segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Compaixão Activa: uma urgência


"Segundo os nossos estudos, a compaixão parece ser um dos ingredientes-chave para a felicidade genuína" - Daniel Goleman 

sábado, 6 de dezembro de 2014

Seis tipos de plantas funcionam como repelentes naturais de insetos

Citronela. Fonte
Plantar uma semente, regá-la, introduzir terra e acompanhar seu crescimento. Todas essas são práticas que os amantes de plantas adoram realizar - muitas vezes as encaram até como terapia. No entanto, certas plantas atraem insetos, que podem inibir o próprio crescimento dos vegetais ou trazer transtornos por causa de sua grande concentração e reprodução.
Uma possível solução passa pelo uso de pesticidas e repelentes, se não fosse o fato de que eles são nocivos não só para as plantas, mas para a saúde humana, pois contêm substâncias tóxicas. A melhor opção, mais saudável e ecológica, é criar plantas que repelem insetos em seu jardim, principalmente em locais com grande incidência de insetos. Dê uma olhada:

Lavanda
Além de ser uma planta que pode perfumar ambientes internos, devido ao seu cheiro adocicado, e decorá-los, por causa de sua beleza, a lavanda ajuda a espantar mosquitos;
Citronela

Outro excelente repelente natural contra mosquitos, principalmente os borrachudos e os pernilongos. Caso seja combinada com outras duas plantas repelentes naturais, aerva do gato e a cascata gerânio, o efeito se torna mais potente ainda;

Hortelã
Basta plantar várias em torno do seu jardim que as formigas não vão mais incomodar suas plantas. Aproveite para ver aqui outra forma de se livrar das formigas em casa sem usar pesticidas;

Ajuda a manter baratas, percevejos, pulgas e carrapatos afastados;

Manjericão
O cheiro forte da planta afasta moscas e mosquitos;

Alecrim
Também repele os mosquitos e pode ajudar a manter gatos afastados de locais em que a presença deles seja indesejável, como numa caixa de areia destinada para o lazer de crianças. Basta colocar algumas folhas de alecrim no local - os gatos não gostam do cheiro.

Confira este vídeo (em inglês) sobre as diferentes plantas que repelem os mosquitos.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Nós cientistas estamos assustados: Estamos indo direto para o matadouro!

Antonio Donato Nobre é um dos melhores cientistas brasileiros, pertence ao grupo do IPCC que mede o aquecimento da Terra e é um especialista em questões amazônicas. É mundialmente conhecido como pesquisador do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Excerto do evento de lançamento do relatório “O Futuro Climático da Amazônia” em 30/10/2014.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Sobre postura, ergonomia, trabalho, estudo e...computadores vs ar livre...

Se é viciado em trabalho.Bem...Então pelo menos faça direito! Vejam até ao fim...

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Escolas que questionam o sistema e dão a cada aluno o seu tempo

Há escolas que não têm manuais, nem aulas expositivas. Em algumas são os alunos que escolhem o que estudar e quando querem ser avaliados. Noutras, as notas não contam mais do que aprender a conhecer-se e a ser feliz.
[Texto completo no Público, 24 de Novembro]

O dia começa com uma roda. De mãos dadas, cantam, saltam à corda, dizem poemas. A professora toca flauta, fala do vento, eles rodopiam. Só depois vão para a aula. A Casa da Floresta Verdes Anos, colégio em Lisboa onde não há computadores nem quadros interactivos, não é a única a seguir uma via menos convencional.

N’Os Aprendizes, em Cascais, além do edifício onde decorrem as aulas, há uma casa, o Reino dos Sentidos, dedicada sobretudo à arte-terapia: não é só para meninos com necessidades educativas especiais, qualquer criança pode ir lá e tentar ultrapassar uma dificuldade através da pintura, música, neuroterapia, entre outras hipóteses.

Estes colégios são privados, mas a Escola da Ponte, Santo Tirso, do pré-escolar ao 3.º ciclo, é pública. Sem aulas expositivas, são os alunos que escolhem as matérias e quando querem ser avaliados.

