reclama uma nova abordagem holística, sistémica e inclusiva, promotora da protecção efectiva da Natureza, da qual são parte integrante todos os seres, humanos e não humanos, assente na visão da Terra como um organismo vivo (Gaia), e não como um “conglomerado de matéria inerte (os continentes) e água (os oceanos, lagos e rios)”, “um todo relacional, inter-retro-conectado com tudo e maior que a soma das suas partes” nas expressões significativas de Leonardo Boff; 

5) Considerando que a actuação pública em matéria de ambiente se encontra subordinada aos princípios do desenvolvimento sustentável e da responsabilidade intra e inter-geracional, visando a garantia da preservação dos recursos naturais para a presente e futuras gerações (art. 3.º, als. a) e b) da LBA); 

6) Considerando que a degradação em curso dos componentes ambientais naturais que são objecto da política de ambiente (o ar, a água e o mar, a biodiversidade, o solo, o sub-solo, e a paisagem, de acordo com o estabelecido no art. 10.º da LBA) reclama dos poderes públicos novas soluções protectoras da sua integridade, de que dependem todos os seres para viver; 

7) Considerando que o ordenamento jurídico ambiental vigente assenta numa concepção da natureza como objecto de direitos de propriedade (pública ou privada), regulando prima facie o seu uso ou fruição, ainda que lesivo da sua integridade, e que as alterações climáticas revelam o fracasso desta abordagem; 

8) Considerando, ainda, que a União Europeia concordou em estimular a transição para uma economia verde, num contexto de desenvolvimento sustentável (Conclusões do Conselho de 11 de Junho de 2012); 

Almejando instituir uma verdadeira Ética Ecológica ou Ética da Terra [expressão cunhada por Aldo Leopold], que torne possível a efectivação dos direitos ambientais, torna-se necessário que o ordenamento jurídico reconheça o valor intrínseco da Natureza e dos componentes ambientais naturais e que actue em conformidade, dando corpo a um novo paradigma assente no reconhecimento da Natureza como fonte de vida e da vida e, como tal, sujeito de direitos intrínsecos próprios merecedores de uma tutela jurídica robusta, garante da observância de um acervo de deveres legais de cuidado e respeito cuja imperatividade se imponha a todos os demais sujeitos de direitos; 

Considerando também que esta visão já foi traduzida normativamente em diversos países, como o Equador, a Bolívia, o México e a Índia, apenas para citar alguns; 

Considerando que existe uma convergência entre aqueles que defendem a necessidade do reconhecimento da Natureza como sujeito de direitos e aqueles que sustentam a urgência de dar expressão legal mais estrita e positiva aos nossos deveres para com ela, pois em ambos os casos a Natureza é compreendida como conditio sine qua non para que seja alcançada a sustentabilidade a longo prazo do ambiente e dos ecossistemas que constituem o suporte das actividades humanas, incluindo as actividades económicas, e a harmonia entre a humanidade, presente e futura, e o mundo natural, de que somos parte intrínseca; 

Considerando que a consagração dos direitos da Natureza, ou dos nossos inadiáveis deveres para com ela, na ordem jurídica interna, mais não é do que a concretização dos princípios da Carta da Terra, fundada nos mais recentes e consolidados conhecimentos da ciência contemporânea, nos ensinamentos dos povos indígenas, na sabedoria perene das grandes tradições religiosas e filosóficas do mundo e nas declarações e relatórios das conferências Mundiais das Nações Unidas realizadas em 1972, 1992, 2002 e 2012, bases do movimento ético mundial dirigido à construção de um mundo sustentável baseado no respeito pela Natureza e pelos direitos humanos universais, fundamentos de uma cultura da fraternidade e da paz. [www.EarthCharter.org]; 

E na senda do exemplo pioneiro do Equador, que acolheu, no seu texto constitucional, em 2008, o denominado direito da Natureza, reconhecendo a Natureza como sujeito de direitos; 

As cidadãs e os cidadãos abaixo assinados vêm peticionar à Assembleia da República o seguinte: 

Que adopte medidas legislativas no sentido de reconhecer que a cabal defesa dos direitos humanos fundamentais, em especial o pilar do direito à vida, não só não é incompatível como, pelo contrário, exige o reconhecimento de direitos subjectivos à Natureza e aos componentes ambientais naturais, assente no seu valor intrínseco e não meramente utilitário, consagrando, nomeadamente, o direito ao respeito pela sua vida e integridade, que inclui o direito à manutenção e regeneração dos seus ciclos vitais ou ecossistemas, estrutura, funções e processos evolutivos; que legisle no sentido de investir o Estado e todos os cidadãos do dever de promover o respeito por todos os elementos integrantes de qualquer ecossistema, onde se incluem todos os seres vivos, dotados igualmente de valor intrínseco; que estabeleça o direito a que qualquer pessoa ou entidade exija de qualquer autoridade pública, nomeadamente dos Tribunais, a defesa dos direitos subjectivos da Natureza e de todos os seus componentes, tal como previstos na LBA, convocando todos à adopção de um código de conduta universal que não comprometa a integridade dos ecossistemas e das espécies com que coexistimos.