São três exemplos, entre outros que não encaixam no sistema convencional. Não se vangloriam de serem os melhores nos rankings, mas garantem que as crianças aprendem e trabalham a criatividade, o espírito crítico, a cidadania, a liberdade, a responsabilidade.

“Não acreditamos na avaliação quantitativa, mas qualitativa. O professor olha para cada criança e vê se brinca, se come, se resolve um problema na sala, lá fora, se tem dificuldade a Português, a Matemática. Não há um melhor do que outro”, diz Rita Dacosta, directora da Casa da Floresta, colégio até ao 1.º ciclo que segue a pedagogia Waldorf.


Além desta pedagogia, Os Aprendizes cruza o método High Scope e o Movimento Escola Moderna. À fusão chamaram “Pedagogia do Amor”: “Está na moda falar em sucesso, não em amor. Mas preparar os miúdos para a vida não é só prepará-los tecnicamente. Ser bem sucedido profissionalmente é ser feliz, realizado, trabalhar em algo produtivo, é cada um alcançar o máximo do seu potencial”, diz Sofia Borges, directora deste colégio até ao 2.º ciclo.

sábado, 29 de novembro de 2014

Aafje Heynis: "Return, o God of hosts" (Samson) by Haendel


Samson é considerado um dos melhores trabalhos dramáticos de Händel. 
______Uma canção de Handel por dia, nem imagina o bem que lhe fazia.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

As árvores são santuários.


"As árvores são santuários. Seja quem for que saiba como falar-lhes, seja quem for que saiba como escutá-las, pode aprender a verdade. Elas não pregam erudição nem preceitos, elas pregam, sem se deixarem intimidar por pormenores, a antiga lei da vida" ~ Hermann Hesse

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Portugal é a 15ª economia verde do mundo

Portugal é a 15ª economia verde dentro de um ranking que analisou os investimentos verdes de 60 países distribuídos por todos os continentes. O ranking – Global Green Economy Index 2014 – foi elaborado pela consultora internacional Dual Citizens e elegeu a Suécia como o país que apresenta a melhor performance rumo a uma economia mais sustentável.
Lançado em 2010, o índice elabora dois rankings simultâneos: o de performance, que analisa o que realmente os países fazem para alcançarem uma economia mais verde, e o de perceção, que é baseado numa investigação com especialistas e personalidades do setor e que demonstra a visão dos mesmos sobre as nações que compõem a lista.
A elaboração do ranking de performance utiliza 32 indicadores para avaliar os 60 países, tendo em conta aspetos como mercados e investimentos, liderança em alterações climáticas, setores eficientes e capital natural e ambiental.
No ranking de performance, Portugal ocupa o 15º lugar, que é encabeçado pela Suécia e logo depois pela Noruega. Já no Ranking de perceção, Portugal ocupa o 40º lugar.
Embora não seja fidedigno, o ranking de perceção revela que existem países, principalmente os mais desenvolvidos, como os Estados Unidos, Japão, Reino Unido ou a China, que são considerados mais sustentáveis do que realmente são.
Se, por um lado, denotam os autores do estudo, é um problema que estas nações sejam consideradas mais sustentáveis do que são na realidade, por outro, estes países podem utilizar as suas reputações verdes para melhorar a sua performance sustentável, já que as suas “economias domésticas são já encaradas como atrativas para o investimento verde”, lê-se no estudo.
20 primeiros lugares do Ranking de Performance:
1.Suécia
2.Noruega
3.Costa Rica
4.Alemanha
5.Dinamarca
6.Suíça
7.Áustria
8.Finlândia
9.Islândia
10.Espanha
11.Irlanda
12.Nova Zelândia
13.França
14.Colômbia
15.Portugal
16.Peru
17.Quénia
18.Brasil
19.Chile
20.Reino Unido
Fonte: Green Savers


Gostou? Compartilhe: